TriumphTigerSport_6

Teste Triumph Tiger Sport

De todas as motos da família Tiger, essa que recebeu o apelido de “Tapete Mágico” é única. O apelido remete claramente à sua característica marcante: uma moto realmente dócil e muito segura para uso nas estradas (preferencialmente sinuosas) e sem se importar se estão piloto e garupa ou só o piloto. Ela nem liga e mantém seu comportamento exemplar em qualquer condição, como se nada mudasse.

Tiger 1050 repaginada

Ela foi descontinuada em 2009 e deixou tristes muitos motociclistas apaixonados por essa moto. Aquela que se foi como Tiger 1050 agora retorna como Tiger Sport e junto com o novo nome vieram muitas outras coisas novas: nova balança monobraço no estilo da Speed Triple, mas com dimensões próprias para as características do modelo, novo design na frente e nas laterais e um novo escapamento em aço inox. Na verdade a moto recebeu uma completa atualização técnica e estética, que a coloca como uma das mais competentes sport-touring, com a vantagem da ciclística aventureira herdada das Tiger mais voltadas ao on-off-road.

O tapete mágico

O tapete mágico

Avaliamos a moto no seu uso mais adequado: cerca de 1000 km em boas e sinuosas estradas, com garupa e pequena bagagem. Assim, colocado no papel até parece muito, mas foi mesmo uma brincadeira de “gente grande”. Difícil encontrar algo para dizer que precisa melhorar nesta condição. Mesmo em trechos com asfalto um pouco mais irregular ela responde positivamente, com boa capacidade de copiar os contornos do piso e manter a moto no prumo, sem qualquer influência na condução. Realmente a moto tem um excelente acerto de suspensões, com destaque ainda aos bons pneus Pirelli Angel, que admitem tranquilidade ao estilo bem comportado e esportivo.

Estrada é o habitat natural da Tiger Sport

Estrada é o habitat natural da Tiger Sport

Estilo renovado

A frente ganhou um aspecto mais atual, com dois faróis alongados, um largo para brisa que protege bem piloto e garupa das intempéries e o grande tanque promete garante autonomia de 300 km com um tanque. Na avaliação estradeira rodamos 1.068 km com 53,8 litros, média de 19,8 km/l, mesmo andando no limite da velocidade admitida na rodovia (120 km/h) ou mesmo em alguns trechos andando um pouco acima disto quando houve necessidade de ultrapassagens. De fato uma boa autonomia e média de consumo acima da média na categoria.

Nova frente e nova balança traseira monobraço são as maiores inovações

Nova frente e nova balança traseira monobraço são as maiores inovações

Conforto de Touring

O banco provê bom alcance para as pernas mesmo aos pilotos mais baixinhos, com bom contorno para abraçar o tanque com as pernas e um ótimo conforto e acabamento, com costuras em fio vermelho que se mostram como um detalhe decorativo. Ao garupa as grandes alças fornecem bom apoio, oferecendo ainda espaço suficiente para amarração de bagagens não originais, como foi o caso da nossa viagem. A proposta da Tiger Sport é ser uma moto com estilo bigtrail, mas apropriada ao turismo e mesmo a um uso diário. Algo bem no estilo das Honda NC 750X e CB 500X, além da Kawasaki Versys 1000.

A Tiger Sport na estrada está em casa

A Tiger Sport na estrada se sente em casa

Moto perfeita de curvas

Moto perfeita de curvas, inspira mais confiança que o modelo anterior

Motor

Não se exagera em peso (235 kg pronta para uso), mas a performance é de dar inveja a muitas esportivas. Seu motor de três cilindros e 1050 cc produz 125 cv entregues em uma faixa de giro extremamente amigável. O torque de 10,6 kgf.m está disponível desde as mais baixas rotações e você pode dispor dele em qualquer faixa de aceleração, numa curva muito plana, sem sobressaltos. Se a opção for por uma tocada bem comportada, disponha dos cavalos e do torque como quiser e em qualquer situação. Mas se a pedida for esportividade, disponha também, mas há que se ter bom controle sobre o acelerador porque na hora em que se abrem as borboletas, o motor empurra com vigor e não há controle de tração. Portanto, cuidado é fundamental, pois esta moto exige um bom piloto.

