Suzuki GSX-R 750: uma moto e muitos sucessos

ficha_tecnica_Suzuki_GSX-R1985

ficha técnica Suzuki GSX-R 1985

Na categoria de motos superesportivas, nenhuma marca adaptou tão bem seu modelo para as ruas quanto a Suzuki. A sua 4 tempos de competição GSX-R 750 foi lançada em 1985 e evolui ano a ano incorporando quase tudo o que se desenvolvia nas pistas para as ruas. A pioneira Suzuki praticamente inaugurou o segmento e se mantém firme nele há mais de 26 anos. Acompanhe esta história.

O modelo original já tinha chassi em liga de alumínio, carburadores com pistonetes chatos, para melhor atomização, freios a disco duplos de pinças com quatro pistões e rodas de 18 polegadas. Nessas motos a refrigeração ainda era a  ar/óleo com objetivo de redução de peso. Esta foi uma das motocicletas que modificou o esporte. Num contexto de motos pesadas e instáveis, a primeira  GSX-R750 era incrivelmente leve, com 176kg, suspensão sofisticada e freios próprios para competição. Em 1985 não havia nada igual. E nas pistas começou o sucesso com Kevin Schwantz batendo lado a lado com Wayne Rainey de Honda VFR750.

Em 1986 ela recebeu uma balança traseira 25 mm mais longa para acalmar a dirigibilidade. Além de uma modificação no carter e faróis, pouca coisa mudou. Mas nesse ano ela chegou no mercado dos EUA. A GSX-R750 1986, foi homologada para competição em uma versão de produção limitada. Tinha embreagem a seco, banco monoposto e pintura em grafismo especial.

O modelo de 1987 recebeu bengalas de 41mm de diâmetro e suspensão ativada eletronicamente vinda da versão de pista do ano anterior. Um tanque maior, de 21 litros substituiu o antigo de 19 litros.

Ficha Tecnica Suzuki GSX R 750 1988

Ficha Tecnica Suzuki GSX R 750 1988

Em 1988 veio a primeira grande alteração. Novo chassi, revisões no motor e carenagens. O curso do pistão foi encurtado no motor refrigerado a óleo, deslocando 748 centímetros cubicos. Diâmetro de 73 mm e curso de 44.7 mm atingia mais altas rotações – 13.000 rpm indicado no conta-giros – mas limitado em 12.500 pela ignição. As dimensões internas do motor foram alteradas para acomodar o novo diâmetro e curso do pistão, válvulas maiores foram colocadas e um novo carburador Mikuni de 36 mm de diâmetro, eram operados a vácuo. Embreagem com quatro molas, novo desenho das carenagens e novos escapamentos duplos.  Novas rodas de 17 polegadas com três palitos eram calçadas com pneu 160/60VR17 na traseira e 120/70VR17 na frente. Nova suspensão dianteira de 43 mm com cartuchos.

A segunda geração da Suzuki GSX-R 750 ficou mais pesada, porém com um chassi mais estável e motor mais potente.

GSX-R750 (K) 1989

Pequenas mudanças: Grafismo na parte baixa da carenagem, escapamentos e mudanças na suspensão para melhorar o vão livre do solo. Uma edição limitada feita apenas para homologação retornou à configuração de curso mais longo, 70 x 48.7mm. Carcaças, virabrequim, bielas e embreagem foram modificadas para a plataforma de competição. Essa versão RR também recebeu nova carburação de 40 mm e escapes 4 x 1. Câmbio de relação mais ajustada, reforços na balança traseira, rabeta integrada ao banco monoposto e tanque em alumínio.

GSX-R750 (L) 1990

Apesar de ter poucas mudanças no visual, em 1990 a moto sofreu maiores alterações no motor, suspensão, carenagem e chassis. Essa foi a primeira versão com garfo invertido, diâmetro e curso voltou à configuração de curso longo. O motor voltou a 749 cc com as dimensões originais do curso longo, mas mantendo os 13.000 rpm de faixa de giro. Válvulas novas e carburadores maiores tipo BST38SS com 38 mm de diâmetro com circuito especial de alta rpm. Os respiros dos pistonetes ficaram fora da caixa de ar. Novo escapamento único e novo eixo secundário do câmbio para alinhar à rodagem mais larga. Novo radiador de óleo em curva, difícil de fabricar também foi adicionado.

