Aoyama mostra a sua montada de MotoGP no estádio do RCD Espanyol

Aoyama mostra a sua montada de MotoGP no estádio do RCD Espanyol

Aoyama mostra a sua montada de MotoGP no estádio do RCD Espanyol

O nipónico da Interwetten Honda MotoGP Team, que tem o mesmo patrocinador principal que o clube de futebol, aceitou o convite para apresentar a sua moto no jogo contra o Osasuna no fim-de-semana.

Hiroshi Aoyama marcou presença no estádio do RCD Espanyol no sábado, juntando os mundos do futebol com o do motociclismo. A equipa do japonês no MotoGP e o clube de Barcelona têm na Interwetten um patrocinador comum e no último jogo da Liga em casa Aoyama e a sua Honda RC212V estiveram presentes no campo perante 20.000 espectadores.

Após a segunda ronda do Campeonato do Mundo de MotoGP de 2010 em Jerez, a Interwetten Honda MotoGP Team impressionou os fãs dentro do estádio ao pararem o camião oficial da equipa e mostrarem a moto de Aoyama.

Aoyama foi muito bem recebido pelos adeptos do Espanyol quando surgiu no relvado com a sua RC212V antes do pontapé de saída e também trocou galhardetes com o jogador do Espanyol Iván de la Peña. Após o jogo, ganho pela equipa da casa por 2-1, Aoyama assinou autógrafos aos fãs.

“É a terceira vez que estou num estádio,” disse Aoyama, cujas anteriores visitas tiveram como propósito celebrar a conquista do Campeonato do Mundo de 250cc e assistir a um jogo de pré-época. “Desta vez foi para uma apresentação com a minha equipa e com a minha moto no relvado. Nunca fiz nada como isto e foi uma oportunidade especial.”

Aoyama, que conta agora com duas corridas disputadas na sua temporada de estreia na categoria rainha, somou oito pontos no Campeonato até ao momento, entre os quais um impressionante Top 10 na primeira corrida no Qatar. Antevendo as próximas jornadas, ele disse: “As próximas corridas são muito particulares em termos de traçados e estratégia. Não serão fáceis, mas quero atacar e ganhar posições desde cedo.”

O jovem de 28 anos foi também submetido a uma operação na sexta-feira passada, e explicou: “Fui operado em Barcelona depois do Teste de Jerez,” disse. “Tinha um problema na mão esquerda, que ficava rígidas por vezes. Quando comecei a correr na categoria rainha senti-o ainda mais, pelo que tirei estas três semanas para resolver o problema. Os médicos disseram-me que levaria dez dias a recuperar, pelo que penso que foi a altura certa para o fazer.”