Todas as avaliações do usuário

Avaliação de Rogerio Rene Garcia Machado em 29/05/2012

Avaliou moto Yamaha YS 250 Fazer 2011

Pros:
Design, Robustes do Conjunto, Economia de Combustível, Conforto.
Contras:
Viagens apenas de curta distância, pois a vibração incomoda em altas rotações. As soldas do quadro, pelo menos na minha moto, estavam cheio de respingos no quadro e em vez de lixarem, pintaram por cima mesmo. A moto é bem construída, mas poderiam ter mais cuidado com esse fato. A suspensão traseira treme lateralmente um pouco ao passar por remendos no asfalto

Condições do Teste

Tempo de Uso
Mais de um ano
Tipo de Uso
Lazer
Terreno Testado
Urbano, Estrada
Quilometragem
3000
Manutenção
Dentro do esperado
Custo de Mantenção
Normal
4.5
5
3.5
3.5
4
4
4

Avaliação de Rogerio Rene Garcia Machado em 29/05/2012

Avaliou moto Honda CBX 250 Twister 2004

Comentários:
Foi minha primeira moto. Era da cor vermelha, linda e moto com cara de moto. O consumo era bem alto se comparado a uma Fazer 250, fazia 20 a 24 km/l. O mais irritante era a correia que fazia muito barulho e chegava a cobrir o som do escape. Levei na CC eles lubrificaram e tal, mas depois fiquei sabendo através do Tite que é uma característica dela, pois a Honda opta por colocar uma corrente mais grossa. Algumas pessoas tiveram problemas no cabeçote e com as válvulas, mas na minha isso não ocorreu. Pra viajar muito tempo não recomendo. Fiz trechos de 350 Km e no final minhas mãos e braços formigavam, cheguei até a perder a sensibilidade das mãos de tanto vibração que esse motos passa. O banco também não ajuda, para a cidade não vejo problema, mas para andar direto uma hora um pouco mais... dói embaixo. A ciclística é muito boa, mas os pneus originais não podem nem sonhar com areia ou cascalhos. Já tomei um tombo bobo junto com a patroa, ao fazer o retorno numa rua, a roda dianteira encostou num pouco de areia no caminho e chão. Fora isso ela era muito estável em curvas e na estrada parecia que estava nos trilhos.
Pros:
Dirigibilidade, Visual
Contras:
Barulho muito alto da corrente, vibração excessiva em altas velocidade em rodovias, banco pouco confortável.

Condições do Teste

Tempo de Uso
Mais de um ano
Tipo de Uso
Transporte
Terreno Testado
Urbano, Estrada
Quilometragem
5000
Manutenção
Fácil de encontrar
Custo de Mantenção
Normal
3.5
4
3
3.5
3.5
2.5
3.5

Avaliação de Rogerio Rene Garcia Machado em 21/06/2012

Avaliou moto Suzuki Bandit 650 2011

Comentários:
Virei um fã da Moto e da Fabricante Suzuki, com exceção da representante J. Toledo. Apesar de as pessoas reclamarem por que ela é pesada o quadro de aço e tal, achei a moto muito estável e me parece aguentar bem as estradas desse país. É uma Moto Clássica ao meu ver.
Pros:
Pessoal, o conforto dessa moto é incrível. Maneabilidade é muito boa apesar do peso. O que me chamou muito a atenção é a docilidade na pilotagem. Eu tinha uma Yamaha Fazer 250 antes da Bandit e achei que ia estranhar muito. Mas ao andar na moto foi uma surpresa geral parece que você está em sintonia total com a moto, desde os primeiros quilômetros. Quanto ao consumo ela por enquanto tá fazendo 16 a 18 Km/l e ela está com 2.500 Km no odômetro. O Design é muito bem resolvido, linda demais diga-se de passagem, você olha os detalhes como junção das peças, acabamento da pintura, das soldas tudo é muito cuidadoso. A cor dela (cinza metálica) é um destaque a parte. As arrancadas são bem vigorosas, se você torcer o cabo e acima de 9 mil RPM entendemos o porque do nome Bandit, é emocionante. Tem gente que não gosta de motores que apresentam dois comportamentos distintos. Putz eu gosto e muito, dá para andar bem tranquilo na faixa até uns 6 mil RPM, mas se quiser emoção, acelera mais forte. Os bancos são macios e o espaço para a Esposa é excelente, palavra dela própria. Até agora não precisei trocar nada, vou esperar a revisão de 3 mil Km e depois posto aqui para os motonliners.
Contras:
SEGURO: o mais barato que consegui foi R$2.700. Culpa desse país em que vivemos e não da moto em si. O escapamento é SOFRÍVEL, grande demais, pesado e a Suzuki já poderia ter repensado essa peça. Falta de opção de Freio ABS. No exterior existe essa importantíssima opção, ainda mais numa moto desse tamanha e peso, mas aqui a J Toledo não traz e com certeza é por má vontade, pois as concorrentes nessa faixa já tem essa opção. Um concessionário chegou a me dizer que "Não precisa", pois o freio dela já é muito bom......pela amor né!!!! Ela apresenta uma vibração depois dos 6 mil RPMs, pequena, mas perceptível. Li em vários locais na net que realmente é característica dela, mesmo assim vou pedir pra CC reapertar tudo. Outra coisa é o plano de revisão de 3 em 3 mil Km, toda hora tem que parar a moto pra revisão é dureza.

