Eu, fazendo mais um teste/avaliação de produto

A motocicleta está cada vez mais feminina

Reportagem publicada no Blog da Suzane Carvalho por ela mesma


Babi Paz é advogada, piloto, chefe de equipe, dona de loja e mãe

Babi Paz é advogada, piloto, chefe de equipe, dona de loja e mãe

Que as linhas e curvas de uma mulher e de uma motocicleta se completam ninguém nunca duvidou. Mas se antes essa ligação era apenas estética, tornou-se vital.  Tanto para as proprietárias dos veículos de duas rodas quanto para a indústria.

Priscila Santos na Av. Paulista. A personal trainer de 27 anos diz que não seria possível cumprir a agenda se não fosse a moto

Priscila Santos na Av. Paulista. A personal trainer de 27 anos diz que não seria possível cumprir a agenda se não fosse a moto

A agilidade e concorrência de nossos dias não permite que uma pessoa produtiva perca diversas horas por dia presa no tráfego. Logo, a saída encontrada por muitas mulheres está no veículo de duas rodas. Não apenas para ir à academia ou ao mercado, mas para pular de um trabalho ao outro a tempo de cumprir todas as tarefas diárias.

No mercado de trabalho ou no esporte, as mulheres se mostram cada vez mais competitivas. Mas mais do que uma maneira de se impor ou de lazer, a motocicleta muitas vezes é o próprio trabalho. Kelly Cris, 32, anda de moto desde os 13.  Tem uma empresa de serviços de motofrete com outros dois motociclistas.

Há seis anos nas ruas como motogirl, trabalha das 8 às 18 horas e nunca sofreu um acidente. Tem uma moto para o trabalho e outra para o lazer. “Passo o final de semana lavando moto, montando moto, minha vida é isso!”

Kelly Cris é motogirl e trabalha só para executivos

Kelly Cris é motogirl e trabalha só para executivos

Só que mesmo sujas de lama, com os cabelos ao vento, com o macacão suado e de botas, elas não deixam de ser femininas. Beleza, cor, alegria, determinação, personalidade, liberdade estão estampadas em suas motos e vestimentas. Sim, além de a mulher ser mais criativa que um homem, ela não tem vergonha de mostrar seu gosto, e o equipamento utilizado, geralmente é customizado.

As fábricas, por sua vez, já descobriram este nicho. E junto com a moto, uma vasta linha de acessórios é fabricada e vendida exclusivamente para elas.

Pensando nesse público feminino, a Honda lançou um tom de rosa para sua linha de motonetas Biz 125 e Biz 100.  Afinal, 60% dos compradores desse modelo são mulheres. Em números, isso significa que, em 2012, pelo menos 133.534 mulheres compraram uma Biz!

A candidata a vereadora por Guaratinguetá, Gabi Pedrosa, se utiliza da motocicleta para circular entre as cidades da região

A candidata a vereadora por Guaratinguetá, Gabi Pedrosa, se utiliza da motocicleta para circular entre as cidades da região

Também esperta, a Dafra lançou uma versão dedicada do seu scooter com motor 125 cc, o Smart, que chamou de Joy. Ele vem com um tom de “azul feminino” escolhido pelas próprias clientes e diversos adesivos para customização.

A Harley-Davidson já organizou passeios exclusivos para sua clientela feminina. O “Ladies of Harley” é a porção feminina dos Harley Owners Groups ou, H.O.G®, e organiza eventos exclusivos. Na mesma linha, a BMW já promoveu o “Girls Day Out”, um passeio com direito a massagem e salão de beleza durante a parada.

50% dos alunos de Motoescolas da cidade de São Paulo já são do sexo feminino

50% dos alunos de Motoescolas da cidade de São Paulo já são do sexo feminino

 

A Honda dedica ainda turmas exclusivas de seus cursos de aperfeiçoamento de pilotagem e em seu quadro de instrutores, Jaqueline Poltronieri, que também foi piloto de Motocross, se destaca.

Da mesma forma, o investimento no esporte também está aumentando. Nas pistas, elas chamam atenção. Mas não apenas pelo macacão, obrigatoriamente justo, pois estão se impondo e ganhando corridas e campeonatos. Na terra, já são diversos os títulos conquistados nas categorias de base.

Em 2005, Ana Lima, então com 25 anos, foi a primeira brasileira a conquistar um Campeonato no asfalto, ganhando o Brasileiro de Motovelocidade na categoria 125 cc. Ano passado foi a vez de Sabrina Paiuta, 17, ganhar na Ninja 250 Light. Sabrina já acumula outros títulos de campeã no Motocross e na Supermoto.

