Motos: cenário estável, mas em patamar baixo

Venda de moto continua em baixa

Motos: cenário estável, mas em patamar baixo

Motos: cenário estável, mas em patamar baixo

Se o cenário já não era bom para o setor de motocicletas, os acontecimentos das últimas semanas podem piorar ainda mais a situação. Os dados divulgados pela Fenabrave – Federação Nacional dos Distribuidores de Veículos Automotores, mostram que o setor de motos continua perdendo espaço, enquanto o de automóveis vai muito bem.

No mês de junho foram vendidas (emplacadas) 125.002 motocicletas, número 3,99% menor ao ser comparado a maio (130.199 unidades) e 0,84% maior em relação a  junho de 2012. No acumulado, o segmento de motos caiu 9,79%, registrando vendas de 748.252 motocicletas em 2013, ante 848.607 nos seis primeiros meses do ano passado.

De fato, a impressão que fica é que o setor já absorveu o golpe da dificuldade de crédito para os consumidores de mais baixa renda e estacionou num patamar mais baixo de venda. O gráfico dos últimos 12 meses deixa clara esta situação, com raros momentos de alguma melhora.

Ranking de marcas segue sem grandes mudanças

Ranking de marcas segue sem grandes mudanças

“Sem crédito e com aperto das contas, o cenário para quem compra as motos dos segmentos de entrada não é nada favorável”, fala o presidente da Fenabrave, Flávio Meneghetti. O presidente faz alusão ao retorno da inflação e à alta do dólar, dois fatores que pressionam preços e retiram poder de compra da população. “Se já estava difícil obter crédito para financiar motos pequenas, agora vai ficar ainda mais complicado”, prevê.

Para os fabricantes de motocicletas, a situação é um pouco mais estável apenas para as marcas que vendem motos “premium”, caso da Harley-Davidson, BMW, Triumph e Kawasaki. Para as marcas que concentram boa parte de suas produção e venda nos modelos pequenos, as perdas são muito grandes e a preocupação aumenta.