Viajar sozinho? Melhor em boa companhia!

Viagem ao Chile: Quem se habilita?

O Motonliner Cesar Pitanga, de Salvador (BA), planeja uma viagem de moto ao Chile em setembro de 2015. Ele ainda não sabe se a esposa vai junto, mas já começou o planejamento e aceita companhia. Por isso ele mandou seu roteiro para o Motonline. Acompanhe!

“Amigos/ Irmãos! Em Setembro de 2015 eu e minha esposa realizaremos um sonho antigo: ir de moto para o Chile. Ainda não sei se minha esposa vai poder ir por motivos profissionais. Estamos programando com certa antecedência para facilitar para quem queira nos acompanhar, pois há necessidade de se organizar com o período de férias, preparar a grana, arrumar a moto, etc.

Viajar sozinho? Melhor em boa companhia!

Viajar sozinho? Melhor em boa companhia!

Para ganhar tempo mandarei minha moto por transportadora para São Paulo e iremos de avião até a capital paulista. Portanto, partiremos de São Paulo para Foz do Iguaçu. De lá faremos o seguinte roteiro básico, pois não coloquei todas as cidades:

San Borgita (Arg), Resistência (Arg), San Pedro do Atacama, (Chi), Antofagasta (Chi), Valparaiso (Chi), Santiago (Chi), Mendonza (Arg). De Mendonza pretendo ir até Buenos Aires, e depois Montevideo (Uru), Maldonado (Uru), Chuí (BRA), Porto Alegre (RS), Florianópolis (SC), Curitiba (PR), algumas cidades do interior de São Paulo, Minas Gerais, Bahia e por fim, Salvador (minha terra).

Sei que o roteiro de Foz do Iguaçu a Mendonza na Argentina já é conhecido de muitos viajantes. Partindo de São Paulo até a volta ao Brasil em Porto Alegre são 7.486 km. Fazendo em média 550 km/dia faremos esse roteiro em 14 dias. Deixaremos 16 dias para conhecer os lugares. Minha moto é uma Kawasaki Versys 650 – 2012, equipada para viajar. Quem tiver interesse em nos acompanhar, pode entrar em contato: cesarpitangaxre@gmail.com ou pelos telefones: (71)8804-9227: (oi) / (71)9911-9227 (vivo) / (71)3506-5855 (residência).”

“Eu só peço a Deus que a dor não me seja indiferente. Que a morte não me encontre um dia, solitário, sem ter feito o que eu queria.”