Eric Granado continua no hospital mas não corre riscos

Eric Granado está fora do GP da Malásia

Eric Granado sofreu duas quedas fortes nos treinos do último sábado para o GP da Austrália e acabou sendo transferido para o hospital para realizar exames mais detalhados. Ao longo do dia, foi detectado achatamento de quatro vertebras (T4, T6, T7 e T8) e um dedo mínimo fraturado. O piloto passa bem mas, segundo suas próprias palavras: “Dói tudo tio. Parece que passou um caminhão em cima de mim.”

Eric permanece hospitalizado e novos exames serão feitos hoje (segunda-feira), para verificar se houve dano em algum ligamento. O piloto brasileiro não corre qualquer risco, mas não estará presente na prova da Malásia, que acontece no próximo final de semana. O médicos já receitaram anti-inflamatórios e muito repouso: É tudo o que ele precisa agora, disseram.

Eric Granado continua no hospital mas não corre riscos

Eric Granado continua no hospital mas não corre riscos

Eric Granado: “É uma pena. Começamos bem o final de semana mas dois tombos fortes acabaram com as minhas chances de estar na prova. Está tudo dolorido, parece que fui atropelado por um caminhão, mas estou bem. Acho que a maior dor é não poder participar da corrida. O mais difícil será ver a corrida aqui do hospital. Queria agradecer as palavras de apoio que venho recebendo e dizer que em breve estarei de volta às pistas. Valeu.” A família Granado também agradece as mensagens de apoio que vem recebendo desde que a notícia de que Eric não participaria da prova e de que deveria permanecer hospitalizado.

Marco Granado: “Queria agradecer o apoio que estamos recebendo e falar que, felizmente, a situação do Eric não oferece qualquer risco. Ficamos apreensivos quando soubemos da queda e de que ele estava sendo transferido para Melbourne. Os exames constataram as lesões nas vértebras e a fratura de um dedo mínimo da mão direita, todas sem qualquer risco de lesão mais séria. Ficamos todos tristes em casa. Sabemos como o Eric se dedica ao esporte que ele escolheu, e que a maior dor para ele é não poder competir, ter que ver a corrida da televisão. Obrigado a todos pela torcida e pelo carinho. Nossa família agradece.”