h-d_ultralimited_5

Linha Touring H-D 2019: mais força e conforto

Desde que assumiu o controle de sua marca no Brasil, em fevereiro de 2011, uma boa parte das abordagens que fizemos sobre a Harley-Davidson aqui no Motonline foram reportagens falando de grandes mudanças para evoluir sua linha de motocicletas e algumas importantes guinadas estratégicas na atuação da empresa. De uma linha enorme com mais de 50 versões divididas em cinco famílias de motocicletas, hoje são 21 modelos de motos em três famílias: Touring, Sportster e Softail. Considerada um ícone dentro da indústria de motocicletas global, somos testemunhas do notável esforço que a marca realiza para se modernizar e atualizar seus produtos e sua forma de atuar, mas sem perder a essência de sua tradição mais que centenária. Queremos destacar que esse esforço resulta positivo e tem feito motociclistas que antes torciam o nariz, agora observarem com atenção as novas motos da marca.

As quatro motos que participaram do test-ride: Road Glide Special, Street Glide Special, Ultra Limited e Road Glide Ultra

As quatro motos que participaram do test-ride: Road Glide Special, Street Glide Special, Ultra Limited e Road Glide Ultra

E já que estamos falando de renovação, nada melhor do que esta época do ano – festas e verão – para falarmos de motos Touring da Harley-Davidson, as preferidas dos fãs da marca e dos viajantes. A nova linha Touring Harley-Davidson para 2019 foi apresentada junto com outras novidades em outubro deste ano. Como o próprio nome da família sugere, esta motos foram feitas para viajar e é na estrada que elas mostram todo seu potencial para oferecer uma experiência de pilotagem prazerosa e com completo conforto por muitos quilômetros e horas. Por isso a Harley-Davidson organizou um test-ride bem completo na região de Mérida, na península do Yucatán, região sudeste do México, um dos locais de maior fluxo turístico do país e que é berço dos Maias, civilização que povoou aquela área, onde hoje estão várias ruínas históricas.

A família Touring H-D 2019: com as bençãos dos Deuses Maias

A família Touring H-D 2019: com as bençãos dos Deuses Maias

É verdade que as mudanças na linha Touring não foram muitas, mas são sim muito significativas. Além de detalhes de acabamento, cores e grafismos, as principais modificações são duas: a adoção do novo motor Milwaukee-Eight 114 (1.868 cm³) e o novo sistema de informação e lazer – “Infotainment” – Boom!™ Box GTS. Esse dois itens agora equipam toda a família, composta pelos modelos Street Glide Special, Road Glide Special, Road Glide Ultra e a Ultra Limited. É importante mencionar que a família touring ainda tem mais duas versões da Road King – Special 114 e Classic 107 – esta última manteve o motor menor (1.745 cm³), mas nenhuma delas tem o novo sistema multimídia e por isso ficam fora desta apresentação. Há também as versões CVO – Custom Vehicle Operations™ da Street Glide, da Road Glide e da Limited, que recebem uma série de equipamentos especiais desta divisão da H-D e o novo e exclusivo motor Milwaukee-Eight 117 (1.923 cm³).

Há quem imagine que ter numa moto um sistema de som é de uma inutilidade total, exceto se for para escutar música por fone de ouvido. Eu mesmo cheguei a concordar com essa inutilidade até experimentar pela primeira vez uma Harley-Davidson equipada com esse sistema de som, num teste de mais de 1800 km com a Ultra Limited CVO. A carenagem frontal está ali para permitir a utilização normal do sistema de som, pois nelas é feito um trabalho exemplar de penetração aerodinâmica para criar no cockpit para piloto e garupa um ambiente “silencioso” através de uma cortina de ar que não alcança o capacete e elimina toda a turbulência, a ponto de permitir escutar com tranquilidade as músicas ou qualquer outra informação do sistema, inclusive as orientações do GPS.

Mesmo se houvesse algum ruído excessivo ou turbulência, a potência sonora é destaque deste novo sistema: nas “Ultra” são quatro alto-falantes e nas “Special” são dois alto-falantes, cada um com 25 Watts de potência, suficiente para fazer um bom barulho. Outra grande diferença desse sistema multimídia é a grande capacidade de processamento para acessar suas funções e passar de uma para outra, o que resulta em ações mais rápidas. Sua tela de 6 polegadas em TFT (Thin Film Transistor – Transistor de Filme Fino) “Touch Screen” (sensível ao toque) pode ser acessada com luvas, por comandos de voz e também pelos comandos nos punhos do guidão. Compatível com Apple CarPlay, a Harley-Davidson fica devendo a compatibilidade para quem usa smartphone com sistema Android.

Touring H-D: peso, força e conforto

As quatro motos que pudemos experimentar no test-ride estão equipadas com o mesmo motor Milwaukee-Eight 114, de 1.868 cm³ de capacidade e que oferece 16,52 kgf.m de torque a 3.500 rpm, ou seja, força de sobra para tudo e mais um pouco. A Harley-Davidson não divulga potência e nesse caso nem faz muito diferença porque o motor empurra com vigor qualquer uma das quatro motos, que tem pesos que variam entre os 380 kg da Street Glide Special, até os 429 kg da Road Glide Ultra. Isso significa que há que ter potência para empurrar a moto mais o piloto. Durante o teste nas estradas mexicanas foi possível rodar a velocidades mais altas e claramente se percebe que esse motor não carece de potência, além de oferecer funcionamento muito silencioso e com pouca vibração, em nada lembrando as ruidosas e vibrantes Harley-Davidson do passado.

