Foto: Kawasaki Z1300 de seis cilindros

Por dentro do cilindro

Foto: Kawasaki Z1300 de seis cilindros

Foto: Kawasaki Z1300 de seis cilindros

Saiba o que determina a cilindrada e as diferen‡as entre motores de um, dois, trˆs, quatro ou mais cilindros

 apenas um n£mero, mas causa uma confusÆo infinita! Gra‡as … forma como as f bricas identificam as motos, pela cilindrada, at‚ hoje ainda existe muita confusÆo sobre esse dado, o n£mero de cilindros e a rela‡Æo entre cilindrada e potˆncia. Enquanto os carros eram batizados com nomes, as motos ganhavam um apˆndice com um n£mero que ficou popularmente conhecido como cilindrada. Por exemplo, Norton 500, Harley-Davidson 1200, Honda CB 750, Yamaha XT 600 e assim por diante. Com o tempo o n£mero ficou mais importante que o nome e as motos foram reduzidas … cilindrada, como as 750, as 500, as 250 etc. Para complicar, o n£mero de cilindros tamb‚m vinha atrelado a algumas motos, como a 750 Four (quatro cilindros), Benelli Sei (seis cilindros) ou Yamaha 900 Twin (dois cilindros).

O primeiro esclarecimento ‚ sobre esse misterioso n£mero. A “cilindrada” na verdade tem o nome cient¡fico de capacidade volum‚trica.  apenas um dado que serve para dimensionar o deslocamento volum‚trico. Se f“ssemos usar a expressÆo politicamente correta, uma simples 750 Four deveria ser chamada: motor com deslocamento volum‚trico dos pistäes de 750 cent¡metros c£bicos divididos por quatro cilindros. F cil, n‚?

Foto: Raio-X do motor BMW F800 de dois cilindros

Foto: Raio-X do motor BMW F800 de dois cilindros

O tal deslocamento volum‚trico ‚ o volume que cabe dentro de um cilindro com as dimensäes determinadas pelo curso do pistÆo multiplicado pelo diƒmetro. Uf! Para economizar detalhes, a cilindrada total da moto ‚ nada menos que o volume de um cilindro multiplicado pelo n£mero de cilindros!

Gra‡as a essa mania de identificar a moto pelo tamanho do motor, hoje muita gente associa cilindrada … potˆncia. Isso ‚ coisa do passado! Cilindrada nÆo ‚ potˆncia, ‚ apenas um dado que pode influenciar na potˆncia. Por isso uma moto 600 pode ser menos potente que uma 250, que tamb‚m pode ter menos cavalos que uma 125! Chega a ser comum ouvir algu‚m comentando “essa moto tem 750 cilindrada de potˆncia!” NÆo cometa essa gafe! Veja os motores custom: tem motor de 1.500 cc que desenvolve pouco mais de 50 cavalos, enquanto uma 600 esportiva chega a quase 120 cv.

A cilindrada ‚ dividida pelo n£mero de cilindros. O que determina o n£mero de cilindros basicamente ‚ o uso que ser  destinado … moto. Motos fora de estrada e utilit rias precisam de mais torque em baixa e peso reduzido, por isso a op‡Æo mais usada ‚ pelo motor de um cilindro, ou monocil¡ndrico. Essa configura‡Æo tem a vantagem de oferecer simplicidade mecƒnica, porque tem menos pe‡as m¢veis e menor peso. Al‚m de proporcionar mais torque em baixa rota‡Æo. A desvantagem ‚ que o grande deslocamento volum‚trico em motores acima de 250 cc provoca muita vibra‡Æo. O sobe e desce do pistÆo gera um movimento inercial longo e compassado que gera a vibra‡Æo. Por outro lado, em motores pequenos, at‚ 250 cc, o monocilindro ‚ muito vantajoso por ser mais econ“mico tanto em consumo de gasolina quanto em manuten‡Æo. Imagine uma 125 ou 250 cc de dois cilindros como as antigas Honda CB 125! As vibra‡äes eram muito pequenas, mas era fraca em baixa rota‡Æo, al‚m de consumir mais gasolina.

