low-rider-s-motonline-21

Harley-Davidson Low Rider S: herdeira do espírito Dyna

Aos amantes das motos custom, a família Dyna Harley-Davison por décadas representou liberdade, rebeldia, atitude. E foi pensando em atender estes motociclistas que a marca decidiu relançar no Brasil (e em todo o mundo) a Low Rider S, mais recente novidade em seu line-up, que, no melhor estilo californiano dos anos 1980, busca reviver todos os valores das extintas motos da família.

O guidão fat bar com comandos deixa clara a proposta agressiva da Low Rider S. Preço do modelo parte de R$ 73.600

O guidão fat bar com comandos deixa clara a proposta agressiva da Low Rider S. Preço do modelo parte de R$ 73.600

Recentemente tivemos a oportunidade de rodar na novidade e também em outros modelos que a montadora preparou para 2020, como as touring com seus até então inéditos recursos eletrônicos. Antes de prosseguir e contar minha inédita experimentação em uma moto Harley-Davidson, vale lembrar aos interessados que a Low Rider S está à venda na rede de concessionários de todo o Brasil pelo preço sugerido de R$ 73.600.

Harley Low Rider S

Ela integra a família Softail e deixa claro que está entre as mais agressivas das irmãs, junto da FXDR. Movida pelo motor Milwaukee-Eight 114, oferece respostas instantâneas nas baixas rotações e um ronco encorpado à medida em que os giros sobem, ao melhor estilo H-D. O propulsor de dois cilindros em “V” possui 1.868 cm³(114 polegadas cúbicas, daí o nome), com 102 mm de diâmetro e 114 mm de curso em cada cilindro, o que determina seu torque avantajado. A alimentação é por injeção eletrônica e o conjunto produz 16,1 kgf.m de torque a 3.000 rpm.

Curta, com ângulo de caster diminuído e muitos detalhes foscos. O objetivo é resultar em uma custom ágil e esportiva

Curta, com ângulo de caster diminuído e muitos detalhes foscos. O objetivo é resultar em uma custom ágil e esportiva

Sua esportividade é reforçada pelos acabamentos em preto fosco e por itens exclusivos dela, como os relógios (painel e conta-giros) montados sobre o tanque de combustível – enquanto há uma pequena carenagem atrás do farol, onde geralmente está o painel de instrumentos. Seu chassi também se diferencia por esconder a suspensão traseira monoamortecida sob o assento, passando a impressão externa de se tratar de um modelo ‘rabo duro’, característica clássica da marca.

Para ganhar em agilidade, o modelo teve seu ângulo de inclinação da suspensão dianteira reduzido – de 30º, padrão das Softail, para 28º. A mudança é simples e pontual, mas aliada ao guidão fat bar com 1 polegada de diâmetro e comandos elevados (montado sobre suportes de 10 cm sobre a mesa), oferece uma experiência de pilotagem única, que sacrifica o conforto, mas aumenta a esportividade.

Relógios dispostos sobre o tanque, exclusividade do modelo

Escapamento no estilo 'shotgun', em que os dois equipamentos saem independente e diretamente dos cilindros

Motor Milwaukee-Eight 114 gera 16,1 kgf.m de torque - a cavalaria não é divulgada pela marca

Lanterna traseira em LED

Motor tem funcionamento mais áspero que na maioria das Softail e desenvolve bem em baixa rotação

Painel de instrumentos inclui um computador de bordo simples

Detalhes do punho direito...

... e também do esquerdo

Detalhes em preto fosco reforçam a esportividade da Low Rider S

Low Rider S: tecnologia e preços

Apesar de não dispor do pacote eletrônico da linha Touring, o Reflex Defensive Rider System (RDRS), a Low Rider S 2020 oferece alguns recursos neste campo. Há, por exemplo, suspensão dianteira invertida, dois discos de freio na frente, chassi em alumínio fundido, freios ABS e um computador de bordo simples, informando sobre marcha engatada, relógio, hodômetro total e parcial e tacômetro, tudo disposto em dois mostradores redondos. Talvez pelo espírito despojado e disposição para ser customizada, coubesse melhor aí um simples e pequeno mostrador sobre a mesa.

Diferente da família Touring (como essa Ultra Limited), a Low Rider S não dispõe do sistema RDRS - com ABS para curvas, controle de tração e assistente de parada, por exemplo. Mas por mais de R$ 70 mil, bem que poderia adotar essa novidade...

Diferente da família Touring (como essa Ultra Limited), a Low Rider S não dispõe do sistema RDRS – com ABS para curvas, controle de tração e assistente de parada, por exemplo. Mas por mais de R$ 70 mil, bem que poderia adotar essa novidade…

A nova Low Rider S já está disponível nas lojas nas cores preta e cinza e os preços sugeridos são, respectivamente, R$ 73.600 e R$ 74.200. Sim, os preços variam com a cor da moto e não com qualquer equipamento a mais que ela tenha. Os valores posicionam o modelo logo abaixo das Sport Glide e FXDR, que partem dos R$ 75.600 e R$ 79.900, configurando o rol de motos mais esportivas da família Softail. Para quem tem disponibilidade e quer encarnar o espírito das motos customizadas do passado, a Low Rider S é a opção.

Ficha Técnica – Harley Davidson Low Rider S (FXLRS)

Motor Milwaukee-Eight 114, 4 tempos, dois cilindros em “V”, 8 válvulas, arrefecimento a ar e óleo
Capacidade 1868 cm³
Diâmetro e curso 102 mm x 114,3 mm
Taxa de compressão 10,5:1
Torque máximo 16,4 kgf.m a 3000 rpm
Combustível Gasolina
Alimentação Injeção Eletrônica Multiponto Sequencial
Embreagem Multidisco em banho de óleo
Câmbio 6 velocidades
Transmissão Por correia
Chassi Tubular tipo berço duplo
Rake 28º
Trail 145 mm
Inclinação (D/E) 30,1º / 30,1º
Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido, sem ajuste – curso de 130 mm
Suspensão traseira Amortecedor com ajuste na pré-carga da mola, curso de 112 mm
Freio dianteiro Duplo disco de 300 mm com ABS
Freio traseiro Disco simples de 292 mm com ABS
Pneu e roda dianteira Michelin Scorcher “31” – 110/90B19 M/C 62H
Pneu e roda traseira Michelin Scorcher “31” -180/70B16 M/C 77H
Comprimento 2355 mm
Largura 850 mm
Distância entre eixos 1615 mm
Altura livre do solo 120 mm
Altura do assento 690 mm
Tanque de combustível 19 litros
Peso em ordem de marcha 308 kg
Capacidade de carga 218 kg

.

vinheta-instagram_10



Guilherme Augusto

@obomguiaugusto >> Amante de motos em todas suas formas e sons (se for de 2T, melhor). Fã de viagens, competições, do Hugh Jackman e de praias. Viciado em café desde quando comecei a escrever