Foto: Que d£vida: qual escolher?

Vou mudar de ramo

Foto: Que d£vida: qual escolher?

Foto: Que d£vida: qual escolher?

Amigos Motonliners, cansei! Depois de ser assaltado a mÆo armada pela segunda vez cansei de ser jornalista, motociclista e de defender os motociclistas. Na noite de quarta-feira estava voltando para casa com uma moto de teste de um fabricante nacional quando quatro elementos em duas motos emparelharam e apresentaram suas credenciais: duas pistolas autom ticas dessas cromadas, lindas e reluzentes. Levaram a moto (que tinha seguro), meu capacete que mais gostava (italiano, car¡ssimo), minha mochila com a capa de chuva e um cartÆo de mem¢ria com uma semana de trabalho fotogr fico e tamb‚m levaram minha dignidade. Foi a segunda vez que me renderam a mÆo armada para roubar uma moto que nÆo era minha.

Depois de ter duas aulas – verdadeiros workshops – de assalto muito bem praticados decidi mudar de ramo. J  que o prefeito da minha cidade considera todos os motociclistas iguais, desde esses que assaltam, at‚ os que tˆm moto pode lazer ou transporte, resolvi mudar de atividade.

Vou investir R$ 200,00 na compra de um trˆs-oitÆo – ilegal, ‚ claro – e anotar esse investimento em meu livro-caixa. Depois, ficarei de campana sob o viaduto onde fui assaltado duas vezes … espera de um motociclista com uma moto bacana. Farei a abordagem de forma cl¡nica como aprendi nos meus dois cursos e desaparecer com a moto. Logo em seguida procurarei um receptador, o que ‚ uma tarefa f cil, pois basta encostar em uma das favelas de SÆo Paulo e oferecer a moto, ou, se quiser algo mais “clean” posso anunciar na Internet em sites de classificados de qualquer coisa ou mesmo pelo Orkut. Como o mercado ‚ livre nestes sites, nÆo terei necessidade de me identificar nem nada, afinal j  vi v rios an£ncios de carros e motos “NP” (uma forma elegante de estelionato) nesses classificados.

Digamos que consiga R$ 1.000 na venda de uma moto roubada. J  entrevistei ladräes que vendem uma CG roubada por R$ 200,00, mas moto grande conseguem at‚ “um barÆo”. No meu livro-caixa vou registrar uma receita de R$ 1.000 o que projeta um lucro de R$ 800,00.

O passo seguinte ser  procurar um bom e confi vel traficante de drogas (tem muitos em SÆo Paulo) e comprar R$ 800,00 em coca¡na. Pela minha apura‡Æo, no mercado atual o grama de coca¡na est  na faixa de R$ 12,00 na compra e R$ 25,00 na venda. Para conseguir um lucro terei de negociar muito bem essa compra para que meus 66 gramas revertam em uma maior margem de lucro. Se conseguir vendˆ-los a R$ 23,00 (pra conquistar clientela), farei R$ 1.533,00 em pouco tempo. Com sorte, em uma noite eu consigo mais R$ 733,00 de lucro. Meu neg¢cio estar  prosperando.

Com esses R$ 1.533,00 eu farei uma pequena diversifica‡Æo nos neg¢cios. Se procurar bem e souber negociar vou conseguir a m¡dia digital para DVD por R$ 0,80 a unidade. Comprarei 1.000 unidades de DVD o que me custaria R$ 800,00. Farei algumas c¢pias de filmes mais consagrados e distribuirei aos camel“s por R$ 5,0 a unidade e eles revenderÆo a R$ 10,00. Numa conta r pida, os R$ 800 investidos se converterÆo em R$ 5.000,00 e ainda terei os R$ 733,00 para continuar no ramo da coca¡na.

