smart e-bike

 

smart e-bike

smart e-bike

Ao contrário de outras -pedalecs- (ciclos pedais elétricos), porém, a smart e-bike não é comandada por uma manopla no punho direito do guidom. O motor DC (corrente direta) sem escova no cubo da roda traseira é ativado no momento em que o ciclista começa a pedalar, e gera quatro níveis de assistência elétrica, controlados por um botão na manopla. Dependendo da assistência escolhida, a smart diz que a e-bike tem uma autonomia de entre 30 e 60 km por carga total das baterias – dependendo muito também de quanto o ciclista pedala. Acima dos 25 km/h o motor elétrico não ajuda mais, evitando a necessidade de uma -carta-, ou licença de dirigir na Alemenha.

O pacote de baterias de íons de lítio é de 36 volts e 9,6 Ah, -escondido- atrás de um painel sobre o girabrequim. Elas pode

m ser recarregadas em rede doméstica por duas a três horas. Assim como o ecoscooter, a e-bike tem freios hidráulicos a disco e frenagem regenerativa.

Quando colocado num ponto de apoio, o iPhone automaticamente ativa o trem de força elétrico e se torna o centro de controle e de informações do veículo. Uma interface de computador de viagem avisa o ciclista de quanto ainda tem de energia nas baterias, a velocidade atual e média, e inclui inclusive um monitor cardíaco e um sistema de navegação. Vem também com uma função GPS que ajuda o usuário a achar onde a e-bike está estacionada.

Celulares inteligentes ajudam a ecsolher as músicas na memória do rádio e, quando o mesmo não está na bicicleta, esta torna-se muito difícil de roubar, já que o trem de força elétrico fica travado.

A e-bike, projetada e desenvolvida em colaboração com a fábrica de bicicletas GRACE, pesa 22kg, é feita de perfis em alumínio, tem toda sua rede elétrica dentro do quadro do chassi, rodas de 28 polegadas e farol LED. A lanterna traseira, também em LED, fica embaixo do selim.
—————————————————————————
José Luiz Vieira, Diretor, engenheiro automotivo e jornalista. Foi editor do caderno de veículos do jornal O Estado de S. Paulo; dirigiu durante oito anos a revista Motor3, atuou como consultor de empresas como a Translor e Scania. É editor do site: www.techtalk.com.br e www.classiccars.com.br; diretor de redação da revista Carga & Transporte.