Audi vira bloco de gelo

Audi vira bloco de gelo

Audi vira bloco de gelo

Peter Helfer mora em Manhattan e tem (tinha) um Audi sedã. Numa noite muito fria deixou seu carro na rua enquanto foi a um jogo de futebol – o que já não foi muito bom, pois seu time, o New York Jets, perdeu. Pegou um táxi de volta à sua casa e re4solveu deixar seu carro numa vaga melhor. Não deu: seu carro estava coberto de gelo, numa espessura que variava de 15 a 30 cm, e embaixo dele havia apenas uma placa de gelo. A própria rua, junto à calçada, estava praticamente congelada – e os carros que passavam jogavam água gelada suja para cima do Audi.

Jornais, TVs, rádios e computadores passaram a falar do caso da rua e do Audi literalmente enregelados. De calçada, Heifer conseguiu abrir a porta do motorista e entrar no carro. Deu partida, pôs o sistema de aquecimento de cabine no máximo e voltou 45 minutos depois. Colocou a transmissão automática em Drive, acelerou para a frente, depois para trás, mas nada se movia.

Meio temeroso, telefonou para seu chefe e avisou o que estava acontecendo, por que não poderia ir trabalhar e ficou surpreso e aliviado ao saber que o chefe já sabia de seu problema pela TV e pelos jornais.

Ainda assim, estava preocupado: seu carro poderia ser rebocado, possivelmente danificado e multado por ficar dias seguidos abandonado na rua. Pedestres passaram a lhe fazer perguntas sobre se aquele carro era seu, o que você vai fazer com ele, como é que você vai tirá-lo de lá, se fosse você eu acionaria a prefeitura, como é que você conseguiu estacionar em cima de uma torrente de água e outras pérolas do tipo.

Com a rua consertada, o carro tirado do lugar por uma empilhadeira e rebocado a uma revenda, 10 dias depois ele recebeu uma conta de US$ 7.500 em peças e mão de obra. Não foi de todo mau: um dia antes havia recebido um telefonema de Joe Valentino e David Fine, sócios da revenda de carros Infiniti de Manhasset, que ficaram com pena dele e lhe doaram um G37x de tração nas quatro rodas, para que nunca mais fique atolado no gelo. Valentino e Fine foram muito entrevistados pela imprensa local.


José Luiz Vieira, Diretor, engenheiro automotivo e jornalista. Foi editor do caderno de veículos do jornal O Estado de S. Paulo; dirigiu durante oito anos a revista Motor3, atuou como consultor de empresas como a Translor e Scania. É editor do site: www.techtalk.com.br e www.classiccars.com.br; diretor de redação da revista Carga & Transporte.