O onibus do futuro marca presença no Challenge Bibendum

O primeiro ônibus a hidrogênio do Brasil com tecnologia 100% nacional, desenvolvido pelo Laboratório de Hidrogênio da Coppe/UFRJ, participou neste domingo, dia 30 de maio, do 10º Challenge Bibendum, no Riocentro.

O veículo fez o percurso da primeira etapa do rali (entre o Riocentro e o Quebra-Mar, no bairro da Barra da Tijuca) 24 minutos abaixo do tempo previsto e com bom desempenho energético. No evento, promovido pela Michelin e que busca incentivar o uso de veículos e combustíveis não-poluentes, o ônibus ainda fez testes técnicos de dirigibilidade, ruído, aceleração. Além disso, teve seus resultados de laboratório analisados quanto aos níveis de emissão de gases poluentes.
Amanhã, dia 31 de maio, segunda-feira, às 10h, o presidente Lula será transportado pelo ônibus da Coppe, entre o heliporto e o Pavilhão 5 do Riocentro, onde participará da abertura do evento. Inscrito na categoria de veículos urbanos na competição, o ônibus é apontado como uma opção de transporte sustentável para o Rio de Janeiro disponível para a Copa do Mundo, em 2014, e as Olimpíadas, em 2016. ainda fez testes técnicos de dirigibilidade, ruído, aceleração. Além disso, teve seus resultados de laboratório analisados quanto aos níveis de emissão de gases poluentes. O resultado da competição sai amanhã, segunda-feira, dia 31, às 18h.

Considerado a evolução do transporte urbano, o ônibus a hidrogênio é um dos favoritos na competição em função de sua eficiência energética. O coletivo circulará na Cidade Universitária a partir de julho, transportando professores e alunos e, no segundo semestre de 2010, fará uma linha regular na cidade do Rio.
O veículo, que conta com financiamento da Finep, Petrobras, CNPq e Faperj, tem tamanho e aparência iguais de um ônibus urbano convencional, porém possui o mesmo sistema de recuperação de energia cinética utilizado pelos carros de Fórmula 1. A diferença é que na Fórmula 1 esse sistema é voltado para ganho de velocidade e nos ônibus da Coppe para aumentar a eficiência energética e economizar combustível.

Com autonomia para rodar até 300 quilômetros, o coletivo é movido a energia elétrica obtida de uma tomada ligada na rede e complementada com energia produzida a bordo, por uma pilha a combustível alimentada com hidrogênio. Isso significa um veículo silencioso, com eficiência energética muito maior que a dos ônibus convencionais a diesel e com emissão zero de poluentes. O que sai de seu cano de descarga é apenas vapor de água, tão limpo que, se condensado, resultaria em água para consumo.
Seu pioneirismo está no fato de terem sidos desenvolvidos no Brasil todos os equipamentos e subsistemas tecnológicos importantes para esta aplicação. O sistema de tração elétrica oferece partidas e deslocamentos suaves e permite otimizar o seu desempenho em função do ciclo de rodagem. O projeto tem entre seus parceiros técnicos as empresas Weg, Rotarex, Busscar, Guardian, EnergiaH, Energysat, Electrocell, Controllato, Manvel e Hubz. Também conta com o apoio da Usiminas e da Eletrobrás.

O Ônibus a Hidrogênio da Coppe faz parte do Programa Rio Transporte Sustentável, da Secretaria de Transportes do Estado do Rio de Janeiro, em parceria com a Fetranspor e a secretaria municipal de transportes.