Yamaha Drag Star 650

Yamaha Drag Star 650

80%

dos usuários recomendam esta moto

Satisfação Geral 4.3
Visual 4.5
Conforto 4.3
Performance 3.8
Dirigibilidade 4
Consumo 3.5
Custo x Benefício 4


Ficha Técnica


Cilindrada: 649.00 cc

Tipo de Motor: 4 tempos

Arrefecimento: Ar

Combustível: Gasolina

Potência Máxima: 39.42 cv a 6500 rpm

Torque Máximo: 5.10 kgf a 5100 rpm

Transmissão: 5 marchas

Injeção: Carburada

Partida: Elétrica

Chassi: Aço

Suspensão dianteira: Convencional

Ajuste da suspensão dianteira:

Suspensão traseira:

Ajuste da suspensão traseira:

Balança: Convencional
DIMENSÕES

Peso (seco): 229 kg

Peso em movimento: 0.00 kg (MVOM)

Comprimento: mm

Largura: 930 mm

Altura: 1105 mm

Altura do Banco: 710 mm

Distância entre Eixos: 1625 mm

Pneu Dianteiro: 160/90-(16

Pneu Traseiro: 170/80-M15

Capacidade do tanque:

Outras Versões

Drag Star 650

2017, 2008, 2005, 2004, 2003, 2000, 1999, 1998, 1997
(ver todas)

Principais avaliações

Recomendo!

Pros: Manutenção barata, excelente cardã, pneu original dura mais de 30 mil km. A minha tem banco ERE, ficou bem melhor que o original.
4
Carlos Meira - 04/11/2012

Recomendo!

Pros: Motor: não é nenhuma usina de força mas é de bom tamanho para a motoca, além de ser muito elástico e com bom torque (de 50 Km/h em diante vc não precisa mais trocar marchas, nem em subidas e com g...
5
Márcio - 10/12/2012

Recomendo!

Pros: Minha primeira moto Custom e me sinto satisfeito pela escolha, boa na estrada e um com conforto com bando ere.
4
Ronaldo Cunha - 15/10/2012

Recomendo!

Pros: Potência; Conforto (adaptado); Robustez; Torque excelente; Estilo;
5
Fábio - 10/02/2015
Ver todas as avaliações


Veja motos deste modelo à venda (ver todas)