Pelos meus c lculos, em um mˆs de bons servi‡os poderei ter acumulado algo perto de R$ 33.489,00, limpo, livre de impostos, o que pode projetar um faturamento anual de R$ 400.000! Tudo isso com um investimento inicial de apenas R$ 200,00! Essa ‚ uma proje‡Æo muito simples e modesta, pois a cada receita os investimentos serÆo maiores, o que certamente resultar  tamb‚m em lucros maiores. Al‚m disso, precisarei fazer uma esp‚cie de previdˆncia privada, separando uma parte dos meus emolumentos para algumas aplica‡äes como “ajuda de custo … associa‡Æo de fiscaliza‡Æo” (popular propina); “taxa de funcionamento em ambiente livre” (a propina dos camel“s) e “seguro h beas corpus” (a propina em caso de prisÆo em flagrante).

Pelo que apurei do patrim“nio de um grande comerciante desta  rea recentemente preso, o tal Abadia, s¢ uma de suas casas em Florian¢polis foi leiloada por R$ 2 milhäes. E tinha mais outras seis, al‚m de carros, barcos, jet-skis etc.

Digamos que nesse meu novo ramo de neg¢cio, venha a ter algum problema com os homens da lei. Eventualmente posso ser preso durante uma das minhas entregas de mercadoria, ou mesmo ser delatado. Como aprendi com meus professores nos dois assaltos que sofri, o tempo de carceragem nÆo passa de seis meses para um crime tÆo banal como porte ilegal de arma, assalto a mÆo armada ou com‚rcio de drogas. Claro que imediatamente uma legiÆo de advogados e policiais me escreverÆo afirmando que as penas sÆo mais severas. Como se explica entÆo que a maioria dos assassinos e assaltantes pegos com a mÆo na massa sempre tˆm “passagem pela pol¡cia”? Como se explica que um sujeito que enfia uma pistola no meu nariz numa noite, depois de seis meses j  esteja roubando de novo?

A resposta deve estar num sistema judici rio aben‡oado para os criminosos que, com seus in£meros artigos, incisos, par grafos, data vˆnias e salamaleques consegue libertar um desgra‡ado que assalta a mÆo armada ou vende droga em menos de seis meses. Sempre sob a alega‡Æo de que existem crimes mais importantes para serem julgados. NÆo consigo imaginar um crime mais hediondo do que submeter um cidadÆo … mira de uma arma de fogo. S¢ se a Justi‡a tem uma fila de esquartejadores de criancinhas na frente!

No meu novo ramo de atua‡Æo poderei ser equiparado, sempre aos olhos da prefeitura de SÆo Paulo, aos grandes comerciantes e empres rios. Se todo motociclista ‚ igual, entÆo todo mundo que trabalha no com‚rcio tamb‚m ‚ igual! NÆo ‚? O dono de uma grande rede de supermercados compra e vende mercadorias com uma margem de lucro. O camel“ que compra e vende CDs e DVDs piratas tamb‚m faz com‚rcio.

Na mesma linha de racioc¡nio, o funcion rio p£blico que abastece seu carro e pede nota acima do valor est  cometendo o mesmo crime que um ladrÆo p‚-de-chinelo que bate a carteira dentro do “nibus. E j  que estamos na era da isonomia (ou generaliza‡Æo, como queiram), o pol¡tico que sobe no palanque e promete permanecer at‚ o final do mandato e depois larga a cadeira para virar governador nÆo passa de um estelionat rio eleitoral. O Serra roubou minha cren‡a no homem pol¡tico ao abandonar o barco e deixar em seu lugar um desequilibrado sem o menor passado pol¡tico digno do cargo. Duvido que esse Kassab antes de ser al‡ado ao cargo de prefeito tenha conquistado algum cargo eletivo. Acho que nem pra s¡ndico de condom¡nio!

Como bem escreveu nosso colega Andr‚ Garcia, em seu longo manifesto contra a avalanche de paulada em cima dos motociclistas, “sou motociclista sim, mas antes de tudo sou cidadÆo: pago impostos e consumo produtos e servi‡os que geram impostos”. Se a seguran‡a ‚ um servi‡o mantido com essa carga tribut ria e se esse servi‡o nÆo ‚ minimamente competente est  na hora de trocar o servidor!

Partidos pol¡ticos e candidatos: me aguardem na pr¢xima elei‡Æo! Ah, e o que vocˆs me aconselham? Um rev¢lver calibre 38 ou uma pistola autom tica 9 mm? Preciso iniciar logo minha nova empresa.