Brasil exporta tecnologias para implementação de BRT

Concepção do sistema conta com a participação de empresas e profissionais brasileiros, além de ser operado com veículos produzidos no Brasil

Idealizado por brasileiros e lançado em Curitiba em 1974, o sistema BRT (Bus Rapid Transit) é considerado um caso de sucesso no mundo. Exportado para mais de 80 cidades em todos os continentes, o BRT é um sistema de transporte de ônibus, que circula em uma rede de canaletas exclusivas com atributos especiais.

As qualidades, tecnologias e diferenciais que atraíram a atenção de centros urbanos no mundo inteiro serão discutidos no 23º Seminário Nacional NTU, promovido pela Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU), que terá como tema “Transporte de Qualidade para uma Vida Melhor”.

A exportação desse conceito de mobilidade sustentável é justamente o grande antagonismo que o Brasil vive hoje no setor de transportes. O País possui os melhores profissionais, produtos e tecnologia para implementação de BRT. No entanto, foi preciso a realização da Copa do Mundo no Brasil para que essa tecnologia fosse considerada uma solução para os problemas de transporte do grande centro.

O BRT é um meio de transporte eficiente e confortável, tendo como principais diferenciais múltiplas estações fechadas, embarque em nível, veículo articulado e com múltiplas portas, pagamento e controle fora do ônibus e sistemas de informações aos usuários e de controle operacional.

“Considero o Brasil um País com certa facilidade em adquirir carros e motos. A população deveria ser mais motivada para o uso do transporte coletivo, mas, para isso, é necessário o apoio crescente das esferas públicas e do estímulo ao uso destes meios”, diz Érico Moraes, presidente da Empresa 1, exportadora de equipamentos para bilhetagem eletrônica do sistema BRT de Guatemala e México.

O sistema brasileiro já foi exportado para diversas localidades. Guatemala, um caso de sucesso conta com dois corredores de 12 km e 22 km, com 40 estações. “O sistema BRT auxilia muito no trânsito, que anda caótico. Além de exigir cerca de 70% a menos de tempo de implantação em relação ao metrô e aproximadamente metade do necessário para os veículos leves sobre trilhos”, explica Moraes.

De acordo com a NTU, o transporte público urbano deve trazer melhorias na qualidade de vida da população. “Precisamos implementá-lo nas cidades brasileiras. Ele trará benefícios para o grande número de cidadãos que dependem do transporte coletivo”, diz Marcos Bicalho dos Santos, diretor Superintendente da NTU. O sistema também proporciona mais conforto e menos impacto ambiental, pois utiliza combustíveis alternativos, além de revitalizar o espaço público, entre outras vantagens.