De R$ 13000 a R$ 22000 entre 20 ofertas disponíveis

Modelos similares a Yamaha Drag Star 650


Outros Modelos Yamaha



Todas as avaliações desta moto

Avaliação de Carlos Meira em 04/11/2012

Avaliou moto Yamaha Drag Star 650 2007

Comentários:
Estou com a Drag desde janeiro de 2009, atualmente tem 30 mil km, quase tudo rodado em estradas boas, predominantemente na Castello Branco e nos caminhos entre SP e Ubatuba. A moto é uma estradeira por definição, não é boa para uso urbano, qualquer 125/150/250/300 é melhor em SP, onde aliás até scooter vai mais fácil. Socialmente parece mais do que é, é comum me perguntarem se tem 1000 ou mais de cilindrada. O barulho com escapamento original é agradável, com escapamento JJ fica selvagem (mas não tenho e nem gosto tanto assim). A moto é confortável e atende a minha necessidade básica, mas não emociona. Acelera bem mas não desenvolve mais que 155 km/h, consome na minha tocada normal 16 km/l, mas quando aperto o ritmo faz 12 a até 11 km/l de gasolina Podium. Aliás, curiosamente não consegui nesse tempo todo perceber mudança de performance ou consumo usando a Podium ou a comum/ adtivada. O ponto mais forte da máquina é a manutenção, simplesmente porque não quebra e quando quebra é barato e fácilde fazer. Nos 25.000 km que rodei com ela tive apenas que trocar um sensor de neutro, que provoca um pequeno vazamento óleo e custou R$ 150 incluindo mão de obra, queimou uma lâmpada do velocímetro e troquei óleo a cada 300/3500 km, sempre substituindo o filtro e usando óleo Motul 3000 ou Mobil Super Moto 4T. O filtro de óleo é comum a outras Yamaha e custa R$ 15 ou menos, já o filtro de ar, que troquei a cada 10.000 km custa R$130 a 150. O cardã dispensa comentários, é ótimo! O ponto fraco que mais me incomoda, além do consumo/autonomia é o freio, borrachudo, mas não troquei os cabos, apenas passei a usar o fluido DOT5, não sei qual era o anterior, mas ficou melhor. O freio traseiro é pouco progressivo e trava facilmente. O pedal não é dos mais fáceis de acionar pelo seu posicionamento. Em tocadas longas, depois de 2 horas as pernas tendem a ficar dormentes, os pés perdem sensibilidade. Precisa parar para alongar. Mas também não tem autonomia para muito mais que isso até ter que reabastecer. A autonomia que o tanque de 16 litros permite é de cerca de 200 km até pedir reserva, daí dá para rodar no máximo 45 a 50 km. Como tem uma bomba pressurizadora do combustível não é recomendável ter pane seca e nem esquecer a torneira da gasolina fechada, o barulho da bomba nessa condição é auto explicativo. É uma moto adequada a baixinhos (verticalmente prejudicados...rsrsrsrs) pois permite colocar os pés no chão com facilidade. Os muito altos reclamam pernas dobradas e precisam de comandos avançados, o que não vale a pena como investimento numa moto dessa categoria de preço. Sempre passou com facilidade na inspeção veicular de SP. Comparando com outras custom que já andei, é bem superior a Shadow 600 ou a 750, mas não chega nem perto da Suzuki Boulevard 800, moto que anda bem mais. As HD´s 883 são duras e decepcionam, as HD´s de 1600 cc e seis marchas já pertendem a categoria supeiror de preço e performance, a Super Glide é uma opção boa para upgrade. A minha tem uma bolha, fica feiosa, mas muito confortável, os insetos não chegam a roupa e o vento passa por cima da cabeça, reduz a turbulência, uma bolha maior seria ainda melhor, mas de novo, não compensa o investimento nessa moto. Há que se considerar que se colocar dinheiro demais em cima é melhor comprar logo uma moto de classe superior. O cardã não dá qualquer tipo de trabalho. Comparativamente a correia da Midnight Star também não dá trabalho, mas dura cerca de 20 a 30 mil km e custa muito caro, o que talvez seja a explicação para a desvalorização maior da 950 cc em relação a 650cc (Drag Star) que mantém bom valor na revenda. A correia das HD´s é bem mais barata... Para quem, como eu, acostumou a ter conta giros... sinto falta, mas é do estilo custom não ter. Mata cachorro, sissy bar, churrasqueira, luzes extras são do estilo. O farol original atende, mas não é nada do outro mundo, apenas atende, já tive cinquentinha com iluminação melhor...mas o padrão atual de 55/60W é coerente com o mercado. Os pneus são largos e bonitos, o traseiro vou ter que trocar daqui mais 2 ou 3.000 km, durará 33.000 km, o da frente deve chegar aos 40.000 km. O traseiro custa R$ 440 mais montagem. Precisa de macaco para levantar a moto e fazer a troca. Se furar numa estrada..... F%#deu.... Os pneus usam câmara, nem dá para usar aqueles reparos de macarrãozinho....
Pros:
Manutenção barata, excelente cardã, pneu original dura mais de 30 mil km. A minha tem banco ERE, ficou bem melhor que o original.
Contras:
Consumo elevado. Relação de marchas poderia ser melhor, com uma segunda mais longa e uma sexta over drive. Buzina fraca. Como é custom poderia já vir com chicote pronto para iluminação adicional.

Condições do Teste

Tempo de Uso
Mais de um ano
Tipo de Uso
Lazer
Terreno Testado
Urbano, Estrada
Quilometragem
30000
Manutenção
Dentro do esperado
Custo de Mantenção
Baixo
4
4.5
4
3
4.5
2
3.5
Esta análise foi útil para você? Sim (18) Não (0)

Avaliação de Márcio em 10/12/2012

Avaliou moto Yamaha Drag Star 650 2005

Comentários:
As motos geralmente nos dão prazer, mas somente algumas nos dão aquele plus que não tem como explicar. A Drag Star é uma dessas. O estilo, o som do motor, o jeitão de pilotar, a aparência, enfim, o conjunto é muito feliz. Infeliz foi a Yamaha tirando-a de linha. Uma moto robusta e muito barata de se manter. O tempo que passamos juntos foi, realmente, muito feliz. Hoje estou com outra moto noutro estilo mas, toda vez que penso numa custom, a Drag me vem a mente. Compraria outra , para ser minha outra moto, se tivesse oportunidade ($$$$$$).
Pros:
Motor: não é nenhuma usina de força mas é de bom tamanho para a motoca, além de ser muito elástico e com bom torque (de 50 Km/h em diante vc não precisa mais trocar marchas, nem em subidas e com garupa). O cardã é excelente, dispensa comentários. É uma moto bonita, com estilo custom bem evidenciado. O consumo, conseguia fazer 18 Km/l na cidade e 20/21 Km/l na estrada a 120 km/h com garupa, um pouco diferente dos amigos que já avaliaram a moto, e olha que só usava gasolina aditivada. A manutenção é muito barata, aliás, manutenção é o que vc não irá fazer nela (apenas a preventiva); a moto é muito robusta.
Contras:
No quesito conforto, desconheço alguma custom que seja confortável. O banco foi trocado logo após a aquisição da moto por imposição da garupatroa. Fazer curvas com ela também não foi nada simples no início, principalmente para quem havia adentrado ao mundo custom pela primeira vez, mas rapidinho vc se adapta e aí ela fica muito gostosa. A inclinação não é das maiores, mas nada que assuste.