Condições do Teste

Tempo de Uso
Menos de um ano
Tipo de Uso
Lazer
Terreno Testado
Urbano, Estrada
Quilometragem
2500
Manutenção
Custo de Mantenção
5
5
5
4
5
4
5

Avaliação de Rogerio Rene Garcia Machado em 24/03/2014

Avaliou moto Triumph Street Triple 675 2013

Comentários:
Saí de uma Bandit 650 S - 2011, pois queria uma moto que tivesse freios ABS, força para encarar estradas e um preço não tão abusivo. Foi aí que meu amigo, que comprou um Tiger 800, me indicou a Triuph. Fui com ele na loja no sábado e vi a Street 675 Azul, foi paixão a primeira vista, na segunda fechei negócio. Linda, linda, linda. E que moto, muito leve, muda de direção sem esforço algum equipamentos de primeira como freios ABS, imobilizador, aeroquip, pinça traseira Brembo, toda feita em Alumínio, acabamento das peças é muito bonito e a montagem é muito cuidadosa. O motor é interessante, é muito forte e elástico e com som parecido de uma pequena turbina. Sim ela faz um assovio quando dá umas aceleradas curtas, mas quando acelera pra valer o assovio é substituído por um belo ronco, só estando perto para sentir mesmo. Na estrada onde ando normalmente ela tem feito na base de 19 a 20 Km/l ainda amaciando entre 110, 120 km/h. A patroa gostou do assento tbm, realmente a espuma é melhor que a da Bandit. Revisão a cada 10 mil Km e 2 (dois) anos de garantia total com direito a guincho, transporte e hotel caso a moto quebre. O seguro para meu perfil casado, trabalho fixo, mais de 40 e interior de SP ficou em R$ 1800 pela Mapfre. O que não gostei é o preço dos acessórios, um protetor de tanque original 200 reais e uma alça para garupa mais de mil reais, aí não dá né?! Gostei do tratamento na CC, as pessoas foram muito atenciosas e comprometidas com a marca, eles organizam passeios, encontros, café-da-manhã todo sábado. Me ligaram para ver como fui tratado e o que estava achando da moto. Ahh também veio 2 pesquisas via e-mail uma da fábrica e uma da CC. Ainda ao sair da CC ganhei de brinde boné, carteira e capa para tablet ambas em couro, capa para moto, capa para o capacete, chaveiro. Tratamento de primeira, resumindo, nunca tinha visto algo assim. Virei fã da marca! 1a. revisão de 800Km ficou em R$ 440, meio carinho, mas pelo atendimento e cuidado que eles tem com o cliente e a moto, não reclamei muito. Sem contar que as próximas são a cada 10 mil Km ou 1 ano. Recomendo a todos os motonliners pelo menos que dêem uma passada na CC para conhecer!
Pros:
- Design - Desempenho - Facilidade de condução - Tradição da marca - Qualidade na contrução e dos materiais
Contras:
- Acessórios originais só em CCs e muito caros. - Poucas concessionárias ainda.

Condições do Teste

Tempo de Uso
Menos de um ano
Tipo de Uso
Lazer
Terreno Testado
Urbano, Estrada
Quilometragem
1300
Manutenção
Custo de Mantenção
5
5
4
5
5
4
5