Todos os tipos de moto cresceram mais do que a média da frota total

Venda de motos: trimestre melhor aponta para estabilidade

Dados divulgados pela Abraciclo, Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares, mostram que as montadoras de motos instaladas no Brasil tiveram um primeiro trimestre melhor do que em 2013. As vendas no varejo alcançaram 365.306 unidades, 3,7% superior ao volume obtido no mesmo período do ano passado. A média diária de venda também foi melhor nos meses de janeiro até março, 5.989 unidades contra 5.869.

“Os números positivos no período refletem os esforços dos fabricantes e suas redes de concessionárias para a antecipação dos resultados, já prevendo uma possível dificuldade nas vendas por conta da Copa do Mundo”, justifica Marcos Fermanian, presidente da Abraciclo. A análise dos números do mês de março em relação a fevereiro mostra uma retração de 6,1%, com 112.212 motos vendidas em março contra quase 120 mil unidades em fevereiro. Segundo a Abraciclo, uma das razões para a queda foi o Carnaval, que neste ano aconteceu em março, diminuindo os dias úteis de vendas.

Veículos de duas rodas vem ganhando espaço nas ruas e já são 26,4% do total de veículos que circulam no Brasil; destaque para o crescimento da circulação de ciclomotores, que cresceu quase 50% nos últimos três anos

Veículos de duas rodas vem ganhando espaço nas ruas e já são 26,4% do total de veículos que circulam no Brasil; destaque para o crescimento da circulação de ciclomotores, que cresceu quase 50% nos últimos três anos

A entidade aproveitou para destacar alguns dados e aspectos relevantes sobre o setor de motocicletas. O primeiro deles é o que a Abraciclo chama de “renovação da frota” e aponta que apesar de certa estagnação, a indústria de duas rodas não deixou de investir em tecnologia e novos modelos. “Foram 29 lançamentos realizados durante o ano de 2013″, demonstra o presidente da entidade.

Outro dado interessante relaciona-se às motocicletas premium, acima de 450 cm³, que representam 17 modelos dos 29 novos lançamentos de 2013. “Praticamente todas as novas marcas que chegaram ao mercado brasileiro nos últimos anos direcionam seus esforços para o segmento de motos premium”, enfatizou Fermanian.

Mas nem só o segmento das motos premium recebeu atenção. Na fatia de motos até 150 cm³, que corresponde a 85% do mercado, as fabricantes também dedicaram tempo e investimentos e sete novos modelos de grande representatividade foram apresentados no segundo semestre de 2013, além de outro cinco lançamentos de motos entre 151 e 449 cm³.

Sobre o futuro, a Abraciclo crê na estabilidade para 2014. “Os fabricantes estão se acomodando neste novo patamar mais baixo e o mercado começa a encontrar seus caminhos para tentar manter o nível das vendas e buscar crescimento a partir de 2015″, explicou o presidente da Abraciclo. Ele destacou o expressivo crescimento do volume de motocicletas na frota circulante nacional, que hoje representa 26,5% do total, com cerca de 21 milhões de motos nas ruas. “Em 2010 o número de motocicletas nas ruas era de 16 milhões e a proporção com a frota total era 25,5%”, compara.