O outro extremo sÆo as motos multicil¡ndricas (com mais de dois cilindros). Uma esportiva de 600 cc precisa de um motor que tenha desempenho e nessa busca por potˆncia um dos fatores importantes ‚ a rota‡Æo. Para obter muita rota‡Æo sem fazer o motor chacoalhar como uma britadeira a melhor op‡Æo ‚ dividir a cilindrada por v rios cilindros. As vantagens sÆo: mais desempenho em alta rota‡Æo e menos vibra‡Æo, porque cada cilindro desloca um volume menor de mistura. Por‚m tem as desvantagens como o tamanho, que deixa a moto mais larga, maior consumo e custo de manuten‡Æo elevado.

Quando a configura‡Æo quatro cilindros fica grande e a de dois cilindros fica muito “vibrante”, o meio termo seria um motor de trˆs cilindros. Seria nÆo, ‚ realidade, porque a Triumph fez exatamente isso, criou o motor de trˆs cilindros para conseguir um equil¡brio entre a dimensÆo reduzida e um n¡vel confort vel de vibra‡äes.

Os ingleses adotam a expressÆo “twins”, que quer dizer gˆmeos, para os motores de dois cilindros. Normalmente a op‡Æo pelo bicil¡ndrico recai em motores de m‚dia cilindrada, at‚ 500 ou 600 cc. No entanto, a Yamaha tem na sua linha a TDM 900 com motor de dois cilindros paralelos e a BMW acabou de lan‡ar a F 800 S com a mesma configura‡Æo. Ambas conseguiram um bom trabalho na redu‡Æo das vibra‡äes, sendo que no caso da Yamaha o motor ‚ derivado de uma gera‡Æo Genesis nascida nas competi‡äes. Enquanto a BMW optou por criar a bieleta que reduz consideravelmente os efeitos da vibra‡Æo.

Os motores de dois cilindros sÆo uma boa op‡Æo para motos urbanas de m‚dia cilindrada, como as Honda CB 500 e Suzuki GS 500, mas aos poucos come‡am a ser substitu¡dos pelos novos monocil¡ndricos, como a Yamaha MT03. Apesar de desenvolver menor potˆncia, com a ajuda da eletr“nica na alimenta‡Æo o motor de um cilindro passou a ser uma op‡Æo v lida e ainda mais econ“mica. No Brasil temos a Yamaha XT 660 e a Honda Falcon 400 como nossas grandes representantes desse mundo chamado de single (solteiro, ou £nico em inglˆs). Entre os grandes representantes desta esp‚cime, o maior deles era da Suzuki DR 800 que tem uma legiÆo de fÆs at‚ hoje por ser simples, econ“mico e resistente, mas o que ele vibra ‚ desconcertante!

Quem acompanha os lan‡amentos no exterior deve ter percebido que no JapÆo existem v rias motos pequenas, entre 250 e 400 cc com motores de quatro cilindros em linha. NÆo existe nenhuma vantagem t‚cnica nestes casos, mas trata-se de uma particularidade daquele mercado. No JapÆo, as motos acima de 400 cc pagam um alto imposto de circula‡Æo, al‚m de exigir uma habilita‡Æo muito dif¡cil de cara.

Para satisfazer o gosto dos motociclistas locais e nÆo gerar uma legiÆo de frustrados, as f bricas investiram em pequenas 250 e 400 cc quase r‚plicas das versäes esportivas de 600, 750 ou 1000 cc. Muito brasileiro j  sonhou com uma Hornet 250 de quatro cilindros, ou uma Yamaha FJ 400 tamb‚m de quatro cilindros. O que nÆo se sabe ‚ que essas motos s¢ tˆm visual, porque em mat‚ria de desempenho sÆo bem discretas, al‚m de o pre‡o final ser muito pr¢ximo ao de uma 600 por exemplo. Normalmente uma 400Four nada mais ‚ do que uma 600 com a cilindrada reduzida. Basta usar cilindros e pistäes menores e pronto!

Se essas motos fossem importadas ou nacionalizadas aqui o pre‡o seria praticamente o mesmo de uma 600 e ningu‚m seria ingˆnuo suficiente para rodar com uma 400 que custa tanto quanto uma 600.