Mulheres aceleram no motocross

Nos £ltimos anos, as mulheres vˆm dando uma cara nova …s competi‡äes nacionais de motociclismo, quebrando barreiras e ditando novas regras em um cen rio antes predominantemente masculino.

No motocross, essa tendˆncia fica ainda mais evidente. A maioria delas usam modelos Honda CR e CRF, exclusivos para a modalidade. Mariana Balbi, 18 anos, ‚ considerada pioneira da “invasÆo” feminina nas pistas. Primeira mulher a disputar os campeonatos nacionais de supercross e motocross, ela ingressou no esporte por incentivo do pai, Ant“nio Jorge Balbi, e do irmÆo, Ant“nio Jorge Balbi Jr, piloto Honda e atual campeÆo nacional da categoria 250.

Com sua Honda CR 250, j  obteve resultados significativos na carreira: foi, por exemplo, a primeira a conquistar um lugar no p¢dio do Campeonato Brasileiro de Motocross. “Os homens podem at‚ levar alguma vantagem no quesito for‡a, mas a t‚cnica ‚ o que realmente importa no barro, e pode ser aperfei‡oada com muito treino e dedica‡Æo”, garante.

Al‚m do Brasileiro de Motocross, pelo qual compete na categoria Open, Mariana participa este ano do Campeonato Paulista, na 250. “A presen‡a feminina no esporte cresceu muito e, na minha opiniÆo, isso s¢ tende a se acentuar nos pr¢ximos anos”, afirma a mineira. “Com o avan‡o delas no esporte, a tendˆncia ‚ que sejam criadas categorias exclusivas nos campeonatos, o que ‚ imprescind¡vel para que as provas sejam mais equilibradas.”

O n£mero cada vez maior de mulheres inscritas nos torneios levou a Federa‡Æo Paulista de Motociclismo a criar este ano uma categoria exclusiva para elas no Campeonato Paulista de Motocross, aberta a motocicletas de todas as cilindradas. “A iniciativa populariza o esporte, e faz com que pilotos iniciantes tamb‚m se sintam motivadas a participar”, comenta o presidente da Federa‡Æo, D‚cio Fantozzi. Segundo ele, o n£mero de participantes do sexo feminino dobrou j  na segunda etapa do campeonato. “A id‚ia ‚ explorar cada vez mais esse nicho, em ampla expansÆo, subdividindo a categoria em v rias outras”, diz.

Samantha Jur‡a Trindade, 14 anos, nascida em Bragan‡a Paulista/SP e atual l¡der da categoria, aposta na fua Honda CR 80, para conquistar o t¡tulo in‚dito e ir cada vez mais longe nas pistas. “ a chance que as mulheres precisavam para abrir de vez seu caminho no motocross”, afirma.