capelinha-educação-transito

Vamos fazer a nossa parte…

“Não aguento mais esse trânsito”, “Quase bateram no meu carro”, “Hoje não cai de moto porque dei sorte”. Essas são apenas algumas frase que acompanham nosso dia-a-dia…

Mas por que estamos sofrendo tanto com o trânsito? Seria o volume de automóveis e motocicletas ou a qualidade das vias públicas? O que posso afirmar é que não temos como intervir no crescimento da frota. Afinal, recorrer ao poder público é passar por um processo doloroso e coletivo, além de levar tempo.

Acredito que existe uma forma individual de melhorar a nossa vida pelas ruas das cidades e essa forma é a EDUCAÇÃO. Isso mesmo, educação! A partir do momento em que nos tornarmos cidadãos educados no trânsito, de uma forma geral tudo vai ficar mais fácil. E não adianta esperarmos que educação no trânsito passe a ser matéria de ensino fundamental. Um dia vai ser, afinal, educação sexual depois de inúmeros problemas sociais virou tema do currículo escolar em algumas escolas.

Vamos começar já?

Imaginem um cruzamento onde, educadamente, damos passagem ao nosso colega de trânsito. Na próxima esquina será nossa vez de receber a gentileza. Quando estamos no carro, vamos deixá-lo passar, facilitar! Amanhã seremos nós em nossas motos passando com mais conforto e segurança entre os carros.

Vamos nos unir e procurar uns aos outros para que possamos enfrentar o trânsito com mais alegria, menos stress e, sem dúvida, com muitos mais segurança! Espero encontrar com meus amigos leitores no trânsito e participar da seguinte discussão: “Por favor, é a sua vez…”, “Não, eu faço questão, você primeiro…”, afinal, gentileza e educação, além de não fazer mal, só agrega segurança e torna o trânsito mais amigo.

E não esqueça: lugar de correr é na pista!