Gregorio Caselani venceu a terceira etapa e assumiu liderança do Sertões - foto: Victor Eleuterio

Rally dos Sertões 2016: Caselani foi o mais rápido

Sertoes_Cabeca_01

Gregório Caselani (Honda) foi o vencedor da terceira etapa do Rally dos Sertões 2016, realizada nesta terça-feira (6), entre os municípios goianos de Cavalcante e Posse, assumindo a liderança das motos na contagem geral da competição. Na sequência fizeram o segundo e o terceiro melhor tempo, Ramon Sacilotti (Yamaha) e José Hélio (Husqvarna), respectivamente.

Para o multicampeão Jean Azevedo, o dia não foi dos melhores. O piloto da Honda não concluiu a especial do dia, depois de bater em uma rocha, incidente que danificou a guia da corrente de sua moto, impedindo-o de continuar na especial. Com isso Jean agora ocupa a 26ª colocação na classificação geral das motos. O companheiro de equipe Tunico Maciel parou para ajudá-lo e terminou o dia na 36ª posição. Tunico agora é o 40º colocado na classificação geral.

Gregorio Caselani venceu a terceira etapa e assumiu liderança do Sertões - foto: Victor Eleuterio

Gregorio Caselani venceu a terceira etapa e assumiu liderança do Sertões – foto: Victor Eleuterio

Gregorio Caselani, que já havia vencido a etapa anterior, dominou a prova do início ao fim. “Sai abrindo a especial (trecho cronometrado). Nos primeiros 60 quilômetros era uma serra bem sinuosa, estreita e com muito cascalho grosso, e eu imprimi um ritmo muito bom. No quilômetro 120, a especial seguiu de média velocidade, porém no plano. E depois ficou bem rápida até o ponto de abastecimento. Eu cometi três erros de navegação. Aí decidi atacar no fim para tentar recuperar o tempo perdido. Foi uma disputa bem dura e que cansou bastante”, afirmou o piloto gaúcho.

Com o segundo lugar conseguido na etapa de hoje, Ramon Sacilotti (Kawasaki) assumiu a vice-liderança das motocicletas. “Foi uma etapa muito cansativa. A especial começou bastante rápida e consegui um ritmo forte, mas perdi de dois a três minutos para prender uma peça que soltou na lateral da moto. O dia exigiu muita atenção na navegação. Passamos por vários tipos de desafios, como pedras, cascalho e até trechos de areia”, contou Sacilotti.

Ramon Sacilotti assumiu a vice-liderança das motos na terceira etapa - foto: Victor Eleutério

Ramon Sacilotti assumiu a vice-liderança das motos na terceira etapa – foto: Victor Eleutério

O catarinense Ricardo Martins (Yamaha), que largou como terceiro colocado no ranking das motos, foi uma das vítimas do Rally dos Sertões nesta terceira etapa. O piloto chocou-se com um cavalo e na sequência a sua motocicleta pegou fogo, mas felizmente ele saiu ileso. Uma vez que a motocicleta de Martins teve perda total, de acordo com os regulamentos do Sertões, ele terá que abandonar a competição. Sacilotti testemunhou o fato. “Quando passei pelo Ricardo, as chamas já estavam com uns três metros de altura. Fiquei abalado com o que aconteceu com ele e até demorei para conseguir me concentrar na prova de novo”, lamentou.

Moara Sacilotti, a única mulher nesta edição do Sertões, competindo de igual para igual com os homens, concluiu a terceira etapa na 30ª posição e ocupa a 32ª colocação na classificação geral.

Moara Sacilotti é a única mulher no Sertões 2016 - foto: Marcelo Maragni

Moara Sacilotti é a única mulher no Sertões 2016 – foto: Marcelo Maragni

Como foi a terceira etapa – 6/9

Cavalcante (GO) – Posse (GO)
Deslocamento inicial: 22,95 km
Trecho especial: 376,41 km
Deslocamento final: 244,12 km
Total do dia: 643,48 km

Descrição: Foi mais uma especial muito técnica e complicada, que começou por estradas sinuosas, com muitas erosões e depressões. A prova prosseguiu por uma região montanhosa, com muitas subidas e descidas fortes e com trechos de trial. A prova se manteve sinuosa por estradas menores e com velocidade média. Mais à frente, prosseguiu por estradas de alta velocidade. O roteiro alternou trechos de média e alta velocidade, com muita navegação até o último trecho, onde a velocidade aumentou novamente e seguiu assim até o final. O piso predominante foi de cascalho, porém, com muitas pedras, estradas de piçarra e pequenos trechos de areia.

Resultados da terceira etapa

Motos
1º Gregório Caselani 04:44:26
2º Ramon Sacilotti 04:47:07
3º José Hélio Filho 04:56:20
4º Eduardo Shiga 04:58:03
5º Rami Sfredo 05:05:51

Quadriciclos
1º Diogo Zonato 5h28min54
2º Pedro Costa 5h44min11
3º André Suguita 5h50min10

UTVs
1°Cristiano Batista / Robledo Nicoletti 5h16min14
2º Deninho Casarini / Luis Eckel 5h20min30
3º Pedro Queirolo / Gui Trombini 5h24min05

Resultado acumulado

Motos
1º Gregório Caselani 11:32:42
2º Ramon Sacilotti 11:43:59
3º Eduardo Shiga 12:05:42
4º José Hélio Filho 12:18:12
5º JÚlio Bissinho 12:47:37

Quadriciclos
1º Diogo Zonato 13h24min21
2º Marcelo Medeiros 13h29min34
3º André Suguita 16h18min59

UTVs
1º Bruno Sperancini / Breno Resende 13h02min07
2º Deninho Casarini / Luis Eckel 13h32min15
3º Pedro Queirolo / Gui Trombini 13h37min08

Rally dos Sertões 2016 -roteiro completo

Rally dos Sertões 2016 -roteiro completo

Como será a quarta etapa – 7/9

Posse (GO) – Luís Eduardo Magalhães (BA)
Deslocamento inicial: 14,62 km
Trecho especial: 361,94 km
Deslocamento final: 183,59 km
Total do dia: 560,15 km

Descrição: O Rally dos Sertões deixa o estado de Goiás e entra na Bahia. A especial deste dia começa bem próximo a Posse. Completamente diferente das anteriores, trata-se de uma prova bem rápida, com longas retas em áreas agrícolas de alta velocidade e muita navegação. A expectativa é que se registre as maiores velocidades da prova. O piso predominante é a piçarra, porém, há longos trechos sinuosos e com areia. Segue assim até o seu último quarto, quando voltam as longas retas, com muitas lombas e depressões. Seguindo assim até o final do trecho cronometrado, no Km 40 da BR-020.

Confira como foram as etapas anteriores:

Segunda etapa
Primeira etapa

Separador_motos

Fonte: VipComm, Imprensa Yamaha e Imprensa Rinaldi



Mário Sérgio Figueredo

Motociclista apaixonado por motos há 42 anos, começou a escrever sobre motos como hobby em um blog para tentar transmitir à nova geração a experiência acumulada durante esses tantos anos. Sua primeira moto foi a primeira fabricada no Brasil, a Yamaha RD 50.