ICF_9522

Test Ride KTM 250 EXC-F e KTM 350 EXC-F

Dois nomes mas praticamente é uma moto só, muda apenas o motor. Então, se você quiser uma moto de enduro, seja para competir ou para curtir uma trilha no fim de semana, você pode escolher a moto básica com o tempero de motor que mais lhe apeteça.

Na pista da Sacramento fizemos o test ride da KTM 250 ECX-F e da KTM 350 ECX-F

Na pista da Sacramento,  fizemos o test ride das duas KTM ECX-F  – a 250 e a 350

A 250 vai ter a dirigibilidade mágica, pela qual a marca KTM é tão conhecida com um motor forte e fácil de conduzir e um peso mínimo. Na 350 a KTM adicionou pimenta no tempero do motor. Mais força em baixa rotação para lidar melhor nos trechos apertados e uma alta de fazer inveja a muitas 450 por ai.

Lançadas no mercado mundial em 2014 chega ao Brasil agora, fabricadas em Manaus

Lançadas no mercado mundial em 2014 chegam ao Brasil agora, fabricadas em Manaus

No último dia 10 de Abril o Motonline foi, a convite da KTM BR, ao Test Ride das duas motos lançadas no mercado internacional em 2014 e que agora são montadas em Manaus para serem vendidas no mercado brasileiro. São as KTM 250 EXC-F e a KTM 350 EXC-F.

A KTM 250 EXC-F é uma moto de Enduro com vários ítens interessantes, como a partida elétrica que adiciona rapidez e facilidade nas partidas sem adicionar muito peso incômodo.


O test ride foi na pista em Itupeva, próxima da loja da Sacramento, no shopping Serra Azul. Andamos pouco mas já deu para perceber as qualidades da moto. Ela é muito leve e com ótima ergonomia. O posicionamento lhe permite colocar o corpo em todas as posições para a “linguagem corporal” do off-road. Banco bastante confortável e pedaleiras bem posicionadas para a melhor centralização do peso do piloto e controle da moto.

Test ride rápido mas bem ilustrativo

Test ride rápido mas bem ilustrativo – A moto 250 é muito na mão e não falta motor. Mas se quiser mais pegue a 350

A suspensão WP tem ampla gama de regulagens e para nós estava na posição standard que para o meu peso se mostrou muito acertada. Nada a fazer, pelo menos enquanto o piloto não se adapte bastante ao conjunto para então, entender como algum movimento nos ajustes da suspensão possa melhorar alguma outra situação. Não tivemos esse tempo.

Motor compacto, simples e potente tem as carcaças reforçadas mas sem adição de peso

Motor compacto, simples e potente tem as carcaças reforçadas mas sem adição de peso

O motor da 250 se mostra bastante elástico, com muita potência em alta rotação. Ainda assim há baixa para se movimentar em trilhas apertadas, então há muita facilidade em conduzir. Para essa condição, o baixo peso, pouca vibração, concentração de massas e suspensão igual às melhores do mundo se aliam à geometria rápida desse chassi super bem estruturado. Não provoca sustos em nenhuma situação inesperada, mas exige uma pilotagem relaxada e bem concentrada. As coisas acontecem rápido e responder bem, a cada momento é a única exigência que a moto faz. Mas se errar, ela ainda dá uma boa chance de se recuperar, o motor é bem elástico e a suspensão absorve de forma excelente os impactos, mantendo sempre as rodas tracionadas.

Mas é na alta que o motor de fato aparece, com toda sua força. Lembra bastante uma dois tempos e apenas no freio motor é que você percebe maiores características de uma 4t de enduro.
O motor da 350 tem a mesma mesma característica de torque, quanto a sua linearidade mas tem muito mais torque e é bem mais potente, chegando a 45Hp e de fato, parece uma 450. Nada ficando a dever, pelo baixo peso e pela aceleração que o motor maior oferece.

Eixo balanceador não é só para conforto, toca a bomba d' água e comandos de válvulas

Eixo balanceador não é só para conforto, toca a bomba d’ água e comandos de válvulas

Mimos como eixo balanceiro serve para diminuir a vibração e também para deixar o motor mais compacto, porque adicionando um eixo a mais, os engenheiros tiveram um ponto ideal para mover a bomba d´água e comando de válvulas. Detalhes de como se fixa o pedal de câmbio mostra uma idéia implementada pelo espírito “ready to Race”. O parafuso não trava sobre as estrias, abraçando o eixo. Isso pode deformá-las e provocar um desgaste que acaba por inutilizar o eixo. Facilitar a manutenção dando segurança nas intervenções é valorizar as práticas envolvidas nas competições.

