Leandro Silva confirma favoritismo e fica com título na MX1

Leandro Silva confirma favoritismo e fica com título na MX1

Leandro Silva confirma favoritismo e fica com título na MX1

O paranaense Leandro Silva não precisou esperar muito para garantir o título da categoria MX1 do Arena Cross. A etapa de Botucatu (SP) da competição, realizada neste sábado, dia 18, contou com duas baterias. A primeira foi disputada antes da programação oficial e foi valida pela sexta etapa, que deveria ter acontecido em Indaiatuba, mas foi adiada por conta da chuva.

Leandro venceu com facilidade e conquistou o “caneco” por antecipação. Com a vitória abriu 28 pontos de vantagem sobre o segundo colocado Roosevelt Assunção (SP) e não tinha mais como ser alcançado. “Com o título garantido é um alívio, a coroação do meu trabalho, estou muito feliz e quero agradecer a todos, minha família, minha equipe e meus patrocinadores”, afirmou o campeão.

Quem largou na frente nesta primeira bateria da MX1 foi Pipo Castro (SP), mas logo na primeira volta um “bamping” ficou enrolado no pneu traseiro. Com a queda de rendimento, o catarinense caiu para o quarto lugar. Pipo ainda se recuperou e brigou pela segunda posição com Roosevelt Assunção, que foi o segundo colocado.
Com o título garantido, a segunda bateria da MX1 seria uma espécie de treino de luxo para Leandro Silva. Logo na primeira volta ele se enroscou com Pipo Castro, perdeu muito tempo e caiu para a última posição. O piloto ainda voltou, fez boas voltas, mas desistiu com problemas na moto.

Pipo Castro aproveitou para assumir a ponta, com Roosevelt em segundo e Wellington Garcia (GO) em terceiro. A disputa entre os três foi emocionante. Pipo segurou a liderança por mais da metade da prova. Aos 8 minutos Wellington ultrapassou Roosevelt e, aos 10 minutos, deixou Pipo para trás, assumindo a ponta. No finalzinho da corrida, Roosevelt se recuperou e ganhou o segundo lugar de Pipo Castro.
Wellington Garcia comemorou bastante a vitória, afinal contusões acabaram tirando o goiano de algumas etapas e da disputa do título. “Nada melhor do vencer hoje. Não estava tão confiante, confesso que não espera a vitória, mas foi uma ótima prova e agora é só comemorar”, disse.

Com os resultados, o campeonato terminou com Leandro Silva, que faturou o bi-campeonato, com 132 pontos, seguido por Roosevelt Assunção com 125 e Pipo Castro com 108.

A categoria MX2 terminou sem muitas surpresas. Jean Carlo Ramos (PR), que já havia conquistado o campeonato por antecipação, fechou a temporada com mais uma vitória. O piloto largou na frente e venceu de ponta a ponta. “O Arena é uma modalidade que eu gosto muito. Fui conquistando o meu lugar aos poucos. No começo do ano a disputa estava muito grande com Ratinho, que infelizmente se machucou e não participou de algumas etapas. Consegui três vitórias seguidas e fechei com chave de ouro”, conta Jean.

A “briga” boa da bateria foi entre Talles Vilardi (SP) e Lucas Moraes (SP). Os dois disputaram o segundo lugar por mais de dois terços da corrida, quando Lucas finalmente conseguiu ganhar a posição. Depois disso, Vilardi caiu de rendimento e terminou em quinto lugar. O terceiro colocado foi Rafael Zenni (SP), com Swian Zanoni (RJ) em quarto.

Na classificação geral do campeonato Jean chegou aos 122 pontos contra 101 de Lucas Moraes e 99 de Swian Zanoni.

Outra categoria que chegou com o título definido em Botucatu foi a 85cc, com o sergipano Rodrigo Lama. Mas quem fez uma prova perfeita foi Endrews Armstrong (PR). O paranaense conseguiu sua segunda vitória, terminando o campeonato em segundo lugar. “Fiz uma boa largada, sai na frente e me concentrei ao máximo para não cometer erros e deu certo. No ano que vem eu quero tentar o título”, explica Armstrong.

O campeão Rodrigo Lama foi o segundo na prova e Gabriel Zenni (SP) o terceiro. O campeonato terminou com Lama com 119 pontos, seguido por Armastrong com 96 e Everaldo Lima Filho (GO) com 82. “Fui para a prova tranqüilo, tentando impor meu ritmo forte, tive alguns problemas, mas fiquei contente com o segundo lugar”, garante Rodrigo Lama. O piloto já adiantou seus planos para 2009. “Vou para a MX2 e meu objetivo é terminar entre os cinco primeiros”, adiantou.

Na 65cc dois pilotos ainda brigavam pelo campeonato. Kaio Miranda (SP) precisava de apenas um ponto para conquistar sua 30º vitória no Arena Cross e ficar com mais um título. Já Hallex Dalfovo (SP) tinha uma missão bem mais complicada. Ele precisava fazer o ponto extra dos cronometrados e ainda torcer por um deslize de Miranda na prova.

Os dois protagonizaram os principais “pegas” da bateria. Dalfovo fez o ponto extra e adiou a decisão para a corrida. Quando foi dada a largada, o catarinense saiu na frente com Kaio Miranda em segundo. Mas o paulista queria mais. Ele iniciou uma perseguição que durou até os 7 minutos de prova. Pressionado, Dalfovo acabou não resistindo e perdeu a posição. Desta forma, Kaio Miranda chegou a sua sétima vitória em oito corridas no ano. Dalfovo foi o segundo, seguido por Gustavo Pessoa em terceiro.

No ranking geral da temporada Kaio chegou aos 155 pontos contra 133 de Hallex Dalvofo. Pedro Henrique Rosa terminou em terceiro com 72 pontos.

Uma das categorias mais esperadas pelo público era a 50cc, que já tinha o goiano Kioman Navarro como campeão antecipado. Mas o jovem piloto não se acomodou e conseguiu mais uma vitória, a sétima na temporada. “Eu disse que ia vencer, foi difícil, mas fiz questão de vencer e fechar a temporada com chave de ouro”, disse o mini-campeão.

Quem fez boa corrida foi o pole position Djalma Brito (SP), que terminou em segundo. O terceiro na prova foi João Gabriel Michellin (PR). Kioman terminou a temporada com 160 pontos contra 115 de Enzo Lopes (RS), que não correu em Botucatu e 94 de Djalma Brito.

O patrocinio do Arena Cross é da Honda e Gol. Co-patrocinio Yamaha, Peels Capacetes, Metzeler e Consorcio Nacional Honda. Apoio Jornal Diário da Serra e Radio Criativa.