Sinal verde para Jean, Klever e André

Andr‚ Azevedo enfrentou problemas, mas foi aprovado nas verifica‡äes t‚cnicas e ainda viu rivais serem desclassificados.

Os pilotos Jean Azevedo (moto), Klever Kolberg (carro) e Andr‚ Azevedo (caminhÆo) passaram nesta sexta-feira pelas verifica‡äes administrativas e t‚cnicas obrigat¢rias antes da largada do Dakar 2006. O £nico da equipe Petrobras Lubrax a enfrentar problemas diante dos rigorosos fiscais no Centro Cultural Bel‚m, em Lisboa, foi Andr‚. Um erro na fia‡Æo do sistema do localizador via sat‚lite e as datas de validade do cinto de seguran‡a e do macacÆo do mecƒnico Mira Martinec atrasaram o andamento da vistoria do caminhÆo Tatra. Foram sete horas de checagens.

Minutos depois dos £ltimos carimbos na verifica‡Æo, Andr‚ recebeu a not¡cia da desclassifica‡Æo da equipe Daf, forte candidata ao t¡tulo. Entre os eliminados estÆo Hans Bekx (caminhÆo 502), Gerard de Rooy (504) e Jan de Rooy (506). Sem entrar em detalhes, o presidente do j£ri entre os caminhäes explicou que os Daf reformulados para o Dakar 2006 nÆo cumprem as regulamenta‡äes da FIA. Para Andr‚ Azevedo, a desclassifica‡Æo pode ser boa quando se fala em resultado, mas o piloto brasileiro nÆo se mostrou feliz. “ sempre bom vencer os concorrentes durante a prova, nÆo antes”, disse Andr‚.

Acompanhada do mecƒnico Geraldo Lima, a KTM de Jean Azevedo nÆo teve problemas diante dos fiscais. Partes da moto como o motor e os escapamentos foram marcados com tinta laranja para ajudar no controle da organiza‡Æo. “ uma tarefa chata, mas necess ria”, afirmou o piloto, que usar  n£mero 7 em sua oitava participa‡Æo na prova.

O Mitsubishi Pajero de Klever Kolberg e Eduardo Bampi tamb‚m foi aprovado facilmente pela vistoria. A demora na checagem ficou por conta do navegador Eduardo Bampi, que fez questÆo de assistir …s aulas de GPS ministradas pela organiza‡Æo do Dakar. “J  sei como proceder. Estou tranqilo, mas nÆo custa nada mais uma aula”, disse o paranaense. O motor do carro recebeu seis lacres para garantir que nÆo ser  modificado durante a prova. “ sempre um al¡vio receber todos os carimbos e estar pronto para a largada”, disse Kolberg. Ele lembrou do caso de um piloto que no ano passado nÆo p“de largar devido …s medidas erradas no tubo da gaiola de prote‡Æo. “SÆo detalhes, mas que podem acabar com o sonho de participar do Dakar”.

O Rally Dakar 2006 come‡a amanhÆ (dia 31), em Lisboa, a partir das 6h30 da manhÆ (hora local, 4h30 em Bras¡lia)