Tínhamos INNOCENTI no Brasil

Tínhamos INNOCENTI no Brasil

Nas ultimas semanas, tenho observado através de varias mídias, a grande, merecida, e reconhecida comemoração dos 60 anos do scooter Vespa, produzido pelo grupo PIAGGIO.

No meu entendimento, sem desmerecer esse veiculo que tenho grande respeito, acredito resgatar, também de forma comemorativa, a marca Lambretta, iniciada pela família INNOCENTI, e que sem a rivalidade sadia entre elas, talvez o grupo PIAGGIO não teria aperfeiçoado e produzido seu belo e tradicional produto até o momento.

Fim da segunda guerra … povo europeu mentalmente abalado, economicamente arruinado, e materialmente destruído. Eram necessários um meio de transporte financeiramente viável e que não consumisse o então caro e raro combustível.

Dois engenheiros, um único conceito, mesmo país … rodas de trem de pouso de aviões, motores de popa e motores de partida de aviões … era o que se tinha disponível !

Fora minhas origens sanguíneas, deixo aqui meus agradecimentos ao vitorioso povo italiano, que de uma pilha de ferro-velho, construíram um mito, uma lenda, uma forma de transporte consagrada, e porque não dizer, um estilo de vida …

Fábrica da lambretta, na Itália

Posto isso, vamos a história da saudosa Lambretta:

Ferdinando Innocenti, italiano nascido em 01 de setembro de 1891, após concluir o 3° ano da escola técnica, junto-se ao seu pai um ferreiro. Aos 18 anos, iniciou com sua família um negócio de compra de ferro utilizado na drenagem dos pântanos de Maremma. O ferro era trocado por óleo, que era vendido gerando grandes lucros.

Em 1920 iniciou estudos sobre possíveis aplicações com tubos de aço. Após muitas dificuldades, com o grande crescimento econômico da Itália devido a política fascista na década de 20, Ferdinando trabalhou para o crescimento de sua indústria, fornecendo seus tubos de ferro para as mais diversas aplicações: Andaimes, torres de alta tensão, portões, cercas, postes, sistemas de irrigação, drenagem, canos, equipamentos de ginástica, esgrima, tubos para termoelétricas, gás, cilindros de ar-comprimido, tanques para vagões de trem, eixos para hélices, tubos para indústria automobilística, vidraceira e muitas outros. Usos muito variados, porém tecnicamente a produção dos tubos de ferro não era muito diferente.

Após a II Guerra Mundial Ferdinando Innocenti, enfrentou o árduo trabalho da reconstrução de sua fábrica situada em Lambratte (daí o nome Lambretta), Milão, que havia sido reduzida a uma pilha escombros e fumaça durante bombardeio dos Aliados. Percebeu neste momento que as necessidades primárias de seu país eram duas, a primeira era a de começar a produção de equipamento industrial e maquinaria pesada; e a segunda prover de um método barato e seguro o transporte da população.

Ferdinando se uniu ao engenheiro Pierluigi Torre que idealizou um veículo de baixo custo de produção , barato de se manter, e com proteção melhor que uma motocicleta para as mudanças de tempo (chuva, frio, neve, etc.): a Lambretta.

A produção da Lambretta começou em 1947, depois de um ano gasto com desenvolvimento e teste do novo protótipo. A primeira Lambretta foi inspirada num veículo militar modelo “Cushman”, empregado pelo exército americano durante a II Guerra que era utilizado para transporte individual de uma divisão motorizada.

Naturalmente foi batizada de Modelo UM, que tinha como característica um motor de dois tempos com um único cilindro, e enfadonho, mas eficiente pistão de 52 a 58 mm de diâmetro. Isto dava ao novo modelo, 123 cc de potência e 4.2 bhp desenvolvidos a 4400 rpm. Operando com taxa de compressão na relação de 6:1 , o Modelo UM desenvolvia até 33 quilômetros com 1 litro de gasolina, um ponto forte de venda, em uma Itália escassa em combustível. O chassi no qual esta pequena máquina estava montada, era um tipo de painel tubular, com uma plataforma, no qual o piloto colocava os pés.

