Indignação com a violência do trânsito e ignorância da Imprensa

A mídia noticia frequentemente casos e mais casos de fatalidades, acidentes tão violentos que causam espanto. Na mesma frequência, responsabiliza-se os motociclistas pelas barbáries no trânsito. Não há dúvida de que cada parte tem sua parcela de contribuição a dar para melhorar (ou piorar) o trânsito.

Mas alguns profissionais (???) da Imprensa fazem questão de demonstrar a mais profunda ignorância e despreparo para tratar do tema. Sem qualquer conhecimento específico, são ágeis em responsabilizar os motociclistas pelos acidentes, sem no entando se aprofundarem na questão, sem investigar os fatos a fundo. Basta haver uma motocicleta envolvida, e normalmente o seu ocupante está na via aguardando socorro (ou o carro do IML), para alguns precipitados jornalistas escreverem bobagens.

Sou motociclista e conheço muitos mototiclistas que já sofreram acidentes de motocicleta e outros tantos de carro. Já perdi alguns amigos nesta barbárie que é o trânsito nas grandes cidades e também já fui vítima de um acidente causado por uma empreiteira que fazia obras para a Prefeitura na cidade onde resido. Quantos que na mesma situação que a minha, viraram mais um número na estatística dos tais “acidentes com motocicleta”?

A frota de motos cresce a cada ano e continuará crescendo. Os acidentes com motocicletas também aumentaram e continuarão aumentando se nada for feito efetivamente. A começar pelo sistema de habilitação para motociclistas, que entram na rotina do trânsito sem o devido preparo. Culpar o aumento da frota de motocicletas pelo número alarmante de acidentes é no mínimo ser simplista ao extremo e ingênuo, pois a questão vai muito além disso.

O desrespeito às leis de trânsito e a falta de educação, não educação para o trânsito, mas a educação básica mesmo, aquela em que se aprende a respeitar os outros, a ser cordial e a dar passagem, estas sim são causas importantes da violência no trânsito. Sugiro que cada motorista e motociclista adotar a prática da cordialidade no trânsito, perceberá claramente que as reações dos outros motoristas e motociclistas serão iguais, da mesma forma cordiais e educadas.

Recentemente deixei minha moto para a revisão e vi uma moto destruída. Foi um choque ver a moto em dois pedaços. Pior foi saber como aconteceu. A pergunta óbvia eu fiz: O piloto morreu? Sim, foi a resposta. Porém o pior ainda estava por ser contado, pois nem com uma inaginação muito fértil teria imaginado tal absurdo.

O motociclista caiu e estava VIVO sendo socorrido pelo SIATE (Curitiba). Como sempre nestes casos imobilizaram o acidentado na maca e se preparavam para levá-lo ao hospital para receber atendimento. Só que um caminhão desgovernado atropelou o motociclista NA MACA e a moto, partindo-a em dois pedaços e matando o motociclista. Na minha opinião, isso chama-se assassinato. Sim, assassinato, só que sem arma de fogo, mas com um caminhão.

Este absurdo acidente é apenas um exemplo para ilustrar os milhares que acontecem por este nosso Brasil e que são muito mal contados. Neste caso, vê-se apenas o resultado – motociclista morto e XJ6 que ele ocupava partida em dois pedaços – deve comentar algo como “Uma moto daquelas potentes de 600 cilindradas e o cara deve ter feito alguma loucura e se matou deixando a moto destruída”.

Infelizmente muitas coisas são divulgadas assim no nosso país, sem que sejam apurados devidamente todos os fatos e divulgados da forma correta. Tenho confiança de que se cada Confrade Motonliner fizer a sua parte, seu trabalho de formiga, semeando boas sementes, num futuro próximo, teremos grandes chances de mudar esta triste realidade.
Devemos semear a cordialidade e boa educação no nosso dia-a-dia no trânsito. Confraria Motonliners Em Ação!

Obs.: Para facilitar a discussão sobre esse assunto, criamos um tópico no fórum para os motonliners. Clique aqui para acessar o tópico.