Escapamento 3 em 1 em aço inoxidável escovado

Escapamento 3 em 1 em aço inoxidável escovado

Painel traz informações importantes e nada irrelevantes - um botão no punho permite o acesso

Painel traz informações importantes e nada irrelevantes – um botão no punho permite o acesso

Equipamentos

Todos os equipamentos estão em ótimo nível, como por exemplo os freios Nissin afixados radialmente na frente, com ABS de resposta rápida que não interfere nos comandos. No painel digital há muitas funções relevantes, como autonomia em km, média de consumo, consumo instantâneo, entre outras. Faltou só um indicador de marchas, coisa que talvez para um inglês seja irrelevante pois ele deve achar que você deveria saber em que marcha está.

Suspensão com a nova balança monobraço mostrou-se competente e bonita

Suspensão com a nova balança monobraço mostrou-se competente e bonita

A suspensão destaca-se nesse conjunto pelo conforto que oferece. Amortecimento em alta e baixa velocidades dá a impressão de que ao pilotar mais agressivamente a estabilidade estará comprometida, o piloto imagina que teria que fazer uma regulagem mais dura na suspensão para responder adequadamente. Porém isso não acontece, porque as duas fases de amortecimento atuam nos momentos distintos. Baixa e alta velocidades no amortecimento hidráulico, permite conforto sem comprometer estabilidade, quando necessário. A moto é macia nas oscilações lentas e dura nas batidas fortes da suspensão, como nas melhores motos esportivas.

Freios potentes Nissin tem pinças afixadas radialmente e discos de 320 mm de diâmetro

Freios potentes Nissin tem pinças afixadas radialmente e discos de 320 mm de diâmetro

Os freios duplos na frente com grande diâmetro cumprem um papel preponderante nas frenagens. Potentes pinças de quatro pistões são afixadas pelo sistema radial que minimiza as flexões prejudiciais na parte baixa das bengalas. Assim, não há perda na pressão das pinças sobre os discos e a frenagem é mais eficiente. Na traseira, o belo disco logo atrás da coroa da transmissão, complementa o grande poder de frenagem, e as linhas hidraulicas passam por flexíveis de malha de aço para transportar com melhor sensibilidade a modulação dos freios.  Assim, fica facilitada bastante a atuação do ABS.

Geometria da Tiger Sport

Geometria da Tiger Sport está um pouco mais para retas do que a versão antiga, por causa do entre eixos 30mm maior

Arrefecimento com dois radiadores, água e óleo garantem bom controle de temparatura de trabalho

Arrefecimento com dois radiadores, água e óleo garantem bom controle de temparatura de trabalho

Ciclística

Para combinar tudo de forma coesa e prover uma ciclística coerente com as características da moto, o chassi em alumínio oferece muita rigidez, e o sub chassi traseiro, de estrutura tubular permite uma construção bastante resistente nesse setor. A geometria, quase a mesma da versão anterior, recebeu 30mm a mais na distância entre eixos para uma melhor estabilidade nas retas e superação de obstáculos. Não perdeu nada nas curvas, uma leve redução do trail compensa em teoria. Na prática se observa a mesma confiança e estabilidade, tanto em retas quanto em curvas, com o destaque da suspensão com atuação do amortecimento em duas velocidades para grande conforto, sem perder em esportividade.

A Triumph Tiger Sport voltou com novo nome e com modificações que reforçaram a sua imagem e performance. Mais potência, mais estilo, mais estabilidade – E não é que a anterior não tivesse tudo isso. Mas agora essa moto entrega mais, a um valor bastante coerente: a tabela FIPE de outubro/2015 oferece a Triumph Tiger Sport por R$45.990,00

Se você tem uma Triumph Tiger Sport, opine sobre ela!
Acesse agora mesmo: Guia de Motos – Motonline

 

 



Pioneiro no Motocross e no off-road com motos no Brasil, fundou em 1985 o TCP (Trail Clube Paulista). Desbravou trilhas em torno da capital paulista enquanto testava motos para revistas especializadas.