Condições do Teste

Tempo de Uso
Mais de um ano
Tipo de Uso
Lazer
Terreno Testado
Estrada
Quilometragem
14000
Manutenção
Fácil de encontrar
Custo de Mantenção
Baixo
5
5
4
4
4
4.5
5
Esta análise foi útil para você? Sim (10) Não (0)

Avaliação de Ronaldo Cunha em 15/10/2012

Avaliou moto Yamaha Drag Star 650 2004

Comentários:
Pretendo migrar para shadow 750 assim que puder.
Pros:
Minha primeira moto Custom e me sinto satisfeito pela escolha, boa na estrada e um com conforto com bando ere.
Contras:
o consumo é a questão comparada com a shadow 750.. incrivel 17 km com litro.

Condições do Teste

Tempo de Uso
Menos de um ano
Tipo de Uso
Lazer
Terreno Testado
Estrada, Pista
Quilometragem
60000
Manutenção
Custo de Mantenção
4
3.5
5
4
4
3
3.5
Esta análise foi útil para você? Sim (7) Não (0)

Avaliação de Fábio em 10/02/2015

Avaliou moto Yamaha Drag Star 650 2005

Comentários:
Comprei uma Drag Star 650 há pouco tempo mas já estou apaixonado por essa incrível máquina, é uma moto excelente, tem estilo, é extremamente forte e robusta, geralmente rodo a 110km/h e mesmo nessa velocidade, na subida, em 5ª marcha e com a garupatroa, se eu precisar ultrapassar posso seguir sem medo porque sei que terei força suficiente sem nem mesmo a necessidade de reduzir marcha. O cardã faz com que a resposta seja muito rápida, o motor potente nos dá uma segurança incrível, a estabilidade na rodovia é impressionante, o conforto... bem, o conforto pode ser um problema, para o piloto já seria de cara nota 10, mas para a garupa, coitada da garupa! A Yamaha poderia ter mudado isso na Midnight, é um banco ridículo, sem condições de rodar com garupa, claro que com um investimento a mais você consegue um banco excelente e muito confortável tanto para a garupa quanto para o piloto que, apesar de já ter um banco confortável de fábrica, nem se compara com bancos feitos sob medida. O valor das peças e da mão de obra podem assustar um pouco no início, mas eu considero um valor aceitável para uma moto do tamanho da Drag Star, depois de trocar o banco da minha não tenho o que reclamar, agora aguardo ansioso todos os finais de semana pra poder sair dar uma volta e relaxar! Obs.: não é moto pra cidade, é pra estrada!
Pros:
Potência; Conforto (adaptado); Robustez; Torque excelente; Estilo;
Contras:
Conforto da garupa (antes de trocar o banco); Motor esquenta as pernas (mas só qdo estamos parados).

Condições do Teste

Tempo de Uso
Menos de um ano
Tipo de Uso
Lazer
Terreno Testado
Pista
Quilometragem
0
Manutenção
Custo de Mantenção
5
5
4
5
5
4.5
4.5
Esta análise foi útil para você? Sim (5) Não (0)

Avaliação de André Escobar em 25/01/2013

Avaliou moto Yamaha Drag Star 650 2004

Comentários:
Moto bonita, e só!
Pros:
Moto bonita, eixo cardã, confortável para o piloto.
Contras:
Motor de desempenho sofrivel, ciclistica muito ruim para o piso naconal, banco do garupa muito desconfortavel para viagens (mesmo curtas distâncias!) Consumo elevado.

Condições do Teste

Tempo de Uso
Menos de um ano
Tipo de Uso
Lazer
Terreno Testado
Urbano, Estrada
Quilometragem
3500
Manutenção
Custo de Mantenção
3.5
4.5
4.5
3
2.5
3.5
3.5
Esta análise foi útil para você? Sim (3) Não (11)