João Paulino Marronzinho chega em quinto e é campeão brasileiro de motocross

João Paulino Marronzinho chega em quinto e é campeão brasileiro de motocross

João Paulino Marronzinho chega em quinto e é campeão brasileiro de motocross

Um quinto lugar foi o suficiente para que o piloto catarinense João Paulino Marronzinho faturasse o título de campeão brasileiro de motocross, na categoria MX1. A grande final aconteceu neste domingo (31.08), em Rio das Ostras, RJ. Na categoria MXJr, o campeão foi o paulista Thales Vilardi. Mais de duzentos pilotos participaram da Grande Final do Campeonato Brasileiro, que foi marcada pela forte chuva.

Marronzinho chegou a Rio das Ostras com vinte pontos de vantagem sobre o vice-líder, Leandro Silva e, desde o início, fez uma corrida cautelosa. Largou em quinto lugar e se preocupou mais em não perder posições do que em atacar os adversários que estavam na sua frente.

Com o resultado, João Paulino se torna campeão brasileiro pela terceira vez. Ele já havia conquistado o título em 2005 e 2006. Para conquistar o título, Marronzinho venceu quatro das oito etapas do campeonato e teve que superar adversidades como a quebra na sexta etapa, em Sorriso, quando viu Leandro abrir mais de vinte pontos de vantagem.

– Em Sorriso, cheguei a achar que não ia dar mais, mas em Sonora consegui virar e, em Cachoeiro do Itapemirim abri uma vantagem que me fez chegar confortável para esta etapa. Fiz uma corrida tranqüila e consegui o meu segundo título-, comentou.

Sabendo que só a vitória lhe interessava, Leandro Silva largou em primeiro e imprimiu um ritmo de corrida forte. O único que o acompanhou foi Lucas Moraes, que batalhou pelo primeiro lugar durante toda a corrida. Apesar do domínio de Leandro, os dois chegaram a se alternar na primeira colocação por vários momentos. Na última volta, Lucas ainda tentou um último ataque, mas não conseguiu fazer a ultrapassagem e teve que se contentar com o segundo lugar.

– Foi o campeonato mais disputado de todos os tempos. Lógico que queria ser campeão, mas não estou desapontado com o segundo lugar-, declarou Leandro Silva.

Na MX3, Milton Chumbinho Becker fez história. O piloto venceu a prova e conseguiu seu 14º título brasileiro, se igualando a Moronguinho como o maior campeão brasileiro da história. Sem dar chance para o azar, Chumbinho largou na frente e dominou a prova desde o início, ganhando de ponta a ponta.

– Nasci no extremo oeste de Santa Catarina e, quando eu comecei a andar de moto, ninguém ia acreditar em mim se eu falasse que ia ser campeão brasileiro. Mas eu sonhei, acreditei e consegui meu décimo quarto título. É uma honra me igualar ao Morongo, grande piloto e grande atleta-, comemorou.

Na MXjr, o campeão foi o paulista Thales Vilardi. Ele largou na frente mas, logo que viu Gustavo Takahashi e Anderson Cidade se aproximando, preferiu não arriscar e optar por uma prova mais cautelosa. – Fui bem calmo nesta prova. Larguei bem, mas não quis arriscar nada. Vi que eles estavam em um ritmo muito forte e preferi evitar entrar na disputa e acabar me envolvendo em um acidente -, comentou.

A estratégia deu certo. Os dois pilotos passaram a disputar a liderança e Thales ainda foi ultrapassado por Hector Assunção e Rodrigo Rodrigues, conquistando um quinto lugar que lhe garantiu o título. O vencedor da prova foi Anderson Cidade, que terminou o campeonato na 2ª colocação.

Carlos Eduardo Mendes Franco e Marcos Roza travaram a disputa mais acirrada pelo título, na CRF 230. Antes da prova, apenas quatro pontos separavam os dois. Assim que começou a corrida, porém, Carlos Eduardo mostrou porque havia vencido as cinco últimas etapas e se credenciado como candidato ao título mesmo sem ter participado das duas primeiras provas da competição. Largou na frente, administrou a corrida, venceu e ficou com o título.