Sabrina Paiuta corre desde os 7 anos e já tem diversos títulos de campeã

Sabrina Paiuta corre desde os 7 anos e já tem diversos títulos de campeã

Mas a participação das mulheres com motos de grande cilindrada é cada vez maior. Mesmo sem nunca ter competido, algumas começam a correr diretamente nas principais categorias. Babi Paz, por exemplo, aos 26 anos começou a correr direto com uma 1.000 cc. Outras correm em campeonatos exclusivos para mulheres, que servem de porta de entrada para ganharem mais confiança. Mas sempre com motos acima de 600 cc. Com isso, já se tornaram, literalmente, um show à parte, que é o caso do Racing Girls Show, uma equipe feminina que faz shows em pistas de corridas.

Uma quantidade imensa de moto clubes femininos está se alastrando pelo país. Como não poderia deixar de ser, os nomes são bastante criativos: “Felinas do Asfalto”, “Damas Aladas”, “Devassas Motoclube”, “Damas de Aço”, “Medusas”, “Divas Insanas”, “As Revoltadas”, e por aí vai…  Os encontros muitas vezes têm motivos sociais. É o caso do MAV – Moto Ação Voluntária, uma associação que tem como finalidade unir o entretenimento e a ação social dentro do meio motociclístico.

Eu, fazendo mais um teste/avaliação de produto

Eu, fazendo mais um teste/avaliação de produto

Já eu sempre fui fascinada pelo mundo das duas rodas. Apostava corridas de bicicletas com os meninos nas ruas, mas só pude ter minha primeira bicicleta por volta dos 15 anos e passei a usá-la como meio de transporte para todas as atividades, inclusive colégio. Minha mãe não me deixava comprar uma moto, por isso comprei a primeira somente aos 22 anos e nunca mais deixei de ter.

Seja para driblar o trânsito durante a semana, para passear final de semana, para viajar ou colocar adrenalina para fora em pistas, eu não me entendo sem uma motocicleta e tenho mais de 1 milhão e meio de quilômetros rodados sobre elas. E o melhor: minha vasta experiência em pistas de corridas e em estradas, aliada à sensibilidade, ao gosto pela mecânica e pela velocidade, fizeram com que a motocicleta tivesse ainda mais uma função em minha vida e fiz da arte de testar motos, uma profissão.

Aprecie as fotos abaixo.

Amanda Notaro

Amanda Notaro é integrante do Racing Girls Show

Liz, Aline e Alynne

Liz Córdova é uma das meninas do Racing Girls Show; Aline Ferraz, 16, faz show de whelling na equipe Radical Moto Show com seu pai, há 4 anos; e a fotógrafa que virou piloto, Alynne Almeida é do Paraná e faz enduro

Stefany Serrão

Stefany Serrão é piloto oficial da Honda

Sabrina Paiuta

Campeã na terra e no asfalto, Paiuta é piloto oficial da Kawasaki

Racing Girls Show

Racing Girls Show se apresenta em todo o País

Mulheres Motociclistas

Integrantes do grupo Mulheres Motociclistas

Mulheres e Motos

Grupo de motociclistas de Santa Catarina

Barbie Motociclista

As meninas já brincam com bonecas de motonetas, como essa Barbie da foto

Monique de Camargo

Monique de Camargo, 14, é piloto oficial da Kawasaki

Moara Sacilotti

Moara Sacilotti, 45, foi campeã brasileira de Rally Cross Country em 2012

Mil Lopes

Mil Lopes participa de passeios

Jaqueline Poltronieri (Foto de Caio Mattos)

Jaqueline Poltronieri é instrutora dos cursos da Honda (Foto de Caio Mattos)

Mulheres Motociclistas

Mulheres Motociclistas é um grupo organizado de Brasília

Gabriella Bastos Campos (Gabi Racing)

Gabriella Bastos Campos de Vitória – ES, corre e faz shows em todo o Brasil (Gabi Racing)

Erika Cunha (Foto Sampa Fotos)

Erika Cunha participa do Super Bike Series correndo na 600 cc (Foto Sampa Fotos)

Babi Paz (Foto Chris Fabbri)

Babi Paz, piloto oficial da BMW, em uma de suas corridas em Interlagos. Suas filhas de 7 e 9 anos já andam de moto (Foto Chris Fabbri)