A poeira pode ser um grande complicador nos passeios off-road

Passeio off-road

Passeios em grupo de moto, no asfalto, eu já tinha participado um monte de vezes e tirando os engraçadinhos de plantão, aqueles que querem mostrar que sabem andar, que a moto dele empina e outros eteceteras, sempre foi legal e divertido. Aquele monte de motos na estrada dá até arrepio de tão bonito que é.

Um belo dia, um moto clube off-road aqui de Curitiba convocou a galera para um passeio em grupo por estradas de chão, com previsão de uns 50 km. Como nunca tinha participado de uma passeio destes (fora do asfalto), lá fui eu levar os alimentos não perecíveis pra fazer a inscrição.

A poeira pode ser um grande complicador nos passeios off-road

A poeira pode ser um grande complicador nos passeios off-road

Chegou o dia e lá estava eu com a minha NX-350 Sahara, 7 horas da matina, no local marcado e na maior expectativa.

O sol já prenunciava um dia maravilhoso e quente. Foi chegando moto e mais moto e mais moto ainda. Na hora da saída tinha umas 250 motos de todos os tipos, trail, street e até algumas custom.

Saímos guiados e comboiados pelo pessoal do moto clube por algumas avenidas asfaltadas, todos eles de trail, naturalmente. Quando o asfalto acabou é que vi a fria em que tinha me metido. Tente imaginar o volume de poeira gerada por 250 motos. É um terror, pior que neblina.

Não dava para respirar. Peguei a flanela que sempre carregava na moto e improvisei um filtro sobre a boca e o nariz mas não adiantava, não dava para respirar, não dava pra enxergar, sem contar que a cada 5 minutos eu cuspia um tijolo.

Com a poeira, todo mundo queria ir lá para frente onde ela era menos intensa, o que gerou um pouco de confusão e a organização precisou intervir e reorganizar o grande grupo.

Finalmente chegamos ao destino em um sítio onde estava sendo preparado um grande churrasco. Que alívio poder tomar um refrigerante gelado para remover toda a poeira que estava depositada na garganta.

Depois do churrasco o pessoal começou a organizar a volta. Eu heim? … sem chance de passar por aquela tortura novamente. Caí fora de fininho e garanto para vocês que aquele foi o meu primeiro e último passeio off-road em um grande grupo na vida.

Não sei se planejado ou não, o evento foi divulgado por um canal de televisão local e os organizadores nem imaginavam que fosse ter tanta repercussão e gente interessada em participar. Acredito que muitos tenham ido somente para participar da campanha de arrecadação de alimentos. Uma das evidências de que eles realmente não esperavam tantas adesões foi o fato do churrasco não ter sido suficiente nem para a metade dos presentes. Aquele foi o último passeio que tive notícia, organizado por aquele moto clube off-road.

Mas valeu como experiência.



Mário Sérgio Figueredo

Motociclista apaixonado por motos há 42 anos, começou a escrever sobre motos como hobby em um blog para tentar transmitir à nova geração a experiência acumulada durante esses tantos anos. Sua primeira moto foi a primeira fabricada no Brasil, a Yamaha RD 50.