A geometria foi refeita para o chassi que agora oferece 25.5º e entre-eixos de 1.410 mm. A suspensão dianteira invertida recebeu mesas compatíveis e na traseira um novo sistema de amortecedor ajustável com reservatório remoto de expansão. A balança recebeu peças fundidas integrando o componente para ajuste da corrente. A roda aumentou na largura para 5.5 polegadas  (antes era 4.5 polegadas), mas o pneu se manteve. Adicionado amortecedor de direção e outras pequenas mudanças na flange da coroa traseira e freios dianteiros. Mudanças na carenagem fizeram as entradas de ar laterais mais arredondadas e em lugar diferente, com novo pára-lama.

GSX-R750 (M) 1991

A GSX-R750M em 1991 ganhou 15 kg a mais que o modelo anterior. A principal mudança foi no farol, que teve sua aerodinâmica melhorada, banco mais confortável e duas lâmpadas na lanterna traseira. Esse foi o último modelo com arrefecimento a ar/óleo. Mudanças no cabeçote fizeram com que os excêntricos do comando fossem agora um por válvula, diferente de antes, que contava com um excêntrico sobre uma válvula e um balancim para as outras duas. Assim o ajuste das folgas de válvulas passaram a ser por meio de pastilhas. Isso permitiu outro enquadramento das válvulas do motor (duração e ângulo de abertura e fechamento). O pneu traseiro passou para 170 mm.

GSX-R750 (N) 1992

O mercado americano não recebeu o novo motor de arrefecimento líquido. Todos os outros mercados receberam o modelo novo.

GSX-R750 (WN) 1992

Novo motor de arrefecimento líquido em chassi revisado, carenagem e suspensão

GSX-R750 (WP) 1993

Mudanças na pintura e ajustes no motor melhoram nível de potência

GSX-R750 (WR) 1994

Perdeu potência em relação ao modelo anterior e nesse ano as bengalas receberam anodização em azul

GSX-R750 SPR 1994-1995

Uma edição limitada foi produzida nesses dois anos. Peças especiais de fábrica incluiam carburadores de boca larga TRM40, câmbio de relação próxima, carcaças de magnésio, pinças de freio de seis pistões e balança traseira reforçada. Um Pneu 180 mm foi colocado na traseira. O modelo SPR era 10 quilos mais leve que a WR.

GSX-R750 (WS) 1995

Esse foi o último ano que foi usado chassi de berço duplo, mas foi reforçado em relação ao anterior. Mais potência e peso sobre os modelos anteriores também, bengalas invertidas foram anodizadas em alumínio natural. Os farois receberam refletores duplos e a parte alta da carenagem foi renovada. Esse modelo permitia maior inclinação nas curvas também.

(SRAD) Suzuki Ram Air Direct. Além do trocadilho em ingles que remete a “(it’)s rad(ical)” que quer dizer “essa é radical”, a sigla dá o nome ao sistema de indução para a caixa de ar forçando um aumento de pressão conforme o vento frontal aumenta. Todos os modelos a partir de 1996 passaram a ter esse sistema.

GSX-R750 (T) 1996

Para a linha de 96 a GSX-R introduziu um novo chassi de viga dupla derivada da famosa Suzuki RGV 500 GP de competição. O novo motor, mais compacto, recebeu tampas de liga de magnésio no cabeçote, motor de partida e embreagem para ajudar na redução de peso. Essas alterações resultaram em 20Kg a menos, chegando na escala de 179Kg enquanto a potência subia a 118 hp. Esse modelo terminou por resolver o problema de peso que estigmatizou as GSX-R do começo dos anos 90.

Outras características são: carburadores com controle eletrônico, bengalas invertidas de 43mm totalmente ajustáveis e um pneu traseiro 190/50-17 que passou a ser usado em toda linha, de 1996 até 1999.

GSX-R750 (V) 1997

Poucas mudanças internas no modelo de 1996 mas a aerodinâmica foi bem melhorada.

GSX-R750 (W) 1998

Introdução da injeção eletrônica aumentou a potência para 134 hp.

GSX-R750 (X) 1999

Modificações no grafismo e a roda traseira agora em 6 polegadas de largura passa a usar pneu de 190 mm. O ano de 1999  foi o último ano do desenho “SRAD”.

