Foto: Motonline

Freio de mão, Moto falha, Corrente limpa

Foto: Motonline

Foto: Motonline

Escrevo para protestar contra o freio de mão puxado da Honda e da Yamaha. Mas moto não tem freio de mão, correto? Deixa que eu me explico. Primeiro pela Honda por deixar na mão aqueles que aguardam um lançamento, tem dinheiro no bolso e não querem resto da “desova” de estoque, ou ainda aqueles que tem um consórcio das motos com produção descontinuada e sequer enxergam luz no fim do túnel. Pela Yamaha, por conta da mediocridade de ter saído da vanguarda e agora fica na beira do rio com a Honda tentando desovar suas MT-03: “Pula? Só se você pular antes…Pula você que eu pulo depois!”. Pessoal, tem gente por aí com um troco no bolso atrás duma motoca decente. Acabou a crise. Vamos sair debaixo da marquise que já não chove mais canivete! Diante da expectativa do consumidor, o único lançamento acabou sendo o freio de mão das montadoras. Acho que ano que vem o tal freio ganha um novo grafismo…Desculpa Bitenca, tava precisando desabafar! Bruno, 27, Curitiba, PR

R: Boa Bruno, gostei do seu bom humor, apesar da crise ter abafado novos lançamentos e somando isso às novas leis de emissão de poluentes as fábricas puxaram os freios sim. Mas nada se compararmos à travada que deram nos anos 70. A proibição simples e direta da importação das motocicletas em 1976 travou um mercado em ascensão. Demorou quase dez anos para recuperar as perdas e renovarem-se os investimentos em novas marcas. O fusquinha das motos foi lançado em 1976 com a CG laranjinha de câmbio invertido de quatro marchas, mas todo o resto parou. O certo é que o mercado dessa pequena 125 é que se expandiu, levando-a à liderança incontestável do mercado. Havia motos grandes como as CB750 four, As Yamahas TX650 e as Suzuki GT750 e até aquela de motor rotativo Wankel com tecnologia NSU vieram ao Brasil. Hoje a crise não se compara àquela, há menos lançamentos de novos modelos mas temos um mercado instalado, um dos maiores do mundo com várias grandes marcas representadas por montadoras oficiais, apenas a Suzuki permanece não oficial (não sabemos por quanto tempo). A Kawasaki chegou em 2009 com tudo e mesmo depois de puxado o freio como você diz tem modelos novos à altura de um mercado em expansão: A Ninja 250 Twin, a 1000 e a Vulcan 900. E todos devem desovar os estoques, claro. Em 1976 ainda se vendiam motos importadas em 74 como sendo “do ano”. Mas também isso acabou, as motos fabricadas ou importadas em anos anteriores devem ser vendidas como tal, por causa da nova lei anti poluição. Progredimos e depois da tempestade sempre vem a bonança, naveguemos. Abraços.

Foto: Bitenca

Foto: Bitenca

Amigo estou com um problema em minha cb450 87 ela comerçou a falhar uma vela já troquei mas continua apresentando o mesmo defeito troquei cabo de vela limpei carburador nao sei o que fazer já pensei em trocar a bubina eu tenho quase certesa que é parte eletrica gostaria que me desse uma dica pra ver se arrumo esse falhamento esta funcionando com uma vela a outra esta neutra nao entra o que pode ser . obr Antonio, 44, Salvador, BA

R: Antonio, a faísca dessa moto se dá a cada volta do virabrequim, quer dizer que sempre que o pistão sobe a faísca acontece na vela, uma vez com as válvulas abertas, que não acontece a ignição e outra com o cilindro comprimido para haver a explosão. Inverta os cachimbos e veja se o problema permanece no mesmo cilindro, se passar para o outro o problema é bobina, cabo de vela e/ou o cachimbo. Não há como ser outro componente elétrico porque a faísca está boa em um dos pistões, então o problema só pode estar depois da bobina, se for elétrico. Se o problema permanecer, verifique a compressão dos dois cilindros e se estiver correto passe para a verificação do nível de bóia dos carburadores, pode estar muito baixo o do cilindro que falha, mesmo estando limpo. Boa sorte.

No artigo “moto suja se lava em casa” não foi citado sobre a lavagem de correntes, a minha tem O-Rings tem algum problema lavar a corrente com querosene ou oleo diesel, e qual dos dois é mais indicado. PS. Eu lubrifico com REPSOL Spray Agradeço se me ajudar … Abraços. Miguel, 23, Anápolis, GO

R: Miguel, qualquer um dos dois, óleo diesel ou querosene pode ser usado para lavar a corrente da sua moto. O querosene é mais indicado por ter menos vapores tóxicos, mas em local bem ventilado o óleo diesel fica mais em conta. Lave com água em abundância para retirar os resíduos e lubrifique com o spray que você se referiu, ele é excelente. Abraços.