Venda de motos nos últimos 11 anos: ajuste para crescer de forma sustentável

Venda de motos: cenário positivo para 2019

Os números são muito consistentes e por vários ângulos que se analise, o desempenho de venda de motos no Brasil em 2018 mostra que há uma sólida retomada do ciclo de crescimento do mercado brasileiro. Apesar de ser apenas o início da retomada, desta vez os números mostram crescimento mais equilibrado e distribuído por vários segmentos, tamanhos e marcas de motos, ao contrário do que ocorreu no ciclo anterior – de 2.000 a 2.011 – quando o mercado cresceu com vendas concentradas e estimuladas apenas pelo crédito fácil.

Venda de motos nos últimos 11 anos: ajuste para crescer de forma sustentável

Venda de motos nos últimos 11 anos: ajuste para crescer de forma sustentável

O melhor sinal da inconsistência daquele ciclo de crescimento, aliás, foi a enxurrada de novas marcas que apareceram com operações aventureiras e enganosas (aos consumidores, claro) e que ao primeiro sinal de dificuldade desapareceram (2009 a 2012). Seguiu-se um período duríssimo pelo qual o setor de motos passou, com seis quedas consecutivas (2012 a 2017). Esse calvário fez amadurecer as operações da indústria e das redes de distribuição e o resultado parece ser uma base sólida e pronta para sustentar por longo prazo esse novo ciclo de crescimento. E vários números corroboram esse otimismo.

Antes de analisar o desempenho de cada marca, é importante destacar que ainda aparecem nos emplacamentos cerca de 20 marcas de motos sem qualquer expressão. Algumas já estiveram por aqui, como Sundown, Kasinski e Traxx, e outras são marcas completamente desconhecidas e com nomes esquisitos. A soma dos emplacamentos destas marcas todas representa 0,9% do total do mercado brasileiro. Das 14 marcas que consideramos nesta análise, 9 apresentaram crescimento em 2018 quando comparado com 2017. As duas principais marcas – Honda e Yamaha – tiveram crescimento praticamente igual – 11,8%, mas é significativo que ambas cresceram acima da média do mercado, que avançou 10,8%, sobretudo levando em consideração que ambas juntas somam 93% das vendas de motos no Brasil.

mercado_2018

Destacado em amarelo, as marcas que venderam menos em 2018, apesar do crescimento do mercado

Das 938.140 motos vendidas em 2018, 93% foram Honda e Yamaha (79,4% Honda e 13,7% Yamaha), o que representa um volume de 873.909 motocicletas. Essa forte concentração ainda é fruto da presença marcante, principalmente da Honda, nos segmentos das motos street, motonetas e scooter. Os 7% restantes estão distribuídos entre as outras 12 marcas mais presentes e conhecidas, além daquelas outras tantas absolutamente desconhecidas, mas que aparecem nos mapas de emplacamentos registrados pelo Denatran e divulgados pela Fenabrave – Federação Nacional dos Distribuidores e Veículos Automotores – fonte dos números desta reportagem.

Para agregar algumas informações, buscamos os dados oficiais da Abraciclo sobre o número de funcionários, capacidade de produção e concessionárias no Brasil das empresas fabricantes de motocicletas associadas à entidade. E alguns dados são bem representativos como a diferença de produtividade entre Honda e Yamaha, que é muito grande a favor da Honda (149 contra 61 motos por funcionário). Outra curiosidade sobre o tema são os números idênticos para Harley-Davidson e Triumph (54 motos por funcionário), o que levanta um questionamento para a BMW, que vende mais, tem mais funcionários, mas seu índice fica bem abaixo (41 motos por funcionário).

Marca

Venda em 2018 % de mercado Empregos diretos Número de lojas Capacidade de Produção (anual)

Produtividade (Venda por funcionário direto)

Honda 745.027 79,42% 5.000 1.100 1.600.000 149
Yamaha 128.882 13,74% 2.100 324 300.000 61
Haojue 9.319 0,99% n/d n/d n/d n/d
Shineray 9.246 0,99% n/d n/d n/d n/d
BMW 7.162 0,76% 175 41 10.000 41
Kawasaki 5.943 0,63% 180 33 20.000 33
Harley-Davidson 5.747 0,61% 107 21 n/d 54
Suzuki 5.605 0,60% 223 313 300.000 25
Triumph 4.397 0,47% 82 15 7.000 54
10º Dafra 4.161 0,44% 192 80 30.000 22
11º Kymco 1.257 0,13% n/d n/d n/d n/d
12º Ducati 998 0,11% 55 7 2.000 18
13º KTM 749 0,08% n/d n/d n/d n/d
14º Royal Enfield 522 0,06% n/d n/d n/d n/d
Outras marcas 9.125 0,97% n/d n/d n/d n/d
TOTAL 938.140 7.967 2.081 2.269.000

Uma surpresa no ranking nacional de vendas por marca é a presença da chinesa Haojue na terceira posição com menos de 1% de participação (9.319 motos). A Haojue e a Kymco foram trazidas ao Brasil em 2017 pela JTZ, empresa “irmã” da JTA – João Toledo da Amazônia – que monta as motos Suzuki no polo industrial de Manaus (AM). Apesar de não ser possível confirmar, pois ninguém na JTZ ou na JTA fala sobre o assunto, tudo leva a crer que as motos das três marcas (Suzuki, Kymco e Haojue) são montadas na mesma fábrica em Manaus, inclusive porque todas são distribuídas pelas mesmas lojas em todo o Brasil.

Praticamente junto na terceira posição do ranking nacional de venda de motos está a outra chinesa, Shineray, que ainda tem expressiva participação nos emplacamentos de ciclomotores (cinquentinhas) no Nordeste do País e que distribui suas motos a partir de uma operação no estado de Pernambuco. Sobre ela também pouco se sabe pois a empresa não se comunica oficialmente com a imprensa e também ninguém fala no assunto. Por fim, outro número que chama a atenção é a vertiginosa queda da Dafra, que vendeu em 2018 apenas 10% do volume vendido pela marca em 2011 (44.059 contra 4.161).

Mas a Dafra, que assumiu a posição de “marca brasileira de motos”, montando por aqui bons modelos de motocicletas de outras marcas fabricantes na India (TVS), China (Haojue) e Taiwan (SYM), não conseguiu consolidar sua operação. No entanto, a empresa, que durante alguns anos montou as motos da BMW em sua unidade em Manaus, hoje segue sendo a montadora para a italiana Ducati e a austríaca KTM. Para esta última a Dafra é também responsável pela rede de distribuição e vendas. Curiosamente, as três marcas – Dafra, Ducati e KTM – são, junto com Shineray e Suzuki, as que venderam menos motos em 2018, apesar do crescimento geral do mercado.

separadorabraciclo



Sidney Levy

Motociclista e jornalista paulistano, une na atividade profissional a paixão pelo mundo das motos e a larga experiência na indústria e na imprensa. Acredita que a moto é a cura para muitos males da sociedade moderna.