Foto: CG 125 Today azul: novinha

Separadas no nascimento

Foto: CG 125 Today azul: novinha

Foto: CG 125 Today azul: novinha

Foi em plena quarta-feira, quente como sempre, quando nasceram duas motos iguaizinhas, nÆo fosse pela cor: uma era azul e a outra vermelha. S¢ que tomaram rumos diferentes e depois de 10.000 km cada uma tinha uma hist¢ria bem diferente para contar. A azul estava nova e nem de longe revelava a verdadeira idade. J  a vermelha estava tÆo deteriorada, que mais parecia ter 100.000 km rodados.

Uma das perguntas mais freqentes que recebemos dos leitores ‚ com rela‡Æo … durabilidade de um motor. A consulta invariavelmente ‚ assim: “gostaria de saber se tal moto ‚ dur vel ou vou gastar muito em manuten‡Æo”. E nossa resposta tamb‚m quase sempre ‚ a mesma: “s¢ depende de vocˆ!”.

Nos manuais de oficina cada pe‡a m¢vel da moto tem uma especifica‡Æo, acompanhada de uma tabela com a medida original e o limite de uso. Com isso o fabricante avisa o mecƒnico quando determinada pe‡a atingiu sua medida limite de uso e est  na hora de troc -la. Esse desgaste ‚ programado e leva em conta o uso normal. Entenda-se por normal, o respeito …s tabelas de manuten‡Æo e conserva‡Æo. No entanto alguns motociclistas insistem em continuar rodando com a moto mesmo com as pe‡as acima do limite de desgaste. Basta ver a quantidade absurda de motos que circulam soltando fuma‡a pelo escapamento. Al‚m de acelerar outros desgastes, esse descuido provoca um aumento na emissÆo de poluentes e ainda pega no bolso do motociclista, porque ‚ ¢leo saindo pelo escapamento! Atualmente a ret¡fica de um motor 125 quatro tempos nem ‚ tÆo cara, mas a multa por emissÆo acima do limite ‚ uma facada, al‚m da apreensÆo da moto!

Foto: CG 125 Today vermelha: abandonada no desmanche

Foto: CG 125 Today vermelha: abandonada no desmanche

Os t‚cnicos de todas as f bricas sÆo unƒnimes quanto … durabilidade. Quem determina a vida de uma moto ‚ essencialmente a forma de utiliza‡Æo. Nada mais! Os h bitos, a experiˆncia do motociclista conta muito para aumentar (ou reduzir) a longevidade de um motor.

O primeiro passo ‚ o amaciamento. Aquelas duas motos que nasceram juntas foram parar em mÆos de motociclistas muito diferentes. O dono da azul respeitou o per¡odo de amaciamento conforme a recomenda‡Æo do manual. J  o dono da vermelha, assim que saiu da concession ria, quis saber quanto “dava” de final!

Aquele papo de que motor amaciado “no pau” corre mais ‚ uma das grandes mentiras da mecƒnica. Ao desrespeitar os limites de rota‡Æo nos primeiros 1.000 km, o motociclista estar  roubando alguns anos de vida do seu motor. Respeitar a primeira troca de ¢leo aos 1.000 km tamb‚m ‚ fundamental.

O segundo fator que contribuiu para encurtar a durabilidade do motor ‚ desrespeitar os limites de giro. Todo motor tem um limite. Nas motos com conta-giros ‚ f cil, porque basta olhar quando come‡a a faixa vermelha. Nas motos sem conta-giros existem marca‡äes no veloc¡metro indicando a velocidade m xima nas marchas. Cada vez que o motor passa de giro a ponto de cortar a igni‡Æo ‚ como se o rel¢gio da durabilidade andasse mais depressa. E quanto mais r pido esse rel¢gio anda, menos tempo de vida tem a moto. Nesse sentido, aquela mania desagrad vel de soltar pipocos no escapamento s¢ contribuiu para o motor desgastar mais r pido e infernizar a vida de quem est  perto.

O dono da moto vermelha, por exemplo, ‚ daqueles que adoram ficar parado no farol acelerando a moto. Segundo os especialistas, acelerar a moto parada ‚ um dos fatores que mais acelera o desgaste, porque o motor aquece, o ¢leo torna-se menos eficiente e acentua o atrito.

