Foto: Wikipedia

Só cabe a você evitar, Leia o manual, Fidelidade da marca

Foto: Wikipedia

Foto: Wikipedia

Gostaria de saber se é normal uma moto tipo street se dar mal em pistas molhadas. Tenho uma Speed da Dafra e sempre que saio na chuva acabo caindo. Já foram 4 tombos. Ainda bem que sigo a filosofia de andar a 60 para chegar aos 90, por isto nunca me machuquei (só a moto levou uns arranhões). Sei que este modelo tem pneus de boa qualidade mas, gostaria de saber se colocar um pneu tipo on/off-road vai resolver alguma coisa. Pois faça chuva ou sol tenho que trabalhar. Também notei que a frente da moto tende a mergulhar para a frente/direita em freadas bruscas, o que também já me causou um tombo. Seria um problema de suspensão? Tem como melhorar? Obrigado gente! Antonio, 31, Belo Horizonte, MG

R: Desculpe Antonio, se cair a responsabilidade sempre é do piloto, só você poderia ter evitado, ninguém mais. Não adianta pensar que tinha razão nas leis do trânsito estando numa cama de hospital.
Independente da condição de sua moto você, como piloto tem que entender seus limites. A moto não te derruba sem avisar, aprenda a entender esses avisos. O freio é para ser usado sempre em conjunto e o da frente da moto, se não é duplo sempre torce para o lado do seu esforço. Cabe à estrutura do garfo resistir à essa torção. Mas antes disso cabe ao piloto perceber que está perto do limite do controle do veículo. Acho boa sua filosofia mas parece que não está resolvendo. Não é só andar a 60 para chegar aos 90, devemos aprender a “ler” o terreno e ficar dentro dos nossos limites, nas várias condições de visibilidade, julgamento, funcionamento do seu corpo e reflexos e assim como as condições da moto sobre o piso irregular, seja seco, molhado, lama ou areia e às vezes 60 ainda é demais e em alguns casos os 90 pode ser suficientemente seguro também. Cada caso é um caso, atenção e leitura da reação nossa e da moto em cada situação é essencial para a segurança.
Por isso não sou adepto do ABS em motocicletas. A ação do piloto em prever uma situação de risco sempre é melhor do que a ação desse dispositivo, que não permite exceder os limites de tração. O que ocorre é que como consequência, o piloto não aprende qual é a distância segura na frenagem no limite de cada tipo de terreno e assim corre o risco de ultrapassar e penetrar um ponto de impacto, sem aprender a ter iniciativa para outra opção como desviar ou provocar uma queda com menor consequência e mais segura do que ir de encontro ao impacto no obstáculo.
Analise cada um desses quatro tombos e veja como poderia ter evitado, aprenda com o erro mas não precisa cair de novo para aprender mais, a lição pode sair cara demais, ultrapassar os limites para aprender dá mais trabalho para seu anjo da guarda e não é preciso, dói.
Não altere as especificações da sua moto sem uma boa razão, os pneus e suspensão originais são adequados ao uso para que ela foi projetada, fique dentro dos limites, aprenda onde eles estão.
Ande bem equipado e boa sorte na próxima e que seu próximo tombo seja leve e distante no tempo, sem consequências..

Foto: Emilio Camanzi

Foto: Emilio Camanzi

Caro Bitenca, sou assíduo frenquentador do site Motonline, e graças a vocês a decisão de compra da minha moto ficou mais fácil, mas vamos lá, adquire uma Honert 2009 e fiquei surpreso ao verificar que no manual existe uma advertência para utilização somente de gasolina comum, sobe risco de ineficiência do catalizador, como leigo no assunto, acredito que essa moto tenha uma avançado sistema de injeção e demais componetes de primeira qualidade, isto posto, como pode a utilização de gasolina aditivada, mais moderna no meu ponto de vista, danificar ou tornar ineficiente esses equipamentos? Marcelo, 43, Brasília, DF

R: Marcelo, a fábrica quando escreve no manual uma orientação leva em conta várias situações em que foi colocado o modelo em teste de pré série. As conclusões desses testes incluem avaliações do combustível à disposição nos grandes centros. Provavelmente foi encontrado algum aditivo numa gasolina que contaminou o catalisador. Uma reação química acontece lá que diminui a toxicidade dos gases emitidos e por certo a fábrica encontrando um composto que contamina esse equipamento recomenda evitar esse combustível. Com certeza há motos com dificuldade de passar nos testes de emissões, por não observar a recomendação. A garantia da fábrica se reserva do direito de não fazer uma troca do catalizador se verificar essa contaminação. Vale a pena seguir a orientação.
Abraços,

Olá, gostaria de comentar a informação do Bitenca que a MT03 tem vendido mal. Eu tenho uma Fazer 250 e já fui duas vezes na concessionária Yamaha mais próxima da minha casa, uma vez para ver a MT03 e na outra quando fui trocar o óleo da Fazer e matei o tempo vendo as motos 0km, nas duas ocasiões a situação foi a mesma, fui muitíssimo bem atendido, recebi atenção até demais, até que eu perguntei.. “Eu tenho uma Fazer 250, vocês pegam usada na troca?” e imediatamente passei a ser tratado como um bandido… o vendedor engrossou a voz na hora e disse que era melhor eu vender pra particular porquê se eles pegassem era por 20% abaixo da tabela e mesmo assim não estavam pegando… a vendedora na segunda ocasião me deixou falando sozinho… assim não vende mesmo, deste jeito a Yamaha vai ter muitos problemas pra vender, e olhe que não sou o primeiro que reclama disto, não sei se com as outras marcas é assim, mas minha experiência foi esta, pra quem quizer conferir, a concessionária é a All Motos da Av. Francisco Morato. Abraços, Douglas, 42, São Paulo, SP

R: Douglas é comum essa dificuldade. As concessionárias, em geral não podem vender usadas de outras marcas e por isso há um mercado paralelo entre elas que desvaloriza o produto. Uma revenda Honda, para pegar uma Yamaha usada numa troca vai ter dificuldade para revender, e vice versa. As maiores redes tem lojas associadas ou do mesmo grupo para fazer o repasse sem custo a uma loja multi-marca de usadas. As grandes redes contam com essa facilidade e você pode observar que em alguns casos você vai ser mais bem atendido do que em outros. Vale a pena andar um pouco. Abraços.

Recentemente adquiri uma GS500, 08/09, com aproximadamente 3.000km. A moto está andando normal, boa aceleração, porém, ao tentar sair da garagem do prédio da minha namorada, a moto não aguentou subir a rampa, que no caso não é tão inclinada e nem tão comprida. No momento estava eu e minha namorada sobre a moto, parei a moto no “pé” da rampa, acelerei controlando a embreagem e o acelerador e a moto não aguentou subir, sendo que minha ex-Twister subia numa boa. O que pode ser? Desde já… obrigado Danilo, 22, Umuarama, PR

R: Me parece um problema de pilotagem Danilo, como a moto é mais pesada você precisa ter a massa em movimento para superar o obstáculo. Arranque um pouco antes e entre na rampa com um pouco mais de velocidade, adequada à manobra mas não devagar demais pois se forçar a embreagem ela pode sofrer se o motor for acelerado demais provocando um deslizamento demorado. Com um pouco de prática a manobra fica fácil. Boa sorte,