Após alguns 'ensaios', Márquez tomou a ponta no início da última volta

O estrategista Márquez vence na última volta pela MotoGP

Em pleno vigor de seus 24 anos, e com cinco títulos no mundial de velocidade (sendo três na categoria principal), Marc Márquez (93, Honda) tem se mostrado um piloto agressivo e maduro. Em mais uma aula de estratégia (a última foi em Brno, em agosto), o espanhol permaneceu no segundo lugar ao longo de 21 voltas, monitorando cada movimento do líder, até encontrar o momento perfeito para realizar a ultrapassagem. E foi assim que o Formiga Atômica ultrapassou Danilo Petrucci (9, OCTO Ducati) na última volta do GP de Misano, sediado no circuito Marco Simoncelli, neste domingo, dia 10.

Mais uma vez, Márquez escolhe a estratégia certa e celebra uma vitória. Espanhol volta à liderança da MotoGP, com os mesmos 199 pontos de Dovizioso

Mais uma vez, Márquez escolhe a estratégia certa e celebra uma vitória. Espanhol volta à liderança da MotoGP, com os mesmos 199 pontos de Dovizioso

Antes que alguém pergunte: esta foi uma prova na Itália sem a participação de Valentino Rossi (46, Yamaha), afastado após se lesionar em um treino off road durante esta semana. Mesmo sem uma de suas estrelas, este foi um espetáculo e tanto da MotoGP, regado a chuva e poças d’água na curvilínea pista italiana. A largada esteve encabeçada por Maverick Viñales (25, Yamaha), Andrea Dovizioso (4, Ducati) e Márquez, mas antes mesmo da primeira curva Jorge Lorenzo (99, Ducati) saltou da quinta posição e liderou o pelotão, abrindo distância a cada curva e apresentando em desempenho surpreendente em pista molhada (lembrando que correr na chuva é, historicamente, a maior dificuldade do tri-campeão). Até que, sozinho, caiu na quinta volta, quando já abria notáveis quatro segundos de vantagem. Assim como muitos outros pilotos experientes nas categorias menores, ele foi mais uma vítima da pista molhada.

Golpe certeiro

Golpe certeiro

Após alguns 'ensaios', Márquez tomou a ponta no início da última volta

Nem parecia Lorenzo na chuva...

Nem parecia Lorenzo na chuva...

Em apenas cinco voltas, Jorge Lorenzo abriu quatro segundos de vantagem... até que sofreu uma queda e disse adeus à prova

Zarco, herói

Zarco, herói

Com problemas na entrada da última reta, Zarco empurrou a moto por cerca de 400 metros para receber bandeirada e somar um ponto

No chão

No chão

Uma infinidade de quedas, em todas as categorias, marcou a prova italiana

MM 93 líder novamente

MM 93 líder novamente

Equipe Honda é só festas com mais uma vitória do espanhol

Visita ilustre

Visita ilustre

Ex piloto de F1, Mark Weber visitou a prova e comentou o acidente de Valentino Rossi

A arrancada fulminante de Lorenzo não foi a única vista em Misano. Jack Miller largou em 14º e logo nas primeiras voltas estava no top 5, mostrando habilidade na chuva, onde permaneceu boa parte da prova até receber a bandeirada com o sexto lugar, após uma larga sequência de disputas por posição. Memorável também o desempenho de Petrucci, que esteve muito perto de sua primeira vitória no mundial. O italiano largou em oitavo e precisou apenas de algumas voltas para se estabelecer no segundo lugar, herdando a liderança – e levando os milhares de italianos presentes aos gritos – quando Lorenzo caiu.

Então, nas próximas 21 voltas ocorreu uma perseguição de gato e rato, protagonizada por Márquez e Petrucci. Enquanto Dovi se mostrava satisfeito com a terceira colocação e preocupava-se apenas em mantê-la para somar importantes 16 pontos para o campeonato, Márquez não deixava Danilo tomar distância e friamente mapeava cada movimento do italiano, aguardando uma eventual queda ou erro de frenagem. Como não aconteceu, deixou para ultrapassá-lo na curva 1 da última volta, realizando o movimento que há havia ensaiado nas três voltas anteriores. Com a estratégia perfeita, a vitória foi certa.

