Foto: José Hélio, piloto patrocinado pela Honda

Para José Hélio, permanência do Rally Dakar na América do Sul facilita participação de brasileiros

Foto: José Hélio, piloto patrocinado pela Honda

Foto: José Hélio, piloto patrocinado pela Honda

Organização da prova confirmou a permanência do maior rali do Mundo na Argentina e no Chile em 2010

Depois de passar pela primeira vez por caminhos da Argentina e Chile no início de janeiro, o Rally Dakar continua na América do Sul em 2010. O anúncio foi feito pela A.S.O., empresa que organiza o mais tradicional rali do mundo, cujo objetivo é repetir o sucesso alcançado nesta temporada. A inédita edição 2009 do Dakar contou ainda com a estreia do tetracampeão do Rally dos Sertões José Hélio. Com uma Honda CRF 450X, o brasileiro foi o melhor das Américas na competição ao confirmar o 12º lugar entre as motos. A decisão foi vista de forma mais que positiva pelo competidor. Para ele, a facilidade de acesso e a viabilidade financeira através dos patrocinadores são os destaques. Além disso, a possibilidade de garantir um resultado ainda melhor por conhecer o local se torna mais concreta.

Os organizadores irão divulgar mais detalhes em duas coletivas de imprensa, marcadas para os dias 2 em Buenos Aires e 3 de março em Santiago. Desde 2007, o Rally Dakar não é realizado na África. Em 2008, chegou a ser cancelado por conta de ameaças terroristas. A edição disputada no continente americano não deixou nada a desejar em relação às anteriores. Ao contrário, apresentou um grau de dificuldade tão grande que algumas etapas tiveram de ser modificadas por conta do alto nível técnico. A última edição da prova contou com 9500 quilômetros percorridos em 14 etapas. O vencedor foi, pela segunda vez, o espanhol Marc Coma.

“Acho muito bom para nós, pilotos da Améric a do Sul. Com essa proximidade, tudo fica mais fácil. Todo o trâmite para podermos disputar a prova, conseguir patrocínio e tudo o que mais é necessário”, pontuou o piloto.

Como 2009 foi o primeiro ano da participação de José Hélio no Dakar, o brasileiro não chegou a disputar nenhuma edição africana, mas garante não ficar decepcionado. “Não sinto nem um pouco a falta de não ter disputado o Dakar lá. É preciso esquecer o que passou e só pensar no futuro”, comentou o tetracampeão do Rally dos Sertões, que conta com o patrocínio da Honda.

Entre as dificuldades enfrentadas na última edição, as intermináveis dunas e até mesmo uma tempestade de areia foram momentos que marcaram. “Acredito que conhecendo mais o lugar, poderei fazer uma prova melhor ainda. Este ano, a organização realizou uma disputa bem difícil. Tenho certeza que da próxima vez ela seguirá d a mesma forma, pois esta é a principal característica do Dakar.”