Foto: Wellington Garcia representa o Brasil no Motocross das Na‡äes

Equipe brasileira definida para a disputa do Motocross das Nações

Foto: Wellington Garcia representa o Brasil no Motocross das Na‡äes

Foto: Wellington Garcia representa o Brasil no Motocross das Na‡äes

O time brasileiro que ir  disputar o Motocross das Na‡äes, em Budds Creek, nos Estados Unidos, est  definida e em fase final de prepara‡Æo para a prova.

O Brasil ser  representado pelos pilotos Antonio Jorge Balbi (Open), Wellington Garcia (MX1) e Leandro Silva (MX2). O Na‡äes contar  com 35 pa¡ses e pela terceira vez ser  realizado fora da Europa. Em 1987 a prova aconteceu nos Estados Unidos e em 1999 em Indaiatuba (SP), no Brasil.

Dois dos representantes brasileiros – Wellington Garcia e Leandro Silva – seguem para os Estados Unidos em 17 de setembro, um dia ap¢s a decisÆo do Campeonato Brasileiro de Motocross, em Rio das Ostras (RJ). Balbi, que est  nos Estados Unidos, se encontra com o grupo em Washington.

O presidente da Confedera‡Æo Brasileira de Motociclismo (CBM), Alexandre Caravana Guelman, est  confiante em um bom desempenho do grupo. “Essa equipe tem boas chances de representar o Brasil de maneira digna. Contamos com o Balbi, que j  est  adaptado ao motocross dos Estados Unidos, e com mais dois pilotos com grande destaque nos campeonatos nacionais”, elogiou.

Foto: Antonio Jorge Balbi representa o Brasil no Motocross das Na‡äes

Foto: Antonio Jorge Balbi representa o Brasil no Motocross das Na‡äes

Agenda – Nos Estados Unidos, os brasileiros come‡am a trabalhar no acerto das motos a partir do dia 18. No s bado (dia 22), ocorre uma bateria para cada categoria, na qual os 19 primeiros se classificam para a decisÆo. Os demais disputam nova corrida, o chamado Na‡äes B, na qual o vencedor fica com a 20a vaga entre os finalistas.

“Passar para a final j  ser  uma vit¢ria. O Na‡äes ‚ como uma Copa do Mundo. Mas estou confiante, pois esta ser  a edi‡Æo em que estaremos melhor representados, tanto em rela‡Æo a pilotos quanto a equipamentos”, afirmou Guelman. “A £nica vez que o Brasil se classificou foi quando a competi‡Æo ocorreu aqui. Naquela ‚poca, o dono da casa tinha vaga garantida”, completou o presidente da CBM.

No domingo (dia 23), ocorrem as disputas. A primeira bateria re£ne os pilotos da MX1 e MX2, em seguida, correm os representantes da MX2 e Open e, encerrando a programa‡Æo, os da MX1 e Open. Em seguida, soma-se os pontos obtidos por cada piloto e aponta-se a classifica‡Æo por pa¡s.