GSX-R750 Y – 2000

Esse modelo durou de 2000 até 2003. Mais leve, mais resistente e mais rápida, recebeu o apelido de Super Homem por causa do formato do farol, que lembra o seu símbolo. Motor menor e mais forte, nova injeção, cabeçote mais estreito com dutos mais retos na admissão, caixa de ar com maior volume, sistema RAM AIR se manteve e foi melhorado (efeito do vento aumentando a pressão na admissão) escapamento 4×1 em aço inox, melhorado o sistema de arrefecimento.

Perfil mais aerodinamico e área frontal menor, novo painel com cristal líquido (LCD). O chassi foi redesenhado, balança traseira alongada. Novos freios e rodas fizeram o peso não suspenso menor, melhorando a dirigibilidade por causa da menor massa em rotação.

GSX-R750 K1 – 2001

Mudanças na pintura apenas.

GSX-R750 K2 – 2002

Poucas mudanças para 2002: Injeção recalibrada, nova balança traseira ajustável, novos retrovisores e escapamento em aço escovado.

GSX-R750 K3 – 2003

Mudanças, apenas no grafismo

GSX-R750 K4 – 2004

Ficha técnica GSX-R 750 2004

Ficha técnica GSX-R 750 2004

Versão refinada dos modelos 2000 a 2003. ECU agora tem 32 bits, válvulas de titânio, novas carenagens, chassi e balança pintados em preto, freios radiais. 749 cc DOHC, 4 válvulas por cilindro no motor 4 cilindros em linha.

GSX-R750 K5 – 2005

Versão comemorativa dos 20 anos tinha pintura especial, escapamento modificado e rotores do freio dianteiro Sunex. Detalhes como corrente azul, banco da mesma cor e selo comemorativo dos 20 anos.

GSX-R750 – 2006-07

Ficha Técnica GSX R 750 2006

Ficha Técnica GSX R 750 2006 e 2007

Ano para renovar o modelo: novo chassi, balança e motor. Curso maior, câmbio recolocado na parte alta da carcaça e os rotores dos freios aumentaram de 300mm para 310mm.

Outras modificações comparando aos modelos anteriores: novo motor mais compacto e mais leve, sistema de arrefecimento especialmente desenvolvido para redução de peso, maior eficiência na combustão pelo desenho da câmera e melhor curva de potência.

Alta compressão (12.5:1), válvulas de titânio com diâmetro maior seguindo comandos mais agressivos e aliviados para reduzir peso e inércia.

GSX-R750 K8/K9/L0 (2008/2009/2010)

Ficha Técnica GSXR 750 2008/2009/2010

Ficha Técnica GSXR 750 2008/2009/2010

Novo modelo com algumas modificações – farois revistos, novas cores e seletor de modos de pilotagem.

GSX-R750 – 2011

Novo modelo, com corpo mais fino e limpo, novo farol, pinças italianas marca Brembo nos freios. O modelo 2011 ficou 9 Kg mais leve que o anterior e agora conta com embreagem deslizante, que melhora o controle nas reduções de marchas. Garfos dianteiros de pistões grandes são standard assim como o amortecedor traseiro da Showa e painel mais compacto, na linha da  GSX-R1000.

Motor tipo 16-valvulas, 4-tempos, DOHC quatro em linha
Potência 106.00 HP a 10500 RPM
Torque 73 N.m a 10000 RPM
Cilindrada 749cc
Compressão 9.8:1
Diâmento e curso 70.0mm x 48.7 mm
Alimentação 4 carburadores
Ignição Transistorizada
Arrefecimento a ar e óleo
Câmbio seis matchas
Transmissão final Corrente
Peso seco 176 Kg
Altura do banco 755 mm
Altura total 1200 mm
Comprimento total 2130 mm
Largura total 620 mm
Vão livre do solo 140 mm
Distância entrte eixos 1425 mm
Pneu dianteiro 110/80-18
Pneu Traseiro 140/70-18
Freio dianteiro Disco duplo com pinças de 4 pistões (2 opostos)
Freio traseiro Disco simples
Capacidade do tanque 19 litros

Obs.: Para facilitar a discussão sobre esse assunto, criamos um tópico no fórum para os motonliners.
Clique aqui para acessar o tópico.

Fonte: Global Suzuki - Suzuki Motorcycle History, Suzuki-cycles organization - Jaarmo Haapamäki, Wikipedia - the free encyclopedia

Comentários Imprimir

Destaques do Motonline


Comentários

Ao postar um comentário você concorda com as Regras para a postagem do Motonline