Ajuste de suspensão em qualquer tipo de moto, fora competição

Neste artigo vamos verificar como se ajusta a suspensão de uma moto para uso em qualquer tipo de situação.

Claro que em competições esses ajustes se tornam mais específicos e exigentes quanto ao resultado, não é a nossa proposta aqui. Queremos dar ao leitor uma base consistente para se adequar rapidamente ao seu modelo de moto e à sua maneira de pilotar. Quando um cliente sai da loja com uma moto nova às vezes passa todo o tempo que permanece com ela andando com a suspensão e comandos desajustados para seu biótipo e sofre sem perceber.

Muitas pessoas já ouviram falar das técnicas de ajuste do sag, mas pouca gente sabe porque cada vez que se mede encontra-se um resultado diferente. Isso é causado pelo atrito interno do mecanismo de toda suspensão, retentores, buchas, rolamentos de links etc. Então vamos minimizar esse erro e utilizar a média de duas medições; a primeira com a suspensão se deslocando de cima para baixo e a segunda com ela se deslocando de baixo para cima. Assim acha-se o centro das duas medidas que deve ser considerado como o ponto do sag.

Peça para um amigo suspender o conjunto moto e piloto para tirar a primeira medida (C1) e peça para ele pressionar para tirar a segunda (C2). A média das duas medidas é o valor a se considerar: (C1+C2)/2. Essa medida (anote como M1) é feita a partir do centro do eixo traseiro até uma referencia qualquer na moto, mas que esteja na vertical em relação ao eixo. Agora, faça a medição da distância máxima da suspensão sem peso algum sobre a moto, a partir do início do seu curso (M2 nas suas anotações). A medida final do sag é o resultado de M2 – M1. Para a roda dianteira use as referências na própria bengala e faça o mesmo cálculo.

Agora fica a questão: Essa medida é boa ou má? Como saber? A resposta será diferente para cada tipo de moto em cada tipo de uso.

Para se ter um número universal imagine que o Sag deve ficar entre 20% e 33% do curso total da roda, quanto maior, melhor será o conforto em detrimento da esportividade, mas nunca ultrapasse o 33%. Então independentemente do curso da suspensão da sua moto você pode fazer o cálculo e achar a melhor medida para a sua aplicação.

Existe ainda o balanço entre as duas rodas que deve ser levado em consideração; Um sag menor atrás do que na frente vai proporcionar maior rapidez nas mudanças de direção e o contrário, ou seja menor sag à frente vai fazer as mudanças de direção mais difíceis mas terá uma moto mais estável nas retas.

Depois de definir a melhor medida de sag a utilizar altere a pré carga das molas (cada moto tem uma maneira) para obter essa medida, fazendo o acompanhamento das medições conforme acima.

A segunda ação importante no acerto de suspensão é a atuação do sistema hidráulico. A maioria das motos mais modernas e sofisticadas contam com um tipo de regulagem que endurece e amacia a resistência hidráulica para a compressão e para o retorno da roda quando se aborda um obstáculo, a seguir você vai entender como se faz essa regulagem apenas quanto ao retorno, uma vez que para a compressão os critérios são outros, mais avançados que os aplicados no momento. Melhor não mexer, pois afeta toda a regulagem do Sag feita anteriormente.

Ajuste do retorno hidráulico – dianteira Uma vez que o Sag está definido, verifique os pneus e calibre a pressão para o limite máximo especificado para o modelo. Assim ao trafegar por ondulações e pequenos buracos você percebe se a frente da sua moto perde precisão na direção. Isso indica que a válvula de retorno está muito aberta, explicando: Ao atingir um obstáculo a roda repica demais e ao sair dele ela dá um pequeno vôo e nesse momento perde tração, é isso que dá a sensação de direção imprecisa. Aumente um clique no parafuso de retorno e verifique novamente. Se permanecer a sensação aumente mais um clique. Se for demasiada a ação do retorno a moto começa a comprimir a suspensão e só volta quando o ciclo de oscilação termina (“packing” ou empacotando em inglês). Imagine a roda passando por uma tábua de lavadeira, ela começa a se comprimir e não consegue retornar antes que a próxima ondulação atinja o pneu, empacotando um ciclo no outro. A moto perde a maciez e você pode até sentir ela abaixando em alguns casos, se isso ocorrer volte um clique no parafuso de ajuste. Procure a posição que oferece o maior conforto com a melhor dirigibilidade e controle.

Ajuste do retorno hidráulico – traseira Para esse ajuste na traseira, procure uma subida com ondulações tipo lavadeira. Você vai sentir a roda perder tração ao acelerar de forma cíclica. Às vezes pega e às vezes solta a tração. Isso se ocorrer o retorno rápido demais, com a suspensão abaixada pela tração a moto adere mas se for no início do curso ela derrapa. Essa é a hora de aumentar o ajuste de retorno. Procure pelo ponto em que esse efeito termine, vindo do macio para o mais duro. Assim você não passa muito da posição mais confortável inadvertidamente., ponto onde começa a ocorrer o “packing”. Terminando o processo volte a pressão dos pneus ao valor normal e bons passeios. Você não vai reconhecer a sua moto, vai parecer outra.

Fonte: Texto e Fotos: Carlos (Bitenca) Bittencourt

Comentários Imprimir

Destaques do Motonline


Comentários

Ao postar um comentário você concorda com as Regras para a postagem do Motonline