Outro detalhe importante para o piloto é a embreagem com acionamento hidráulico Brembo.

O sistema de mola da embreagem é um disco, DDS Chamado Damped Diafragm Steel (Aço diafragma amortecido) é mais compacto

O sistema de mola da embreagem é um disco, DDS chamado “Damped Diafragm Steel” (Aço diafragma amortecido) é mais compacto que as molas convencionais

Sabe-se que com a variação de temperatura, motos com acionamento mecânico de embreagem podem ter o acionamento irregular, em algumas situações pode fazer com que se cale o motor por uma mudança súbita da posição de deslize da alavanca de embreagem. No sistema hidráulico essa variação não existe, a alavanca mantém o ponto constante para o deslizamento e o resultado é mais confiança, constância e consistência na pilotagem.

Amortecedor PSD da WP faz muita diferença e ainda se dispensa o link, para simplificar e diminuir peso

Amortecedor PDS da WP faz muita diferença e ainda se dispensa o link, para simplificar e diminuir peso

A suspensão traseira, tem amortecedor PDS da WP e seu set-up é otimizado para uso em Enduro, com 335 mm de curso  e controle de movimentos em alta e baixa velocidade na ação de amortecimento. Macia e progressiva, ela mantém a roda traseira tracionada em todas as situações. Subidas em aceleração total e descidas lisas, controlando nos freios ultra sensíveis que falaremos mais adiante.
O fato é que desde há muito tempo a KTM é a única fábrica a conseguir bom desempenho nos seus modelos de motos sem link. A conexão direta do amortecedor na parte superior da balança de alumínio fundido, proporciona leveza e por causa da qualidade dos componentes, amortecedor e mola, não há prejuízo na sua ação. Isso pudemos comprovar.

Garfo WP de 300 mm de curso tem as mesas especialmente fabricada para esse modelo, de Enduro

Garfo WP de 300 mm de curso tem as mesas especialmente fabricadas para esse modelo de Enduro

Na frente, as mesas são especiais para o modelo Enduro. Oferece um off-set de apenas 20mm, para mais precisão nas movimentações rápidas. O ângulo de Rake é medido pelo fabricante a partir da linha horizontal e é determinado em 63,5° (resulta 26,5° da vertical)  e conforme se ajusta o SAG traseiro, o trail varia para maior estabilidade em retas ou maior rapidez nas transições em curvas.
O garfo é composto por bengalas WP 4860 MXMA PA com 300 mm de curso e uma progressividade impressionante. Não mergulha nas frenagens e ainda assim oferece conforto e controle nas piores condições e velocidades. O set-up standard da suspensão, tanto da dianteira como da traseira, se mostraram bem acertados para meu peso, de 83 Kg nas duas motos. Na 350 a impressão ficou como sendo um pouco mais dura, talvez porque ela tinha menos horas de uso.

Freio traseiro - simples e eficaz

Freio traseiro – simples e eficaz

Os freios Brembo são de uma precisão ímpar, com sensibilidade e progressividade também impressionantes. Pouca pressão eles necessitam e oferecem grande progressividade. Na traseira, o disco tem 220mm com pinça simples flutuante e na frente o disco é de 260 mm também com pinça flutuante mas pistões duplos.  Na 250 pudemos experimentá-los em sua plenitude e simplesmente impressionaram pelo controle e rapidez de respostas. Mas na 350 estava o pedal traseiro muito alto e por isso ficou travando facilmente, tornando difícil a modulação, o posicionamento da bota estava complicado para manter o apoio e ainda controlar o freio. Porém, era claramente uma falta de ajuste na altura do pedal.

A distância entre eixos é 1.482 mm e a altura livre do solo fica em 345 mm sem carga. O peso líquido é 105,5 Kg para a 250 e é 107,2 Kg para a 350. A altura do banco se mostrou confortável para minha estatura média, de 1,73cm.

Essas duas já estão consagradas nas competições ao redor do mundo como duas das melhores motos especiais de Enduro, e o fato de estarem disponíveis no mercado brasileiro, feitas em Manaus, é um claro sinal do empenho da marca, que junto com a Dafra dá sinais de que acreditam que as vendas serão boas. Parece que a popularidade do esporte vai aumentar, com mais esses dois modelos. Mas ainda tem mais, a 300 cc dois tempos parece que chega logo também, vamos ver.

ficha-tecnica

>




Avatar

Pioneiro no Motocross e no off-road com motos no Brasil, fundou em 1985 o TCP (Trail Clube Paulista). Desbravou trilhas em torno da capital paulista enquanto testava motos para revistas especializadas.