Salões: há espaço para um evento deste tipo todos os anos?

Com exceção a algumas novas marcas de acessórios e equipamentos para motociclistas e de dois ou três modelos de motocicletas novos dignos de nota, o Salão da Motocicleta 2010 não teve grandes novidades. Para o público que curte motocicletas de todas as épocas, valeu pela completa exposição de motocicletas que realmente estava muito bonita.

Apesar de a divulgação do evento informar que o Salão da Motocicleta superou as expectativas, Motonline tinha a expectativa de que se repetisse nesta segunda edição o que aconteceu na primeira, em 2008. Há dois anos, o Salão da Motocicleta teve a presença institucional de quase todas as marcas. É verdade que o público lamentou muito a ausência das duas maiores – Honda e Yamaha, mas o retorno oficial da Kawasaki ao Brasil e a presença de várias outras empresas que mostraram novos modelos de motocicletas, acessórios, motopeças e equipamentos, deu sustentação e brilho ao evento.

Desta vez, o espaço mais generoso do Pavilhão de Exposições do Anhembi ficou realmente vazio. As grandes marcas foram representadas por seus concessionários ou associação de marca. Com exceção da Kasinski, Kahena e MVK, nenhum outro fabricante montou estande. Além destes, ainda a Imocx com as marcas Ducati e Polaris também esteve.

A presença institucional ficou por conta de alguns fabricantes de peças, acessórios e equipamentos. Os organizadores, Emerson Fittipaldi em parceria com a Megacycle e a Anfamoto (Associação Nacional dos Fabricantes e Atacadistas de Motopeças), incluiu dentro do próprio pavilhão atrações que normalmente ocorrem em eventos regionais – como show de wheeling e venda de produtos com descontos expressivos.

Não é o objetivo desmerecer a iniciativa dos empreendedores. No entanto, é necessário deixar claro que este Salão da Motocicleta esteve mais próximo de uma feira de negócios para venda ao varejo do que uma exposição de novidades e tendências do setor. Talvez esteja na hora de seguir o exemplo da indústria automobilística e realizar um grande evento bienal, concentrando todas as grandes novidades do setor e dando a importância que merece toda a cadeia produtiva do segmento de motocicletas. E melhor que tudo, respeitando o consumidor.