tabela

Venda de moto: pelo menos parou de cair

Ranking e venda de motos segue inalterado e em ritmo morno; em "outras" estão várias marcas desconhecidas e algumas que já foram famosas, fecharam as portas, mas desovaram o estoque no mercado multimarca

Ranking e venda de motos segue inalterado e em ritmo morno; em "outras" estão várias marcas desconhecidas e algumas que já foram famosas, fecharam as portas, mas desovaram o estoque no mercado multimarca

O crescimento que o mercado de motos teve no mês de janeiro deste ano e que dava um certo alento ao setor e apontava para a estabilidade não passou de um espasmo que o mercado teve em função de altos estoques e de ousadas promoções para desovar motos fabricadas em 2013.

Os dados de emplacamentos revelados hoje (2/4) pela Fenabrave – Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores, mostram queda de 6,1% em relação à venda de motos em fevereiro e de 9,4% em relação ao mesmo mês de 2013.

No entanto, nem tudo é notícia ruim pois no período acumulado de 2014 (janeiro a março) em relação ao mesmo período de 2013 houve crescimento de 3,7%. “Apesar desta impressão de que o setor de motos continua ladeira abaixo, a realidade mostra que há estabilidade, mas infelizmente em nível baixo”, falou o presidente da Fenabrave, Flávio Meneghetti. “Pelo menos parou de cair”, brincou.

Meneghetti destacou que o setor de duas rodas vem desde 2008 sofrendo com a retração no crédito para financiamentos com os bancos dificultando o acesso. “Menos de 20% dos pedidos de crédito para compra de motocicletas são aprovados pelo sistema financeiro. Por outro lado, o setor enxerga sinais de recuperação lenta pelo crescimento do Sistema de Consórcios que, atualmente, responde por quase 50% das vendas de motos no país”, comentou o presidente da Fenabrave.