CB 650R

CB 650R, Africa Twin e mais novas Honda a caminho

Vamos falar sobre especulações de mercado? Ao que tudo indica, a Honda tem trabalhado em interessantes projetos de alta cilindrada dentro e fora do Brasil. Por aqui, ela pode estar planejando disponibilizar as CB 650R (aquela no conceito Neo Sports Café) e CBR 650R em breve, uma vez que as patentes dos modelos foram registradas no Instituto Nacional da Propriedade (Inpi), conforme o mesmo divulgou nesta semana.

Honda registrou as patentes da CB 650R (foto) e CBR 650R no Brasil e, provavelmente, trará os modelos para nosso mercado em breve. Na Europa a CB custa cerca de 7.990€ (R$ 33,5 mil reais)

Honda registrou as patentes da CB 650R (foto) e CBR 650R no Brasil e, provavelmente, trará os modelos para nosso mercado em breve. Na Europa a CB custa cerca de 7.990€ (R$ 33,5 mil reais)

O registro não garante que as motos serão lançadas no País, mas asseguram a proteção de sua propriedade intelectual e deixam ‘a bola quicando’ para um eventual futuro lançamento da marca. Aliás, este mesmo processo ocorreu recentemente, pois em julho do ano passado a empresa registrou a patente da nova CB 1000R e meses depois, em outubro, anunciou o lançamento do modelo no Brasil.

Honda CB 650R e CBR 650R no Brasil

Os modelos foram apresentados no Salão de Milão de 2018 e marcam uma nova era na família de 650 cilindradas, por dois motivos. Primeiro: eles são mais esportivos que CB 650F e CBR 650F (o que está representado na troca da letra F, de Fun, pela R, de Racing, no nome) e, segundo, estão alinhados com o conceito Neo Sports Cafe – o mesmo das novas CB 1000R e CB 300R, que também já teve sua patente registrada no Brasil mas ainda não foi lançada aqui.

Sai o F, de Fun, e entra o R, de Racing. CBR 650F e CB 650F (foto) darão lugar a CBR 650R e CB 650R, que têm mais potência e tecnologia

Sai o F, de Fun, e entra o R, de Racing. CBR 650F e CB 650F (foto) darão lugar a CBR 650R e CB 650R, que têm mais potência e tecnologia

Na CB 650R o novo conceito visual mescla linhas futuristas com os modelos café racer dos anos 1960. Há suspensões dianteiras Showa, ajustáveis, up-side down, com válvulas que a deixam mais progressiva ou rígida à medida que o piloto despeja potência pelo acelerador, favorecendo a esportividade. O motor quatro cilindros, de 649 cm³ e arrefecimento líquido, gera 95 cv (12 mil rpm) e 6,5 kgf.m de torque (ante 88,5 cv e 6,22 kgf.m da atual CB 650F).

CB 650R

CB 650R

CB 650R

CB 650R

CB 650R

CB 650R

CB 650R

CB 650R

CB 650R

CB 650R

Já a CBR 650R tem carenagens que lembram a nova geração da CBR 1000RR Fireblade, e o conjunto mecânico também traz novidades. Assim como na naked, há controle de tração – que pode ser desligado, embreagem deslizante e o motor entrega a mesma potência, mas com a faixa vermelha iniciando nos 12 mil rpm. Para reforçar a sensação de esportividade, o guidão também está mais baixo e movido 30mm para frente.

CBR 650R

CBR 650R

CBR 650R

CBR 650R

CBR 650R

CBR 650R

CBR 650R

CBR 650R

CBR 650R

CBR 650R

Nova Africa Twin 2020

O rumor surgiu no Japão e logo chegou à imprensa europeia. A Honda deve estar trabalhando numa nova geração da CRF 1000L Africa Twin para 2020, que ganhará aumento de cilindrada (de 999 cm³ para 1.080 cm³) para atender às novas regras de emissões de poluentes sem perder desempenho), tanque maior (de 18 para 20 litros) e novos recursos eletrônicos, como tela TFT (substituindo o painel em LCD existente) e sistema de partida sem chave, o keyless. Provavelmente, se vier, a nova geração da maxitrail será apresentada no EICMA 2019, em novembro, na Itália.

Africa Twin deve ganhar nova geração em 2020. Além de atender as normas do Euro5, modelo receberá novo pacote tecnológico para fazer frente às concorrentes do segmento

Africa Twin deve ganhar nova geração em 2020. Além de atender as normas do Euro5, modelo receberá novo pacote tecnológico para fazer frente às concorrentes do segmento

separador_honda



Guilherme Augusto

@obomguiaugusto >> Amante de motos em todas suas formas e sons (se for de 2T, melhor). Fã de viagens, competições, do Hugh Jackman e de praias. Viciado em café desde quando comecei a escrever