A Lambretta no Brasil

A Lambretta foi a primeira fábrica de veículos do Brasil, saindo na frente até mesmo da indústria automobilística. A implantação da fábrica Lambretta do Brasil S.A.- Indústrias Mecânicas em 1955 , como uma licenciada da Inocentti, no bairro da Lapa em São Paulo, coincidiu com a moda mundial da motoneta (scooter), na década de 50. A produção entre 1958 e 1960, o apogeu da marca, superou a quantidade de 50.000 unidades por ano.

Um dos pontos fortes da Lambretta era a boa estabilidade, devido ao baixo centro de gravidade proporcionado pelo motor próximo da roda traseira. O motor 2 tempos tinha boa refrigeração mesmo em Marcha lenta, proporcionada por uma ventoinha.

A partir de 1960 foi lançado o modelo LI (corresponde ao modelo “série 2 ” que foi lançado pela Innocenti na Itália em outubro de 1959) que substituía o eixo cardan por corrente, câmbio de 4 Marçoas, pneus aro 10″ ao invés de 8″ além de outras modificações, inclusive na versão Lambrecar.

Caminhão de entrega da Lambretta, no Brasil.

Em 1964 a fábrica lançava uma versão com um motor mais potente, O modelo X de 175cc. Muda sua denominação para Cia. Industrial Pasco Lambretta , fazendo apenas uma mudança da razão social: Pasco é a abreviatura de Pascowitch, nome do proprietário da empresa desde sua implantação inicial.

Em 1970 Felipe Pugliese, então o maior acionista, comprou a fábrica juntamente com o empresário Oliveiro Brumana. mudando a razão social da fábrica para Brumana & Pugliesi S.A. – Indústria e Comércio de Motores e Veículos. Começou então uma tentativa de recuperação da fábrica: foram construídas novas instalações, na via Anhangüera, com 19 mil metros quadrados de área e 12 mil construídos. Foi adquirido maquinário completo para produzir uma 125cc nacional.

Em 1971, numa tentativa de melhorar o mercado, a Lambretta lançou uma moto híbrida com motoneta, a Xispa, com projeto e componentes totalmente nacionais em versão de 150cc e 175cc que ficou em linha até 1979.

Mas a indústria automobilística já tinha se implantado e o mercado das motocicletas se aquecia com a entrada das japonesas. A Lambretta quase fechou neste momento. Em 1976 a Brumana Pugliese lança o ciclomotor Ponei, utilizando componentes da Xispa e um motor parecido com o da Garelli, ficando em linha até 1980.

O modelo LI evoluiu para a bela Cynthia lançada em 150 e 175cc, ao mesmo tempo que era lançada a MS 150 que era mais estreita que a primeira e tinha as tampas laterais cortadas, pelo que recebeu o apelido de “mini saia”.

Mas faltou capital e a Honda e a Yamaha lançaram primeiro suas 125 cc, e o maquinário ficou guardado em um canto da indústria, sem qualquer utilização. A Lambretta parou de produzir a motoneta (scooter) e passou por uma grande crise. Finalmente em 1979, como último suspiro, lançou a Lambretta Br Tork nas versões 125P, 125T e de 150cc, voltado para o segmento de veículos populares com preços acessíveis.

A fábrica faliu em 1982. Sua congênere na Argentina a Siambretta fechou as portas no final da década de 60. Hoje a Lambretta ainda é produzida na Índia pela “S.I.L” (Scooters India Ltd) porém somente o triciclo conhecido como “Tuk Tuk”. Esse mesmo triciclo foi comercializado pela Kasinki até poucos meses passados

Na verdade, ainda acrescento que fora as comemorações da Vespa, trago esse pouco momento de história, também em homenagem ao um ano do site do LAMBRETTA TRADICIONAL DO BRASIL (www.lambrettatradicionalbrasil.com.br), que teve um grande apoio de divulgação do MOTONLINE.

Assino a matéria, porem deixo bem claro que mesmo na formação do site do LTB, tivemos uma grande ajuda do maravilhoso pessoal do Clube da Lambretta Sta Catarina (http://www.indaial.com.br/lambretta/lambretta/) , e que a história acima transcrita, aparece na grande maioria dos sites que se dignam a falar sobre a marca.

Infelizmente, não temos um acervo qualificado para divulgação, e hoje fica difícil se gerar um para legado às futuras gerações.

Por isso que eu sempre me repito :

“ANTES DE DESTRUIR, PRESERVE !”