Indústria de roubo e furto de veículos movimenta cerca de 6 bilhões por ano no país

Em sete anos, a marcação de peças em automóveis já reduziu em até 60% a
frequência de roubo e furto em relação aos veículos não gravados

Em 2009, somente em São Paulo, 177 mil proprietários de veículos tiveram seu veículo roubado ou furtado, um aumento de 11% no crime no estado com relação ao ano anterior, quando foram registradas 159 mil ocorrências. Esse mercado paralelo movimenta cerca de R$ 6 bilhões por ano no País e em São Paulo atinge R$ 2,6 bilhões. A DNA Security, empresa pioneira e líder de mercado em gravação de peças automotivas, já marcou as peças de 300.000 veículos em sete anos, principalmente para o mercado segurador e frotistas. Nestes anos, os clientes já identificaram grandes resultados com a ação de marcação de peças como redução de até 60% na frequência de roubo e furto, aumento na recuperação de veículos e melhora no estado de conservação dos veículos recuperados em comparação aos veículos não gravados.

A constatação sobre a importância da implantação do sistema de controle e gravação do número do chassi nas diversas peças dos veículos apresenta-se num momento em que o cenário é preocupante. “A gravação de peças mostrou ser um eficiente modo de proteger o veículo e a segurança de seus donos, pois reduz a abordagem no roubo preservando o bem e a família. O diferencial da marcação de peças é que ela combate o desmanche e a adulteração de automóveis tornando os veículos gravados desinteressantes para o crime”, afirma Mário Cassio Mauricio, diretor Comercial da DNA Security.

A DNA Security calculou os números do prejuízo gerado pela não recuperação de veículos. Considerando que cerca de 88 mil automóveis e motos roubados ou furtados não foram recuperados pela polícia, e que o destino destes veículos foi o desmanche ou a adulteração, temos um valor superior a R$ 2,6 bilhões em valor de veículos que desaparecem. “Os modelos mais populares são os mais visados pela demanda de peças uma vez que os automóveis desmanchados e suas peças podem atingir até cinco vezes o seu valor original”, diz Mauricio.

A polícia vem recuperando, anualmente, cerca de 50% dos automóveis roubados e furtados em São Paulo. Para combater os desmanches ilegais, já foram criadas leis nos Estados de São Paulo (nº 13.546) e Rio de Janeiro (nº 5.042), exigindo a obrigatoriedade da marcação do chassi do veículo nas peças comercializadas pelos desmanches visando regularizar a atividade de venda de peças usadas. “Ficou mais fácil identificar o automóvel e, principalmente, o receptador e vendedor de peças ilegais. Além de ser uma grande prevenção para o proprietário, a marcação se tornou a primeira prova material capaz de auxiliar a polícia a comprovar os crimes de roubo e identificar os locais do comércio ilegal de peças de carros e motos”, explica o diretor.

Para realizar a marcação, que leva em torno de 25 minutos, a DNA Security conta com serviço domiciliar e 23 postos nas principais capitais do Brasil (Belo Horizonte, Fortaleza, Recife, Rio de Janeiro e São Paulo). O preço do serviço é de R$ 180 (10 x R$ 18,00), e inclui assistência 24 horas básica. Os interessados em saber mais sobre a gravação podem entrar em contato com a central de informações pelo telefone (11) 2451-9546, das 8h às 18h, ou acessar o site www.meudna.com.br.