Road Glide Special

Road Glide Special

A única que tem o guidão "livre" de peso

Road Glide Ultra

Road Glide Ultra

Nariz de tubarão

Street Glide Special

Street Glide Special

A mais vendida da família

Road Glide Special

Road Glide Special

Versão CVO tem motor 117

Linha Touring

Linha Touring

As "crianças" a espera para um passeio

Luxo e conforto

Luxo e conforto

Ultra Limited e Road Glide Special

Ultra Limited

Ultra Limited

Ícone representativo do segmento Touring

Ultra Limited

Ultra Limited

Versão CVO: mais mimos e motor 117

Os quatro modelos avaliados primam pelo conforto, como não poderia deixar de ser, e se diferenciam pela capacidade de levar mais ou menos bagagem e um garupa com mais (ou menos) conforto. De resto elas compartilham o mesmo motor, chassi, suspensões e freios, tendo ainda a diferença acentuada pelo design da carenagem frontal, que nas Road Glide Ultra e Road Glide Special tem aquele “Sharknose” (nariz de tubarão) e os faróis quadrados, enquanto que as Ultra LimitedStreet Glide Special tem a carenagem frontal com o design mais antigo do tipo “Batwing” (asa de morcego) e os faróis redondos. Na Road Glide Special o aparato do painel e da carenagem frontal estão montados sobre o chassi e não no guidão,  que alivia peso da suspensão dianteira. Essa diferença é muito sensível e torna a experiência de condução mais fácil para esta moto, sobretudo em manobras e mudanças rápidas de direção.

Outros detalhes que fazem grande diferença para quem viaja são os faróis, que no caso das novas Touring H-D são em LED e muito eficientes, melhores até que de muitos carros, representando uma segurança a mais. Claro, os mimos específicos da marca, como o assento com encaixe perfeito para pilotos de qualquer porte, as plataformas de apoio aos pés, a posição natural dos braços no guidão, o cruise control (piloto automático) e todo o aparato eletrônico destinado ao entretenimento, comunicação e conforto dos ocupantes tornam a experiência de pilotagem de qualquer uma dessas quatro Touring da Harley-Davidson muito especial.

Como o estilo dessas quatro motos varia pouco, o preço segue a mesma linha e coloca apenas R$ 7.500 de diferença entre a mais “barata” e a mais cara. As motos avaliadas nesse test-ride tem os seguintes preços públicos sugeridos:

  • Street Glide Special – R$ 95.400
  • Road Glide Special – R$ 97.900
  • Road Glide Ultra – R$ 101.900
  • Ultra Limited – R$ 102.900

Ficha Técnica Touring Harley-Davidson 2019

Modelo Ultra Limited Road Glide Ultra Road Glide Special Street Glide Special
Motor Milwaukee-Eight 114, dois cilindros em “V”, 4 válvulas por cilindro
Arrefecimento Ar e água (Twin cooled) A ar
Alimentação Injeção eletrônica Multiponto sequencial (ESPFI)
Capacidade cúbica 1.868 cm³
Diâmetro x Curso 102 x 114,3 mm
Taxa de compressão 10,5:1
Torque 16,52 kgf.m a 3.000 rpm 16,7 kgf.m a 3.000 rpm
Potência n/d
Embreagem Multidisco em banho de óleo, acionamento hidráulico
Câmbio 6 velocidades
Relação final 2,125:1, correia dentada
Relação primária 1,35:1, corrente
Rel. de transmissão 1ª 3,33:1
Rel. de transmissão 2ª 2,31:1
Rel. de transmissão 3ª 1,72:1
Rel. de transmissão 4ª 1,39:1
Rel. de transmissão 5ª 1,18:1
Rel. de transmissão 6ª 1,00:1
Chassi Berço duplo em tubos de aço
Balança Aço com rolamentos esféricos
Cáster 26 graus
Trail 170 mm 175 mm
Inclinação à direita 32 graus 31,9 graus 32 graus
Inclinação à esquerda 32 graus 31,8 graus 31 graus
Suspensão dianteira Garfo telescópico Showa, tubos de 49 mm de diâmetro, 117 mm de curso
Suspensão traseira Dois amortecedores, ajuste na pré-carga da mola, curso 76 mm Dois amortecedores, ajuste na pré-carga da mola, curso 54,6 mm
Freio dianteiro Duplo disco de 300 mm e pinças de 4 pistões, com ABS
Freio traseiro Disco simples de 300 mm e pinça de 4 pistões, com ABS
Rodas Liga leve Impeller, pretas com detalhes usinados Liga leve Turbine com acabamento preto
Pneu dianteiro Dunlop D408F – 130/80B17 65H Dunlop D408F – 130/60B19 61H
Pneu traseiro Dunlop D407T – 180/65B16 81H Dunlop D407 – 180/55B18 80H
Comprimento 2.600 mm 2.595 mm 2.425 mm
Largura 960 mm 930 mm 990 mm 960 mm
Entre-eixos 1.625 mm
Altura do assento 740 mm 735 mm 695 mm 690 mm
Distância mínima do solo 135 mm 130 mm 130 mm 125 mm
Tanque de combustível 22,7 litros
Peso em ordem de marcha 419 kg 429 kg 392 kg 380 kg
Capacidade de carga 198 kg 188 kg 225 kg 237 kg

separador



Sidney Levy

Motociclista e jornalista paulistano, une na atividade profissional a paixão pelo mundo das motos e a larga experiência na indústria e na imprensa. Acredita que a moto é a cura para muitos males da sociedade moderna.