Ducati Diavel

Ducati Diavel: lançamento no Brasil

Desde que foi mostrada ao público pela primeira vez, no Salão de Milão ao final de 2010, a Ducati Diavel 1198 se tornou a moto do sonho e do desejo. Também porque foi projetada pelos designers da Ducati com a máxima liberdade, eles aplicando ainda numa tela em branco a sua própria “lista de desejos” de “instintos básicos” para uma moto.

Diavel, a Ducati mais desejada do mundo

Diavel, a Ducati mais desejada do mundo

Ducati Diavel

Ducati Diavel

Desenharam formas inspiradoras, chegando a uma moto mais baixa e alongada. O desafio de construir uma silhueta muscular sobre um motor puro-sangue de competição foi encarado com um toque de delicadeza, e o resultado é um perfil que se assemelha a um atleta de corridas, na posição de largada. Com a roda dianteira mantida próxima ao corpo da Diavel e usando a rabeta curta de uma esportiva, veio a união perfeita entre um chassis Trellis, de treliça, e um design musculoso.

A Diavel chama atenção até de quem não liga para motos. Para quem gosta e entende, é uma combinação de uma custom com uma naked superesportiva. Mas há uma mágica na Diavel, porque seu design define um novo padrão, com sofisticada inovação. E ela entrega agilidade e manuseio impressionantes em um bólido musculoso, que se move com 162 cavalos. Potência que pode ser usada em três diferentes modos de pilotagem, sob a garantia do pacote de segurança Ducati, o ABS nos freios e mais o Controle de Tração.

O Padrão Diavel
O comportamento da Diavel é de prontidão, exalando a superioridade. Com radiadores laterais adicionando músculos aos seus ombros largos, que acompanham o desenho do motor até o radiador de óleo, o seu jeito de atleta toma forma. Um poderoso pneu traseiro de 240mm é um exemplo de como os designers da Ducati tiveram uma atitude descompromissada, ao aplicar sua lista de desejos nas características desta motocicleta. Mesmo com esses desafios tecnológicos, a Diavel é uma verdadeira Ducati, nascida da paixão pelo motociclismo e pronta para entregar a performance Ducati em cada detalhe.

Ela incorpora também as tecnologias mais recentes e inovadoras da marca, incluindo os Modos de Pilotagem Eletrônicos recentemente apresentados nos modelos Multistrada. Selecionáveis através dos instrumentos no manete esquerdo – mesmo durante a pilotagem – a escolha de 3 modos pré-ajustados é programada para mudar instantaneamente o comportamento da Diavel. Os três modos são habilitados ao combinar tecnologias de ponta como o Ride-by-Wire (RbW) e o Controle de Tração Ducati (DTC). Como a pilotagem urbana requer mais atenção aos arredores do que à aceleração, o modo Urban Riding muda instantaneamente a Diavel para oferecer uma pilotagem com maior dirigibilidade e confiança. A potência é diminuída para 100 cavalos e o DTC aumenta seu controle de tração até o nível 5 para oferecer maior intervenção no sistema durante o mais caótico tráfego, no estilo anda-e-pára.

Já o modo Touring Riding é programado para elevar a potência a 162 cavalos, porém com uma entrega de potência mais suave e amigável. A tração traseira é melhorada ao se ajustar o nível de intervenção do DTC para o valor 4, específicamente ajustado para oferecer uma pilotagem relaxante e prazerosa, ideal para longas distâncias e garantindo conforto tanto para o piloto quanto para o garupa. E finalmente o modo Sport Riding oferece ao piloto da Diavel a potência de 162 cavalos, mas com respostas imediatas do acelerador para a máxima aceleração. Garantindo toda a experiência dos motores Testastretta 11º, o modo Sport também diminui a intervenção do sistema DTC ao nível 3, para pilotos que preferem sua performance mais próxima do limite de tração.

O motor Testastretta 11º
O coração da Diavel é o motor Ducati Testastretta 11º, derivado dos incríveis e poderosos motores de competição mundiais Ducati Corse. O Testastretta 11º oferece a imensa potência de um motor Superbike e o torna suave e adaptável, um passo à frente no balanceamento de alta performance com uma pilotagem prazerosa. Seu sistema Ride-by-Wire (RbW) é uma interface eletrônica entre o tubo de acelerador da Diavel e o motor, que configura uma resposta de potência ideal dependendo do modo de pilotagem selecionado. O tubo do acelerador não tem mais um cabo conectado às borboletas do acelerador, mas usando sinais eletrônicos enviados a uma unidade de controle, que por sua vez opera a abertura das borboletas eletronicamente. São três diferentes mapeamentos para regular a entrega de potência: 162 cavalos para uma entrega esportiva, 162 cavalos com uma entrega progressiva adequada para touring, e 100 cavalos com entrega progressiva para uso urbano diário.

24.000km entre revisões

Os constantes investimentos em qualidade desde o design, de materiais avançados e técnicas de engenharia permitiram um intervalo maior entre as revisões, aumentado para competitivos 24000 km. Isso foi possível com a introdução de novos materiais dos berços das válvulas, eficiência de combustão aprimorada e gerenciamento e temperatura no motor Testastretta 11º. Com seus 162 cavalos e colossais 13 Kgm/f de torque, o motor Testastretta 11º corresponde à autêntica performance Ducati Desmodromic. As portas de entrada e exaustão revisadas, combinadas com o ajuste radical do tempo dos pistões permitiram à Ducati alcançar uma fantástica curva de torque em baixas rotações, permanecendo potente também numa faixa maior nas médias rotações. O aumento de torque em baixa rotação é gerenciado pelo sistema Ride-by-Wire Ducati, que aumenta consideravelmente a dirigibilidade, garantindo potência suficiente na ponta dos dedos.