A 50cc aconteceu pela primeira vez junto com o Campeonato Brasileiro de Motocross, e foi uma atração a parte. Na 50cc C, Kioman de Jesus venceu, seguido de Djalma Carvalho e Bruno Couto. Na B, Enzo Lopes faturou, e Renato Costa foi o segundo. Na A, vitória de Guilherme Rodrigues.

Campeões antecipados – As categorias MX2, 85cc e 65cc já tinham campeões antecipados mas, nem por isso, as provas deixaram de ser muito disputadas. Na MX2, Rodrigo Selhorst comprovou sua superioridade e comemorou o título com uma bela vitória. O rondoniense largou na 4ª colocação mas, logo no início, conseguiu assumir a liderança. Dali pra frente, foi abrindo vantagem sobre seus adversários e venceu a prova com mais de 40s sobre Massoud Nassar, o segundo colocado.

Na 85cc, Rodrigo Lama chegou como campeão antecipado e terminou em segundo lugar. A corrida foi um verdadeiro show de Cezar Zamboni, que venceu com uma volta de vantagem sobre Gustavo Roratto, 4º colocado.

Na 65cc, o campeão antecipado Kaio Miranda terminou na 5ª colocação. Quem faturou a vitória, sua primeira na temporada, foi Rodrigo Riffel. Mesmo com a primeira colocação, o piloto terminou o campeonato em 5º lugar.

Transmissão Online – A Grande Final do Campeonato Brasileiro de Motocross foi transmitida ao vivo pelo site oficial da Confederação Brasileira de Motociclismo (www.cbm.esp.br). Mais de doze mil pessoas acompanharam as emoções da etapa de Rio das Ostras em tempo real.

Esta foi a primeira vez que uma etapa do Brasileiro de Motocross foi exibida na íntegra pela internet, inaugurando uma nova fase no motociclismo nacional. O Campeonato Brasileiro de Motocross tem patrocínio de Honda e Mobil. Co-patrocínio Pro Tork. Apoio Pirelli. Supervisão da Confederação Brasileira de Motociclismo.

Classificação – MX1
1º – João Paulino Marronzinho – Pro Tork – 148 pts
2º – Leandro Silva – Team Honda – 142 pts
3º – Roosevelt Assunção – Pro Tork – 99 pts
4º – Wellington Garcia – Team Honda – 96 pts
5º – Jean Ramos – Team Honda – 83 pts

MX2: 1º – Rodrigo Selhorst – Oásis/KTM – 171 pts
2º – Marcello Ratinho Lima – Team Honda – 120 pts
3º – Swian Zanoni – KTM – 116 pts
4º – Jean Ramos – Team Honda – 96 pts
5º – Davis Guimarães – Dunas/Yamaha – 68 pts

MX Jr: 1º – Thales Vilardi -Team Honda – 161 pts
2º – Anderson Cidade – Pro Tork – 157 pts
3º – Héctor Assunção – Team Honda – 110 pts
4º – Gustavo Amaral – Suzuki/Petrobrás – 101 pts
5º – Rodrigo Rodrigues – Pro Tork – 93 pts

MX3: 1º – Milton Becker – Pro Tork – 185 pts
2º – Nico Rocha – Pro Tork – 166 pts
3º – Willian Guimarães – Pro Tork – 104 pts
4º – Elton Becker – Pro tork – 85 pts
5º – Alexandro Valerim – Toque de Pele Íntima – 83 pts

85cc: 1º – Rodrigo Lama – Team Honda – 166 pts
2º – Cezar Zamboni – Team Honda – 144 pts
3º – Everaldo Rodrigues – Team Honda – 112 pts
4º – Endrews Armstrong – Pro Tork – 111 pts
5º – Anderson Amaral – 76 pts

65cc: 1º – Kaio Miranda – Fox/Oakley – 157 pts
2º – João Pedro Pinho – Recris Transp – 141 pts
3º – Thiago Formehl – Rodovales – 121 pts
4º – Hallex Dalfovo – Webmotors – 119 pts
5º – Rodrigo Riffel – Pro Tork – 118 pts

CRF 230: 1º – Carlos Eduardo Mendes Franco – Mastermotos – 154 pts
2º – Marcos Roberto Roza – Novamoto – 144 pts
3º – Person Pauletto – Casa São José – 86 pts
4º – Lucas Pagnoncelli de Araújo – 66 pts
5º – Thiago Quintela – Detroit Hotel – 61 pts