aea_jpg_640x480_upscale_q85

Segurança veicular discute motos, modificações e sistema viário

O evento, que recebeu 152 inscritos, contou com a participação de importantes profissionais do setor automotivo que compartilharam novidades da engenharia, sustentabilidade e segurança veicular, além de conceitos aplicados na transformação, reparação e segurança de pedestres, vias e veículos.

Dividido em três painéis (Motos, Segurança Viária e Modificações Veiculares), o evento, cujo caráter é altamente técnico-informativo, foi iniciado com palestra de abertura do presidente da AEA, Antonio Megale, que destacou a importância do tema diante dos desafios cotidianos nos grandes centros urbanos e estradas brasileiras.

O piloto profissional de motocicletas e comentarista do programa Auto Esporte, Leandro Mello, foi o primeiro a realizar apresentação – “Segurança Ativa na Moto” -, dando início às atividades do Painel Motos. Na oportunidade, Mello tratou de lembrar sobre a importância da manutenção preventiva, posição correta do condução, regulagem ideal da moto para o condutor e ainda incentivos do governos em campanhas de educação no trânsito.

Os principais problemas que atingem os condutores de motocicletas começam, na avaliação de Mello, com o próprio sistema de habilitação ainda nas moto-escolas, que ignoram princípios básicos de pilotagem e de segurança veicular, estendendo-se à ausência de tecnologia nas tintas que demarcam faixas sobre o asfalto. Especialmente em dias de chuva, essas sinalizações se tornam verdadeiras armadilhas contra os motociclistas. “Essas faixas são escorregadias e o segredo na pilotagem é ficar atento e não exigir aderência nessas condições”, afirma Mello.

A “Regulamentação e Normas de Material de Atrito” foi tema da palestra ministrada por Eduardo Gimenez , consultor Técnico de Vendas da Fras-Le. Com foco em segurança, Gimenez tratou de mensurar a relevância de submeter todo o sistema de freio a ensaios e verificações de aderência, de acordo com as normas da ABNT.
Uma explicação altamente didática sobre o Combined ABS e o significado do sistema quando o assunto é segurança foi alavancado por Alfredo Guedes, consultor técnico da Abraciclo e supervisor de Relações Públicas da Honda na palestra Sistema de Freios. De acordo com Guedes, “o Combined ABS evita o travamento dos freios em situações de emergência, fazendo a distribuição da frenagem para os freios dianteiro e traseiro. Trata-se de um sistema que atua como antitravamento e distribuição da frenagem”.
O Painel Motos foi encerrado com a participação dos palestrantes em debate com perguntas e respostas ministrado pelo jornalista André Garcia.

O tema do Painel 2 foi contemplado com o tema Segurança Viária e contou com a participação de quatro palestrantes que trouxeram assuntos bem distintos.
Allan Muniz, tenente do Corpo de Bombeiros da Polícia Militar, na palestra Resgates Especiais dos Bombeiros, dedicou sua apresentação ao trabalho exercido pelo bombeiros e as grandes dificuldades no dia a dia.Técnicas de salvamento, como retirada de para-brisa, corte da coluna B e rebatimento deteto foram comentadas e destaque para as necessidades destes profissionais em coletar informações sobre a evolução tecnológica dos automóveis para melhordesempenho das operações de salvamento.

O engenheiro civil mecânico e gerente da SGS, Herbert Fahrenkrog, prosseguiu com o Painel 2, em apresentação “ITV – Experiência SGS”. As ações das revisões técnicas associadas ao meio ambiente e segurança em andamento no Chile foram apresentadas por Fahrenkrog. A frota só na capital Santiago é composta por 1,4 milhão de veículos.

Veículos conectados e seguros que incluem o sistema de GPS já não são uma novidade quer seja para rastreamento e/ou navegação. E em sua apresentação, Ricardo Takahira, gerente de Novos Negócios da Divisão Eletrônica Magneti Marelli, apontou quais são as necessidades daqui para frente.

“É hora de adicionar funções e aumentar o valor agregados dos conteúdos, como por exemplo, informações de trânsito, alertas de acidentes, utilizando dispositivos e soluções integradas que permitem conexão para enviar e receber as informações de data centers e provedores de serviço”, disse Takahira.

No entanto, o gerente afirma que é preciso ter cautela ao definir o conteúdo das aplicações OEM, ou seja, adicioná-lo para favorecer a segurança e não aumentá-lo a ponto de causar mais distração. “Nesse sentido, elementos como Bluetooth, voice recognition e TTS (Text to Speech) amenizam o impacto do uso do celular em veículos conforme regulamentação vigente”, afirmou Takahira.

O “Desafio de Conciliar a Comunicação no Veículo com Segurança Viária” foi o tema principal da palestra de André Luís Horta, analista de SegurançaViária do Cesvi Brasil. O objetivo do analista com sua apresentação foi trazer informações que possam harmonizar a convivência segura de condução de veículo às necessidades modernas de comunicação e otimização do tempo. Horta ainda tratou de alertar sobre os riscos que comunicação hoje traz para o motorista. “Dirigir veiculo enviando mensagens de texto pode aumentar em 23 vezes o risco de acidente quando comparado com as condições normais do veiculo”, alertou.

A abertura do terceiro Painel do seminário da AEA foi marcado pelo tema Modificações Veiculares. As Vantagens e Desvantagens da Blindagem na Segurança Veicular foi a palestra inicial ministrada por Rogério Garrubbo, CEO da Concept Blindagens,Influência da blindagem no comportamento dinâmico do veículo, riscos da implementação da blindagem aos sistemas eletrônicos automotivos e dificuldade da remoção de vítimas de acidentes em veículos blindados cujo o peso agregado é de cerca de 205 quilos foram os principais assuntos abordados.

O analista de infraestrutura do Denatran, Daniel Mariz Tavarez, foi responsável por palestrar sobre “Transformação de Veículos, Quem Assume o Risco?”. Na oportunidade, Tavarez apresentou alguns riscos quando é feita a transformação do veículo, tais como a existência de empresas transformadoras pouco estruturadas e fragilidade no processo de homologação. “E hoje quem assume o risco nessa situação é o próprio dono do automóvel ao demandar tais serviços e ainda os engenheiros, na responsabilidade de realizarem projetos seguros”, comentou.

A palestra “Critério de Falha para Vidros (Para-brisa) em Simulações Numéricas de Impacto a Pedestres” marcou o término das apresentações do Seminário de Segurança Veicular 2012, promovido pela AEA.
O engenheiro de Desenvolvimento de Negócios da ESI South America, Henry Shibayama, tratou de mostrar um trabalho com o propósito de viabilizar a utilização de métodos numéricos para a avaliação de cenários de impacto de pedestres no para-brisa.