mulheres-do-rally-dos-sertoes-moara-7

Elas encaram o Rally dos Sertões

Encarar o maior rali do continente assusta – e quando você pensa com calma e imagina cada situação que irá enfrentar, piora. São oito dias de poeira, pedras, navegação intensa, mato, areia, alta exigência física, repouso em locais improvisados. São mais de quatro mil quilômetros de pedreiras – literalmente falando. Você estaria pronto para o desafio? A Moara e a Janaína, sim.

Oito dias de poeira, sujeira, acampamentos, intenso desgaste físico. Conheça Moara e Janaína, as mulheres que tiram o Rally dos Sertões de letra

Oito dias de poeira, sujeira, acampamentos, intenso desgaste físico. Conheça Moara e Janaína, as mulheres que tiram o Rally dos Sertões de letra

Moara Sacilotti e Janaína Souza são as únicas mulheres que vão disputar o Rally dos Sertões 2019 nas motos. A 27ª edição do evento acontece de 24 de agosto a 1º de setembro, reunindo 66 motos (reiterando: sendo só duas pilotadas por mulheres) e mais 60 carros, 55 UTV’s e seis quadriciclos. Ao todo serão percorridos 4.744 quilômetros, sendo 2.832 em especiais, de Campo Grande (MS) a Aquiraz, no litoral cearense.

As mulheres do Sertões

Moara é uma expert no assunto. Participa desde 1998, quando tinha apenas 18 anos. Com 18 largadas no currículo, completou 15 provas e está animada para mais um desafio. “Correr a prova é desafiar a si mesma, enfrentar novos terrenos, querer ir mais longe e mais rápido. É pilotar em locais incríveis que só o Rally dos Sertões proporciona”, destaca.

Moara Sacilotti é figura carimbada no Rally dos Sertões. Com 18 largadas, piloto cresceu junto da prova

Moara Sacilotti é figura carimbada no Rally dos Sertões. Com 18 largadas, piloto cresceu junto da prova

“O evento me acompanha há muito tempo. Ele cresceu e se profissionalizou com o passar dos anos, e eu também. O Sertões é a minha vida”, comenta a piloto. Em sua 19ª participação, Moara estará acompanhada de sua KTM EXC-F 350. Relembre a entrevista que fizemos com a atleta em 2016, aqui.

Do mesmo modo, Janaína Souza está acostumada a encarar desafios no fora de estrada. Tetracampeã do Enduro da Independência, a piloto da moto 13 também soma, por exemplo, seis títulos na Copa EFX e dois no Brasileiro de Enduro FIM. E agora está pronta para o seu terceiro Sertões.

Campeã no off road, Janaína logo se apaixonou pelo Sertões. Para ela, cada dia concluído é uma vitória

Campeã no off road, Janaína logo se apaixonou pelo Sertões. Para ela, cada dia concluído é uma vitória

“É a maior prova do cenário nacional e um dos maiores desafios que já vivi. Poder participar dela significa um vitória a cada dia concluído”, garante. “Por isso, mantenho o foco em terminar todas as etapas, por mais que esteja cansada e precise poupar meu físico ou equipamento. Mas a verdade é que o Sertões é viciante: depois que entramos nesse universo não conseguimos mais sair!”, finaliza.

Por que há um número tão pequeno de mulheres no Rally dos Sertões?

Janaína Souza... enrolando o cabo!

Janaína Souza… enrolando o cabo!

Elas respondem. Há vários fatores que pesam na hora de um piloto topar uma participação no Rally dos Sertões, especialmente no caso das mulheres. Além do elevado custo financeiro, a lista de motivos traz compromissos com a família ou filhos, por exemplo. Apesar disso, as duas guerreiras da terra torcem para que, em breve, haja uma categoria feminina no evento.

“O Sertões oferece condições extremas e isso acaba assustando um pouco tanto homens como mulheres. São muitas horas pilotando, na poeira, na sujeira, às vezes dividindo espaço com os carros e sempre às margens do seu máximo. É bruto. Então acredito que o ideal seja as mulheres começarem por ralis menores (no Brasileiro de rali eu sou única mulher!), como o Baja ou o RN1500, e irem se encorajando aos poucos”, orienta Moara.

vinheta-instagram_1



Guilherme Augusto

@obomguiaugusto >> Amante de motos em todas suas formas e sons (se for de 2T, melhor). Fã de viagens, competições, do Hugh Jackman e de praias. Viciado em café desde quando comecei a escrever