Um brinquedo sério chamado PicoRover

Um brinquedo sério chamado PicoRover

Um brinquedo sério chamado PicoRover

A Google instituiu o prêmio Google Lunar X Prize, para os estudantes que conseguirem fazer um minirobô que ande um mínimo de 500 metros pela superfície lunar e transmita vídeos, imagens e dados de volta à Terra. O prêmio é de nada menos de US$ 30 milhões.

Um grupo de estudantes da escola de tecnologia de Castelldefels (ESPC) da Universidade Politécnica de Catalunya (UPC), de Barcelona, ESpanha, projetou uma roda a que deu o nome de PicoRover – Pico porque é pequenino e pesa menos de 1 kg, Rover porque é um explorador lunar. O professor Joshua Martinez lidera o grupo de alunos que recebeu o nome de FREDNET, que por sua vez é liderado pelo programador americano Fred J. Bourgeois. O grupo todo reúne 500 pessoas de 64 países, cujo sonho conjunto é colocar o pequeno veículo na Lua. Eles dizem ser os primeiros e únicos competidores de ‘fonte aberta’ para o Google Lunar X-PRIZE. Sendo assim, os participantes recebem todo tipo de desenhos diferentes para o PicoRover, que são testados e avaliados.

Os envolvidos no projeto garantem que o PicoRover pode trabalhar sozinho ou em grupo, comunicando entre si através de uma rede de rádio – e que, se isso acontecer, será a primeira rede de sensores a operar na superfície da Lua.

O minirrobô tem a forma de uma esfera, o que lhe permite trafegar pela superfície irregular de rochas e cinzas, e sob a baixa gravidade da Lua. A esfera é capaz de proteger seus componentes internos das altíssimas temperaturas lunares e de vencer aclives de até 30 graus. O grupo da ESPC está fazendo vários protótipos, tentando chegar a um robô totalmente autônomo capaz de andar ou parar conforme necessário.

O controlador do PicoRover é um minicomputador que pesa apenas 2 gramas e é equipado com Wi-Fi. Para enviar as imagens de volta à Terra, tem uma câmera 353 de alta definição feita pela Elphel, uma das empresas que patrocina os estudantes, e que está ajudando no desenvolvimento das antenas para envio das imagens. Uma janela hemisférica protege a câmera, que se mantém horizontal independente da posição do contrapeso – que em testes numa praia perto de Barcelona demonstrou que o PicoRover é capaz de se manter ereto num desnível de 33 graus

A esfera mede 12 cm de diâmetro, dentro da qual estão um motor elétrico, uma bateria, um sistema de controle remoto e a câmera de alta definição. O conjunto todo pesa menos de 250 g e é feito, como a maioria dos projetos estudantis, de materiais baratos e facilmente encontráveis: folhas de alumínio, lâmpadas e fios de aço. Um mecanismo de baixíssimo peso (como tudo nele), com um motor elétrico dotado de contrapeso e uma coroa cria um efeito gorducho que permite que a esfera gire numa determinada direção sem o uso de rodas.


José Luiz Vieira, Diretor, engenheiro automotivo e jornalista. Foi editor do caderno de veículos do jornal O Estado de S. Paulo; dirigiu durante oito anos a revista Motor3, atuou como consultor de empresas como a Translor e Scania. É editor do site: www.techtalk.com.br e www.classiccars.com.br; diretor de redação da revista Carga & Transporte.