Um problema na garupa

Na semana de 27 de junho os meios de comunica‡Æo de SÆo Paulo e at‚ o Fant stico, da Rede Globo, alertou para um problema tipicamente paulistano: os furtos, assaltos e roubos praticados por gangues de motociclistas. Em um £nico final de semana 30 pessoas foram v¡timas deste tipo de a‡Æo, todos concentrados na regiÆo sul da cidade. No domingo (27) cinco integrantes da quadrilha foram presos.

No Fant stico, a reportagem revelou duas formas de a‡Æo: o garupa aborda pessoas distra¡das nas ruas e arranca a bolsa a pasta; ou entÆo fazem vig¡lia no aeroporto de Congonhas … espera de passageiros com note book, j¢ias ou celular, perseguindo a v¡tima e fazendo a abordagem no meio do trƒnsito. A reportagem entrevistou o jogador colombiano Rinc¢n dizendo que em seu pa¡s ‚ proibido levar garupa, mas ele esqueceu de dizer que l  tamb‚m ‚ proibido – vocˆ leu direito, PROIBIDO – usar capacete em algumas cidades para nÆo esconder o rosto do motociclista. A guerra do narcotr fico produz um n£mero elevado de atentados feitos por motociclistas atiradores.

No mˆs de setembro a pol¡cia parece que acordou! V rias blitze foram organizadas em SÆo Paulo, inclusive nas avenidas mais movimentadas. E os policiais continuam meigos como carcereiros em dia de rebeliÆo: apontam armas para a minha cabe‡a, passam a mÆo pelo meu corpinho e depois nem se dÆo ao trabalho de pedir desculpas. Sinto como se vivesse em permanente estado de s¡tio, em uma republiqueta sulamericana de regime militarizado: “mÆo na cabe‡a”, “abre as pernas”. “o que tem na mochila?”. J  pensou que legal se a gente pudesse entrar no gabinete de um vereador, de arma em punho e gritasse: “mÆo na cabe‡a”, “abra a mem¢ria do seu computador”, “Cadˆ seus extratos banc rios e os de sua fam¡lia?”, “me mostre seu cartÆo de ponto!”.

O maior medo ‚ que uma hora destas um vereadorzinho cheio de prepotˆncia tenha a genial id‚ia de proibir as motos de trafegarem com garupa. J  li artigos alegando que isso j  acontece em pa¡ses desenvolvidos como JapÆo, em um caso claro de miopia geogr fica ao confundir o JapÆo com o Brasil. T¢quio nÆo ‚ SÆo Paulo, que nÆo ‚ Bogot , nem La Paz, nem El Salvador e muito menos o Haiti.

Caso o Rinc¢n nÆo tenha percebido, os seqestros sÆo cometidos por pessoas que dirigem autom¢veis, portanto vamos proibir de levar passageiros nos autom¢veis. Dentro dos “nibus os passageiros sÆo assaltados por ladräes que chegam e partem a p‚. Na visÆo rinconiana, dever¡amos proibir tamb‚m os pedestres.

Esta burrice generalizada que se espalha como piada velha na internet ecoa em ouvidos de pol¡ticos que estÆo loucos para eliminar as motos da face da Terra e um dia acaba virando lei (como o tal colete refletivo). Ali s, os mesmo pol¡ticos que permitiram que as grandes cidades se transformassem em terra de ningu‚m, com assaltos dentro de “nibus, nos sem foros e, evidentemente, a partir da garupa das motos.