Marc batalha contra a própria moto, tomando ao menos três chicoteadas. Piloto cogitou trocar de moto, mas mudou de ideia após queda de Lorenzo

Marc batalha contra a própria moto, tomando ao menos três chicoteadas. Piloto cogitou trocar de moto, mas mudou de ideia após queda de Lorenzo

Com o resultado estamos diante do campeonato mais disputado da história do Mundial de Motovelocidade. Márquez tomou a ponta e agora lidera com exatamente os mesmos 199 pontos de Dovi, mas colocando-se à frente por ter um segundo lugar (enquanto Dovizioso tem as mesmas quatro vitórias, mas seu outro melhor resultado é um terceiro posto). Viñales é terceiro, apenas 16 pontos atrás, com 183. Sem pontuar em Misano, Valentino Rossi está praticamente sem chances de obter o sonhado décimo título mundial (o oitavo na categoria principal), com 157 pontos. Dani Pedrosa, que ficou apenas com o 14º lugar neste domingo, completa o top 5, com 150.

Morbidelli cai e Aegerter vence na Moto2

Na corrida que antecedeu a queda de Lorenzo, o então líder Franco Morbidelli (21) e o experiente Miguel Oliveira (44) também caíram. Aliás, 14 pilotos não completaram a prova na Moto2. Neste contexto, melhor para o suíço Dominique Aegerter (77), que obteve sua primeira vitória na temporada, e também para Thomas Luthi (12) e Hafizh Syahrin (55), que fecharam o pódio.

Dominique Aegerter vence na Moto2, mas Morbidelli segue líder

Dominique Aegerter vence na Moto2, mas Morbidelli segue líder

Com o resultado, Luthi se mantém no segundo lugar na temporada, mas diminui a diferença do líder Morbidelli para apenas nove pontos. Franco tem 223, contra 214 de Thomas, na categoria mais disputada desta temporada do Mundial. O terceiro colocado é Alex Márquez, com 155, fechando o monopólio da equipe Kalex no top 3. O português Miguel Oliveira é o quarto, com 141, e Francesco Bagnaia é o quinto colocado, somando 124 pontos.

Moto3: 31 pilotos largam, mas só 15 finalizam a prova

Com o traçado encharcado, as leves motocicletas da Moto3 tiveram uma dificuldade imensa de encontrar aderência com o asfalto e, desta forma, apenas 15 – dos 31 – protótipos em pista receberam a bandeirada final. As quedas tiraram da disputa até pilotos experientes na categoria, como Aron Canet (44) e Jorge Martin (88), terceiro e quarto colocados na temporada. Em uma corrida onde o mais importante era não cair, quem chegou em primeiro foi o italiano Romano Fenati (5).

Romano Fenati vence pela Moto3, categoria que teve mais abandonos do que pilotos completando a prova

Romano Fenati vence pela Moto3, categoria que teve mais abandonos do que pilotos completando a prova

Fenati liderou a prova desde as primeiras voltas, quando era perseguido de perto por Martin e Joan Mir (36), que dançavam a cada frenagem de curva. Aos poucos o líder foi tomando distância enquanto os demais batalhavam entre si para manter ou galgar posições até que, quando restavam 14 voltas para o fim, Martin caiu sozinho em uma entrada de curva – não precisou sequer inclinar a moto, bastando reduzir duas marchas rapidamente para que a pressão na roda traseira fizesse com que a moto perdesse o atrito com o solo e a queda se tornasse inevitável. Em paralelo, diversos outros pilotos beijavam o asfalto. Melhor para Mir, que herdou o segundo lugar e somou importantes pontos para o campeonato.

No fim, Fenati venceu com intermináveis 28 segundos de vantagem, com Mir chegando em segundo e Fabio di Giannantonio em terceiro. Com o resultado, Mir se mantém na liderança da temporada, com 246 pontos, seguido por Romano, com 185. Aron Canet é o terceiro, com 162, Martin o quarto, com 121, e Giannantonio fecha o top 5, com 117.

Separador_MotoGP

Copyright by DORNA



Jornalista gaúcho convicto de que um passeio de moto em um dia de sol é a cura para praticamente todos os males da vida. Fã de motoaventurismo, competições de moto, café, praia e de rock n roll.