Preparativos especiais são indispensáveis antes de viajar de moto

Segurança nunca é demais na hora de viajar de moto

A época preferida dos motociclistas para viajar chegou e nunca é demais relembrar dicas simples, mas muito importantes para manter a segurança do viajante. Acompanhe as dicas que a Honda e os especialistas do CETH (Centro Educacional de Trânsito Honda), prepararam para tornar a viagem de férias sobre duas rodas ainda mais prazerosa e tranquila.

Preparativos especiais são indispensáveis antes de viajar de moto

Preparativos especiais são indispensáveis antes de viajar de moto

O que deve ser verificado?
A primeira coisa é ter sempre a mão o Manual do Proprietário, que traz todas as informações sobre os componentes da motocicleta e as revisões necessárias antes de seguir viagem. Além disso, as concessionárias Honda oferecem, gratuitamente, a inspeção de 21 itens de qualquer motocicleta da marca. Realizada em apenas uma hora, a avaliação identifica eventuais problemas, como folgas no manete da embreagem, regulagem de corrente de transmissão e desgaste dos freios e pneus. É só entrar em contato com a concessionária mais próxima e agendar o atendimento.

Antes de curtir a viagem, também é importante estar atento à revisão dos seguintes itens:

Pneus – A calibragem deve estar de acordo com as especificações do Manual do Proprietário. Em alguns modelos, a pressão dos pneus deve ser maior caso a viagem seja realizada com garupa, compensando o peso extra sem perda de aderência. Também é importante verificar se há objetos presos nas rodas, como pregos e cacos de vidros ou se as mesmas estão com algum raio quebrado.

Lubrificação – Caso o nível do óleo esteja abaixo do indicado, é necessário preencher ou efetuar a troca, bem como substituir os filtros de óleo e de ar periodicamente. O sistema de transmissão também deve receber atenção, com a limpeza e nova lubrificação de corrente, coroa e pinhão. Aconselha-se realizar este processo também sempre que a motocicleta for usada em estradas de terra.

Freios – Cabos devem estar regulados e lubrificados. No caso dos hidráulicos, deve-se checar o nível do fluído. Se estiver abaixo do ideal pode ser sinal de desgaste excessivo das pastilhas ou de vazamento, fazendo-se necessária a inspeção imediata.

Elétrica – Verificar se todas as luzes estão funcionando perfeitamente (freios, piscas, lanterna, farol e painel) para garantir a visibilidade e segurança do motociclista e das pessoas do entorno.  O mau funcionamento da parte elétrica é considerado infração média, segundo o Código de Trânsito Brasileiro, e pode ser multado.

E não é só a motocicleta que precisa estar preparada para enfrentar as estradas. O motociclista precisa ter conhecimento sobre os equipamentos, acessórios e técnicas de pilotagem necessárias para uma viagem segura. Confira algumas dicas do gerente do CETH, José Terwak.

Acessórios – É importante verificar se o capacete está dentro do prazo de validade e, ao utilizá-lo, se certificar de que o mesmo está bem adaptado, sem folgas ou sobras, e a viseira limpa e sem riscos. Recomenda-se também o uso de roupas claras, com fácil identificação pelos outros condutores. Calças e jaquetas de material resistente são indispensáveis, assim como botas e sapatos que protejam os pés, luvas e capas de chuva.

Pilotagem – Principalmente nas estradas, onde as velocidades são mais altas, é fundamental que o motociclista se mantenha dentro do ângulo de visão dos outros motoristas, evitando os pontos em que eles não conseguem enxergar a motocicleta (ponto cego), mesmo com o retrovisor.“Na estrada é importante alertar, antecipadamente, os demais condutores sobre a intenção de manobra. Dessa forma, eles podem prever uma possível reação e evitar acidentes. Durante a pilotagem, manobras como ultrapassagens devem ser realizadas com rapidez e firmeza, sem desrespeitar os limites de velocidade. Recomenda-se ainda uma parada a cada 90 minutos para movimentar os músculos, com o objetivo de diminuir a fadiga e o cansaço gerado pelo vento.

Acredite na sinalização da rodovia – Ela pode te ajudar e garantir a sua segurança. Também é importante nunca exceder as próprias habilidades, mantendo uma velocidade compatível com o percurso e condições do trânsito. “E lembre-se, se beber, não pilote”, explica Terwak.

Seguindo todas essas orientações e respeitando o próximo, o motociclista poderá desfrutar da verdadeira sensação de liberdade de viajar sobre duas rodas.



Mário Sérgio Figueredo

Motociclista apaixonado por motos há 42 anos, começou a escrever sobre motos como hobby em um blog para tentar transmitir à nova geração a experiência acumulada durante esses tantos anos. Sua primeira moto foi a primeira fabricada no Brasil, a Yamaha RD 50.