Falando em ¢leos, o per¡odo de troca de ¢leo ‚ uma das maiores confusäes geradas na cabe‡a dos usu rios. O dono da moto azul sempre respeitou os limites de troca e uma vez por mˆs checava o n¡vel do ¢leo. J  o dono da moto vermelha s¢ lembrava que existia ¢leo a cada 4.000 km, ainda sim reclamava que “s¢ sobrou meio litro no c rter!”.

Por incr¡vel que pare‡a, muito motociclista acha que o n¡vel de ¢leo se mant‚m inalterado at‚ o momento da troca. Um leitor nos escreveu indignado porque ao chegar os 4.000 km foi trocar o ¢leo e percebeu que s¢ restava meio litro no c rter! O ¢leo, como qualquer l¡quido submetido …s altas temperaturas, tamb‚m evapora. Al‚m das perdas normais decorrentes da circula‡Æo interna. Entre um per¡odo de troca e outro o motociclista precisa verificar constantemente o n¡vel e completar, se necess rio.

Como se viu, a manuten‡Æo do motor ‚ relativamente simples. O motociclista da moto azul seguiu as recomenda‡äes descritas no manual do propriet rio e sua moto chegou aos 10.000 km com o motor zerado. J  o dono da moto vermelha, bem, pra combinar com a cor da moto ele tamb‚m ficou vermelho de raiva ao perceber uma fumacinha azul saindo pelo escapamento.

O aspecto visual diz muito sobre o tipo de dono da moto. NÆo apenas limpeza, mas sobretudo a lubrifica‡Æo. Uma moto bem conservada nÆo apresenta ferrugem, nem pe‡as soltas ou presas por arames. A lavagem ‚ um importante item de manuten‡Æo, porque nesse momento o motociclista pode dar uma geral em detalhes como folga e lubrifica‡Æo da corrente, lƒmpadas e capas das lanternas e at‚ mesmo pneus. O dono da moto azul providenciava ele mesmo a lavagem uma vez por mˆs e sempre encerrava lubrificando a corrente e polindo os metais e pl sticos. J  o dono da moto vermelha, esse nem lembra quando foi a £ltima vez que sua moto viu um sabÆo.

A moto inteira precisa de cuidados que determinarÆo sua vida saud vel. Quem mora no litoral, por exemplo, precisa ficar atento … maresia e lav -la em intervalos mais curtos. Quem mora em outras regiäes tamb‚m tem de se preocupar com a umidade, principalmente depois das lavagens. A preocupa‡Æo ‚ nÆo deixar  gua naqueles cantinhos que podem iniciar um processo de ferrugem. Para garantir a secagem eficiente, ligue a moto e mantenha funcionando por alguns minutos at‚ evaporar a  gua do escapamento. Uma dica para manter os pl sticos brilhantes por mais tempo ‚ polir com lustra m¢veis, mas cuidado, nÆo confunda com ¢leo de peroba!

Quanto mais tempo demora pra trocar uma pe‡a, maior ser  o preju¡zo no futuro. Uma simples borracha do encaixe da lateral ressecada agrava os efeitos da vibra‡Æo da pe‡a que pode at‚ rachar. Um motociclista que quiser dar boa vida … sua moto deve ficar de olho … esses sinais de desgaste e trocar a pe‡a o mais r pido poss¡vel. Quanto mais cedo trocar uma pe‡a, maior a garantia de que o estrago futuro ser  menor!

O motociclista da vermelhinha s¢ troca as pe‡as quando elas desaparecem da moto! Mas ele ter  uma surpresa a mais. Quando ambas atingiram os 10.000 km, seus respectivos donos decidiram vendˆ-las. Adivinhe quem fez o melhor neg¢cio? Sim, porque conservar a moto nÆo traz apenas a sensa‡Æo de bem estar ao olh -la diariamente, mas representa vantagem econ“mica. O pÆo duro da moto vermelha “economizou” na troca e manuten‡Æo das pe‡as, mas na hora de vender sua moto, conseguiu um pre‡o bem abaixo do mercado. J  o dono da moto azul, que INVESTIU na conserva‡Æo e manuten‡Æo, agora pode ver esse dinheiro voltar na forma de um pre‡o acima da tabela! Em qual desses dois tipos de motociclista vocˆ se identifica?